Após Israel ser alvo de quase 4 mil foguetes, cessar-fogo com Hamas entra em vigor

O gabinete do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, informou que “é a realidade no terreno que determinará o futuro da operação”.

fonte: Guiame, com informações do Times of Israel e Jerusalem Post

Atualizado: Sexta-feira, 21 Maio de 2021 as 9:50

Explosão de edifício no bairro residencial de Rimal, na Cidade de Gaza, em 20 de maio de 2021. (Foto: Bashar Taleb/AFP)
Explosão de edifício no bairro residencial de Rimal, na Cidade de Gaza, em 20 de maio de 2021. (Foto: Bashar Taleb/AFP)

O gabinete de segurança de alto nível de Israel votou a favor de um cessar-fogo em Gaza na noite de quinta-feira (20), depois de 11 dias de conflitos com o grupo terrorista Hamas.

Ao mesmo tempo, um comunicado do gabinete do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, informou que “é a realidade no terreno que determinará o futuro da operação”.

O oficial sênior do Hamas, Osama Hamdan, disse ao canal de notícias libanês Al-Mayadeen que o cessar-fogo entraria em vigor às 2h da manhã. No entanto, apesar do anúncio, a violência continuou.

A polícia de Israel entrou em confronto com palestinos no Monte do Templo na tarde desta sexta-feira (21), no horário local. Uma transmissão ao vivo do complexo mostrou palestinos cercando a polícia, que disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersá-los.

A mídia palestina informou que 15 palestinos foram feridos por balas de borracha e estilhaços de granadas de choque.

No início desta sexta, milhares de palestinos se reuniram no Monte do Templo para comemorar o que o Hamas chama de “vitória sobre Israel”, depois que o cessar-fogo foi implementado.

O ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, esclareceu que as alegações do Hamas de vitória sobre Jerusalém são “completamente falsas”. 


Ativistas penduraram faixas exaltando o Hamas e seus líderes na mesquita de al-Aqsa. (Foto: Ammar Awad/Reuters)

Segundo ele, a chamada operação Guardião dos Muros concedeu a Israel “conquistas militares sem precedentes” na luta contra grupos terroristas na Faixa de Gaza. Gantz disse ainda que o exército permanece em alerta máximo para futuros ataques e que “a realidade no terreno determinará a continuação da operação”.

Quase 4 mil foguetes contra Israel

O Hamas e outros grupos terroristas de Gaza lançaram quase 3.700 foguetes contra Israel desde 10 de maio, forçando pessoas que moram perto de Gaza a entrar em abrigos antibombas 24 horas por dia. Em resposta, Israel realizou uma extensa campanha de bombardeios na Faixa de Gaza.

O Ministério da Saúde de Gaza, comandado pelo Hamas, disse que 232 pessoas, incluindo mais de 66 menores, foram mortas em ataques israelenses nos últimos 10 dias. De acordo com as Forças de Defesa de Israel (IDF), mais de 120 dos mortos eram membros do Hamas e mais de 25 eram membros da Jihad Islâmica Palestina. 

O IDF também diz que algumas das mortes de civis em Gaza foram provocadas pelos próprios foguetes dos grupos terroristas que falharam e explodiram em Gaza.

Em Israel, 12 pessoas foram mortas, incluindo um menino de 5 anos e uma menina de 16. Em um saldo total, o Hamas e outros grupos terroristas de Gaza dispararam mais de 4.000 foguetes e outros projéteis contra Israel, informa o Times of Israel.

Negociações do cessar-fogo

A reunião ministerial foi a conclusão de um processo de negociações de cessar-fogo. De acordo com a Al-Jazeera, Israel havia informado o Egito — que media as negociações entre o Estado judeu e o Hamas — que estava disposto a interromper sua campanha militar.

As conversas continuaram depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, pediu uma “redução significativa” no final da quarta-feira, enquanto Netanyahu prometeu continuar até que a campanha militar alcançasse seu objetivo: “restaurar a calma e a segurança” para os israelenses.

Os EUA, um importante aliado de Israel, evitaram emitir uma declaração conjunta do Conselho de Segurança da ONU pedindo o fim das hostilidades, dizendo que isso poderia minar os esforços para desacelerar a crise. No início desta semana, a França começou a circular uma resolução do Conselho de Segurança pedindo um cessar-fogo imediato.

Pouco antes do anúncio do cessar-fogo, a Casa Branca disse que o presidente Joe Biden havia conversado na quinta-feira com o presidente egípcio, Abdel-Fattah el-Sissi.

Os dois líderes discutiram “os esforços para alcançar um cessar-fogo que acabará com as atuais hostilidades em Israel e Gaza”, informou um comunicado.

veja também