"Antes da perseguição, eu não sabia o quão próximo Deus estava de nós", diz cristã indiana

As irmãs Meena e Sunita chegaram a ser espancadas e expulsas da casa de seus pais após a população descobrir que elas haviam se convertido ao Evangelho.

fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas (EUA)

Atualizado: Sexta-feira, 30 Agosto de 2019 as 11:20

Atualmente, Meena e Sunita contam com apoio de outros cristãos. (Foto: Portas Abertas)
Atualmente, Meena e Sunita contam com apoio de outros cristãos. (Foto: Portas Abertas)

Qual foi o custo de seguir Jesus para Meena* e Sunita*?

"Perdemos nossa casa, nossa colheita de arroz, 45 cabras, nossas roupas e fomos expulsas da vila. Perdemos amigos e familiares e, quando queríamos construir uma casa nova em outro lugar, os tijolos e a madeira foram roubadas", disse Meena.

Meena e Sunita são duas irmãs que moram em Odisha, um estado no leste da Índia. Eles cresceram em uma família hindu e em uma comunidade que era firmemente hindu. As irmãs se converteram ao Evangelho através de um programa de rádio cristão.

“Ouvir rádio. Esse era o contato com a igreja ao qual tínhamos acesso”, diz Meena. “Tínhamos medo da sociedade hostil [à nossa volta], mas em 2006 fomos batizados e começamos a visitar os cultos da igreja.

Cerca de um ano depois, os moradores notaram que algo sobre as irmãs era diferente. A fé delas foi descoberta. Os moradores fizeram uma reunião.

"Eles disseram um ao outro que os cristãos não deveriam ser tolerados na vila", lembram as irmãs. “Eles ligaram para o nosso pai e o pressionaram. Ele lhes disse: 'Vou providenciar um quarto para elas, mas não lhes darei comida ou roupas'. Ele não nos trancou, mas tivemos que cuidar de nós mesmas. A vila inteira nos rejeitou, mas fomos abençoadas pelo Senhor”.

As irmãs continuaram a viver na vila, lutando para sobreviver, sem o apoio de sua família.

Um dia, vários anos depois, as irmãs estavam colhendo frutas na vila. De repente, um grupo de extremistas hindus bloqueou seu caminho.

"Os cristãos não podem colher frutos", disseram eles a Meena e Sunita. "Vocês também não podem tirar água do poço, nem fazer uso dessa estrada pela vila".

Meena, Sunita e duas outras mulheres cristãs fugiram em segurança para uma colina próxima, onde se esconderam até por volta da meia-noite. Por quase oito horas, elas ouviram os extremistas gritarem: “Onde eles estão? Queime-as! Queime-as!”

Finalmente, depois que a multidão se dispersou e elas se sentiram seguras, as cristãs foram para outra aldeia, ficaram com os crentes locais e depois foram para a delegacia no dia seguinte. Os policiais contataram os homens que perseguiram de Meena e Sunita e fizeram um acordo que alguns dias depois as mulheres poderiam voltar para uma "reunião de paz".

“Por que vocês se tornaram cristãs?”

Enquanto Meena conta essa parte da história, em um tom calmo e quieto, sua irmã ouve.
"Quando chegou o dia [da 'reunião de paz'], fomos para casa primeiro", diz Meena. “Uma senhora entrou e começou a nos intimidar.”
Enquanto conta a história, Meena ainda pode ouvir a voz do acusador, provocando-a: "Por que vocês se tornaram cristãs?".

Sunita parece nervosa e ansiosa por se lembrar do trauma, mesmo após o ataque. Falar sobre a experiência parece ser muito mais doloroso para ela, ainda mais do que para Meena. Ela ouve atentamente enquanto a irmã conta os fatos. Mas claramente quer compartilhar sua história também. Antes de falar, ela fecha os olhos e ora silenciosamente.

“Quando a senhora da vila veio à nossa casa, ela gritou conosco”, lembra Sunita, com a voz trêmula. “‘Por que vocês se tornaram cristãs? Não queremos cristãos aqui! Vá para uma vila cristã’. Ela me bateu três vezes. Muitas outras pessoas vieram. Minha irmã e eu tentamos nos proteger, mas não conseguimos. Eles nos repreenderam e nos chamaram de nomes vulgares”.

Meena e Sunita foram arrastadas para da casa de seu pai. Os homens começaram a bater nelas com varas de bambu.

"Eu pensei que iria morrer", diz Sunita. "Recebi aquelas batidas em silêncio e orei até perder a consciência".

