MENU

SBT comemora 29 anos nessa quinta

SBT comemora 29 anos nessa quinta

Atualizado: Quinta-feira, 19 Agosto de 2010 as 3:22

Há 29 anos, às 10h dia 19 de agosto de 1981, entrava no ar uma das mais populares emissoras de TV do Brasil, a TVS, que futuramente teria seu nome alterado para Sistema Brasileiro de Televisão, ou simplesmente, SBT.

A nova emissora passou a ocupar o canal 4 de São Paulo, antiga frequência da TV Tupi na cidade, que teve suas operações encerradas um ano antes. O projeto era a realização de um sonho pessoal do apresentador e empresário Silvio Santos, que já vinha tentando formar uma rede nacional de televisão desde a década de 70.

Em 29 anos no ar, o SBT se consolidou com uma das maiores redes de televisão do país e tem sua história confundida com a de seu proprietário, Silvio Santos, considerado o homem sorriso da TV brasileira e que serviu – e serve até hoje – de inspiração para os profissionais de televisão.

São cerca de cinco mil funcionários e 109 emissoras que distribuem o sinal do SBT a 182 milhões de telespectadores, o que representa 96% dos lares brasileiros. 

Primeiros anos

A emissora foi construída com o apoio de amigos de longa data de Silvio Santos, como o humorista e redator Manoel de Nóbrega, criador do humorístico “A Praça da Alegria”, que foi incorporada pela emissora com o nome de “A Praça é Nossa” em 1987.

Em seus primeiros anos, o SBT era obrigado pela legislação a exibir 12 horas de programação diária. Para isso, optou por criar uma grade voltada ao público C, D e E, composta por desenhos, filmes, jornalismo e o “Programa Silvio Santos”, que ocupava quase toda a programação de domingo da emissora. Em pouco tempo, o canal conquistou uma posição de destaque em audiência e, em seu segundo ano de operação, viu sua participação em audiência atingir 30%. Em sua primeira década, alguns artistas marcaram a história do canal ao lado de Silvio Santos, como J. Silvestre, Flávio Cavalcante, Raul Gil, que retornaria a casa mais de 20 anos depois, Moacyr Franco e a revelação Gugu Liberato. Além deles, o palhaço Bozo marcou a infância de muita gente.

Programas de auditório

Ao abordar a história do SBT é impossível não falar dos programas de auditório. Presentes desde o início do canal, esse tipo de atração tornou-se a cara da emissora, sobretudo o “Programa Silvio Santos”, que preenchia quase toda a programação dominical da rede.

A atração, no ar até hoje sob novo formato, consistia na exibição de vários quadros apresentados por Silvio Santos. Alguns deles se destacaram e entraram para a história da TV brasileira, como o “Domingo no Parque”, o “Show de Calouros”, o “Rolentrando”, a competição musical “Qual é a Música?” e o marcante “Topa Tudo Por Dinheiro”, quadro em que Silvio Santos imortalizou frases como “Quem Quer Dinheiro?” e a cena dos aviõezinhos em dinheiro jogados para a plateia. A atração consistia em um mistura de brincadeiras no palco e com a ‘colegas de trabalho’ do apresentador, além das divertidas câmeras escondidas.

Chaves, Chapolin e tramas mexicanas

A parceria com a rede mexicana Televisa sempre foi uma das apostas do SBT. Desde seus primeiros anos, a rede veiculava produções da parceira latino-americana. Em 1984, o canal estreou os seriados “Chaves” e “Chapolin”. As histórias do menino do barril e do herói colorado caíram no gosto da criançada e se tornou uma das maiores audiências do SBT, inclusive nos dias atuais.

Enquanto isso, as novelas mexicanas começavam a cair no gosto do público brasileiro, acostumado com os folhetins clássicos da TV Globo. Tramas como “Os Ricos Também Choram” (1982) e “Chispita” (1984) fidelizaram público. Pouco tempo depois as novelas “Maria do Bairro”, “Maria Mercedes” e “Marimar”, todas protagonizadas por Thalia, se tornaram sucesso nacional. No início da década de 90, outra conquista. A novela infantil “Carrossel” virou febre no país, bateu recordes de audiência, assustando a hegemonia global. Já no final da década de 90, o SBT veiculou outro grande sucesso mexicano, a novela “A Usurpadora”, protagonizada pela atriz Gabriela Spanic.

Teledramaturgia nacional

Com o sucesso dos folhetins mexicanos, o SBT optou por não investir continuamente em produções nacionais. Mesmo assim, a rede de Silvio Santos produziu grandes novelas, com destaque para “Éramos Seis”, “Os Ossos do Barão”, “As Pupilas do Senhor Reitor” e “Pérola Negra”, atualmente reprisada nas tardes da emissora. Vários atores passaram pela telinha do SBT, como Ana Paula Arósio, Dalton Vigh, Irene Ravache, Othon Bastos, Marcos Caruso, Tarcísio Filho, entre tantos outros que seguiram suas carreiras na Globo. Em 1997, através de uma parceria com a emissora argentina Telefe, o canal de Silvio Santos lançou a novelinha infantil “Chiquititas”, que ganhou a produção de cinco temporadas, todas gravadas na Argentina. A trama escrita por Cris Morena ganhou a ajuda de autores brasileiros e revelou jovens talentos como Marcos Pasquim, Débora Falabella e Bruno Gagliasso.