"Eles quebraram pelo menos cinco ou seis das [varas de bambu] nas minhas costas", diz Meena. "Minha irmã tentou me proteger, mas não conseguiu. Apenas gritei a Deus: ‘Obrigado, Senhor! Jesus, por favor, perdoe-os, eles não sabem o que fazem’.

Os agressores não ficaram impressionados. Alguém gritou para as irmãs: “Conhecemos Jesus. Ele morreu em uma cruz, e vocês também vão morrer!”.

Sunita se anima enquanto fala sobre os eventos, especialmente quando fala com carinho sobre sua irmã mais velha.

"Ela ficou entre mim e os agressores", diz Sunita. “Ela foi como Jesus e levou a surra que era para ser dada em mim”.

"Eles me arrastaram pelos arredores da vila. Quando acordei, meu pulso doía terrivelmente. Eu vi o osso quebrado. Levantei-me saí da nossa vila”, acrescentou Sunita.

O extremismo e a intolerância religiosa têm aumentado consideravelmente nos últimos anos, na Índia. (Foto: Reuters)

“Digna de sofrer por Jesus”

Enquanto ela conta a história, sua mão direita toca seu braço esquerdo para explicar como a vara de bambu quebrou seu pulso e depois aponta seus ombros para explicar como ela foi arrastada da vila e largada no chão para morrer.

Meena foi separada de sua irmã, enquanto a via ser arrastada.

"Eu apenas orei para que Deus fizesse Sua vontade, não importava qual fosse", lembra Meena. “Claro, o espancamento foi doloroso, mas por dentro senti uma tremenda alegria. Eu era digna de sofrer por Jesus!”.

Ela ouviu outros homens chegando e decidiu se esconder em um galpão de cabras.

"Os agressores entraram", continua ela. “Eu os vi e ouvi. Eu rastejei em um canto. E eu apenas orei para que minha irmã ainda estivesse viva. Orei também para que Deus fizesse Sua vontade. Eu disse a Ele: ‘Eu posso morrer ou posso testemunhar. Faça-me um um instrumento em Tuas mãos, Senhor. Faça de mim uma testemunha sua”.

Finalmente, os homens foram embora. Logo depois, as irmãs gravemente feridas se reuniram na casa de outra cristã.

"Mas ela tinha medo de nos ajudar", lembram as irmãs. “A mulher nos disse: Se eles encontrarem vocês aqui, vão lhes matar. Vão para a próxima vila”.

Então, eles foram embora novamente. Outra família cristã lhes deu abrigo e as levou para o hospital.

Enquanto Meena conta essa parte da história, ela fala em um tom calmo e quieto, enquanto sua irmã ouve. "Quando chegou o dia [da 'reunião de paz'], fomos para casa primeiro", diz Meena. “Uma senhora entrou e começou a nos intimidar.” Enquanto ela conta a história, Meena ainda pode ouvir a voz do acusador, provocando-a:

"Por que você se tornou cristão?"

Sunita parece nervosa e ansiosa para reviver o trauma, mesmo após o ataque. Falar sobre a experiência parece ser muito mais doloroso para ela do que para Meena. Ela ouve atentamente enquanto a irmã conta os eventos. Mas ela claramente quer compartilhar sua história também. Antes de falar, ela fecha os olhos e reza silenciosamente.

“Quando a senhora da vila veio à nossa casa, ela gritou para nós”, lembra Sunita, com a voz trêmula. “‘ Por que você se tornou cristão? Não queremos cristãos aqui! Vá para uma vila cristã. Ela me bateu três vezes. Muitas outras pessoas vieram. Minha irmã e eu tentamos nos proteger, mas não conseguimos. Eles nos repreenderam e nos chamaram de nomes vulgares.

Meena e Sunita foram arrastadas para fora. Os homens começaram a vencê-los com varas de bambu. "Eu pensei que iria morrer", diz Sunita. "Sofri as batidas em silêncio e rezei até perder a consciência."

"Eles quebraram pelo menos cinco ou seis das [varas de bambu] nas minhas costas", diz Meena. "Minha irmã tentou me proteger, mas não conseguiu. Apenas gritei a Deus: ‘Obrigado, Senhor! Jesus, por favor, perdoe-os, eles não sabem o que fazem.

Os atacantes não ficaram impressionados. Alguém gritou para as irmãs: “Conhecemos Jesus. Ele morreu em uma cruz, e você também!

Sunita se anima enquanto fala sobre os eventos, especialmente quando fala com carinho sobre sua irmã mais velha. "Ela ficou entre os agressores e eu", diz Sunita. “Ela era como Jesus e levou a surra que era para mim.

"Eles me arrastaram pelos arredores da vila", diz ela. “Quando acordei, meu pulso doía terrivelmente. Eu vi o osso quebrado. Levantei-me e acabei de sair de nossa vila.

Enquanto ela conta a história, sua mão direita toca seu braço esquerdo enquanto explica como a vara de bambu quebrou seu pulso e depois se move para seus ombros para explicar como ela foi arrastada da vila e deixada para morrer.

Meena foi separada de sua irmã, vendo como ela foi arrastada. "Eu apenas rezei para que Deus fosse feito, não importa o quê", lembra Meena. “Claro, o espancamento foi doloroso, mas por dentro senti uma tremenda alegria. Eu era digno de sofrer por Jesus! ”

Ela ouviu outros chegando e decidiu se esconder em um galpão de cabras. "Os atacantes passaram", continua ela. “Eu os vi e ouvi. Eu rastejei em um canto. E eu apenas rezei para que minha irmã ainda estivesse viva. Orei também para que Deus seja feito. Eu disse a Ele: can Eu posso morrer ou posso testemunhar. Faça-me uma arma, senhor. Faça de mim uma testemunha sua.

Finalmente, os homens foram embora. Logo depois, as irmãs gravemente feridas se reuniram na casa de outro crente. "Mas ela tinha medo de nos ajudar", lembram as irmãs. “A mulher nos disse: they Se eles te encontrarem aqui, eles vão te matar. Vá para a próxima vila”.

Então, elas foram embora novamente. Outra família cristã lhes deu abrigo e as levou para o hospital.

Grata pela perseguição?

As irmãs se mudaram para uma vila diferente, mas a situação não se tornou subitamente tranquila. Muitos desafios haviam de ser enfrentados. Apesar disso, elas permaneceram leais a Cristo. Nas palavras de Sunita: “Nós realmente vivemos para Cristo. Eu sei o nome daqueles que nos perseguiram e nos agrediram. Eles estão sempre em minha mente e eu oro por eles”.

"Os outros crentes são realmente encorajados por nossa fé", acrescenta Meena. “E grandes coisas estão acontecendo em nossa antiga vila. Um de nossos primos que nos atacou brutalmente, mudou completamente sua atitude. Ele ainda não é cristão, mas diz aos outros que realmente tem vergonha de como ele nos agrediu. E nosso irmão entrou em contato recentemente. Ele falou amigavelmente conosco”.

“Outros moradores agora dizem que foram instigados pela polícia a nos atacar, mas disseram que estavam muito tristes com o que fizeram conosco. Nós estamos muito alegres. Deus recompensou nossas orações e fidelidade. Não apenas nossas orações, mas também as orações de inúmeras pessoas dentro e fora da Índia. Reconhecemos a importância dessas orações”, destaca.

Embora Meena e Sunita agora morem em outra vila e não tenham sido espancadas desde que fugiram, elas ainda enfrentam perseguições diárias. Repreensões e outras formas de discriminação são muito comuns.

"Quando as pessoas nos chamam de maus nomes, às vezes me sinto triste, é claro", diz Meena. "Mas eu sempre lembro das promessas de Deus e do Seu amor por mim. Estou honrada por ser perseguida em nome Dele. Estou muito feliz com Deus. Nunca tenho medo. Se tivéssemos medo, teríamos deixado Cristo anos atrás”.

"Sabíamos teoricamente sobre perseguição porque a Bíblia fala sobre isso", diz ela. “E quando aconteceu, agradecemos a Deus por isso. Deus nos dá força. ”

Meena ainda destacou que a perseguição não a intimidou, mas sim a fez ver o quanto Deus tem cuidado dela e de sua irmã.

"Antes da perseguição, eu não entendia como Deus estava tão perto de nós", continua Meena. “Mas Ele provou que é tão fiel em Sua graça e bondade. Ele sempre nos sustentou. Quero que meus amigos do exterior saibam que somos muito encorajadas por eles e permanecemos firmes, mesmo em meio às perseguições. Conhecemos a Palavra de Deus e permanecemos firmes nela. Encorajo meus irmãos e irmãs a permanecerem firmes em Sua Palavra, não importa as circunstâncias”.

Atualmente a Índia ocupa o décimo lugar entre os 50 países com maiores índices de intolerância religiosa no mundo, segundo a Missão Portas Abertas.

*Nomes fictícios usados por motivos de segurança das pessoas citadas

veja também