Nos últimos anos, o SBT produziu vários remakes de novelas mexicanas de sucesso, como “Cristal”, “Maria Esperança” e “Pícara Sonhadora”. Entretanto, após o fim do contrato com a Televisa, a emissora optou por voltar a produzir novos folhetins nacionais e sua teledramaturgia sofreu um novo impulso com a chegada do novelista Tiago Santiago, autor de sucessos na Record.

Um universo infantil

Não foram apenas “Chaves” e “Chapolin” que animaram a garotada durante os 29 anos do SBT. A emissora sempre apostou no público infantil, desde o “Domingo no Parque”, de Silvio Santos, aos inúmeros desenhos transmitidos ao longo de sua trajetória.

Na década de 80, o grande destaque foi o irreverente palhaço de cabelos vermelhos Bozo, inspirado no original americano. Ao som de “Alô Criançada, o Bozo Chegou”, Bozo, Vovó Mafalda, Salci Fufu e toda a trupe do programa animava a criançada com brincadeiras e desenhos.

Porém, o formato circense acabou perdendo espaço no início da década com a consolidação dos programas infantis de auditório apresentado por charmosas garotas. Enquanto a Globo investiu em Xuxa, o SBT apostou em Mara Maravilha no “Show Maravilha”, que ficou no ar por cerca de sete anos. A atração apresentava brincadeiras, músicas e era intercalada por desenhos de sucesso como “Cavalo de Fogo” e “Os Ursinhos Carinhosos”. Mas o investimento na área infantil não ficou apenas em Mara. Em pouco tempo, uma série de apresentadores infantis foi lançado pela rede, como Eliana, que voltaria a emissora no ano passado para comandar uma atração dominical para toda família, Mariane, Simony e Sérgio Mallandro, que apresentava o “Oradukapeta”.

Em 1993, a loirinha Angélica, que fazia sucesso na Manchete, foi contratada pelo SBT para apresentar o “Casa da Angélica”. Em pouco tempo a apresentadora virou sucesso e passou a comandar o “Passa ou Repassa” e o “TV Animal”. A audiência conquistada por Angélica chamou a atenção da Globo, que acabou a contratando em 1996. Além da chegada de Angélica, o ano de 93 também foi marcado pela estreia do “Bom Dia e Cia”, primeiramente apresentado por Eliana. A atração que apresentava quadro educativos mesclados com desenhos animados também foi comandado por Jacqueline Petkovic.

No final de 2003, a atração passa por uma reformulação e Silvio Santos resolve investir em crianças à frente do programa e focar apenas em desenhos. Na nova fase, a dupla infantil Jéssica Esteves e Kauê Santin passa a comandar a atração. Dois anos depois, a dupla foi substituída por outro casal infantil, formado por Priscilla Alcântara e Yudi Tamashiro. Fortalecido pela parceria com os estúdios Warner, que disponibilizou um grande pacote de desenhos para a emissora, a atração chegou a liderar com frequência a audiência no início dos anos 2000. E o contrato com a Warner rendeu à emissora frutos em suas sessões de filmes, como a “Tela de Sucessos”, o “Cine Espetacular”, o “Oito e Meia no Cinema” e o “Cinema em Casa”, que passaram a veicular produções campeãs de bilheteria.

Jornalismo e esportes

Apesar de apostar mais em sua linha de shows, o SBT destacou-se em alguns momentos pela sua cobertura jornalística e esportiva. Na década de 90, foi lançado o jornal policialesco “Aqui Agora”, que em pouco tempo virou sucesso no início da noite. O formato do programa acabou servindo de inspiração para jornalísticos de outras emissoras, como o “Cidade Alerta” e o “Brasil Urgente”. Hoje

Atualmente, o SBT é a terceira maior emissora do Brasil, perdendo para Globo e Record, com quem briga diretamente desde 2004.

Em sua grade de programação, destaques para o "Qual é o seu Talento?", "Conexão Repórter", "Aventura Selvagem", "Esquadrão da Moda", "Programa Raul Gil", "Domingo Legal", "Eliana" e "Programa Silvio Santos", dentre vários outros.Uma das próximas novidades do canal é o "Topa ou não Topa", consagrado programa comandado por Silvio Santos, que agora volta em nova versão apresentada por Roberto Justus. O SBT também prepara "Corações Feridos", novela de Íris Abravanel prevista para estrear em novembro, além do próximo folhetim de Tiago Santiago, que deve começar a ser exibido em março de 2011.

A emissora também deve estrear nos próximos meses o reality show "Solitários", que consiste em isolar participantes em cabines, que simulam solitárias, submetendo-os a provas de resistência física e psicológica. O vencedor é o que resistir por maior tempo ao confinamento.

Aproveitando os seus 29 anos, o SBT lança hoje seu novo site, mais moderno, dinâmico e interativo. Uma nova vinheta inter-programas também está no ar.

veja também