Após 30 anos, feiticeiro abandona prática de bruxaria para entregar sua vida a Jesus

Segundo pesquisa, cerca de seis milhões de pessoas em Uganda acreditam em bruxaria ou no poder protetor de sacrifícios a espíritos ou ancestrais.

fonte: Guiame, com informações do UG Christian News

Atualizado: Segunda-feira, 30 Setembro de 2019 as 3:07

Ali Kirunda se volta para Cristo durante o evento de avivamento “77 dias de glória”, em Uganda. (Foto: Reprodução/UG News)
Ali Kirunda se volta para Cristo durante o evento de avivamento “77 dias de glória”, em Uganda. (Foto: Reprodução/UG News)

Nos últimos 30 anos, Ali Kirunda tem praticado bruxaria da mais alta ordem no sub país Kangulumira em Kayunga, um distrito no centro de Uganda.

Mas este capítulo este mês, quando Kirunda decidiu entregar sua vida a Cristo durante uma reunião de avivamento pentecostal chamada “77 Dias de Glória”, realizada na Catedral do Centro de Milagres - Rubaga, perto da capital Kampala.

Apoiado por seu filho Ali Kakaire, o feiticeiro Kirunda levou os objetos usados em bruxarias para a igreja, onde eles foram destruídos e queimados.

Ali Kakaire levou seu pai vestido com pano de cachimbo, com uma galinha sem penas que, apesar de seus esforços para matá-la, não morreu, junto com uma enorme cobra.

"Eu vi muitas coisas de bruxaria desde o início deste avivamento, mas nunca vi nada assim", disse Robert Kayanja, o pastor principal da Catedral do Centro de Milagres.

“Enquanto eu orava pelo velho, a galinha continuava correndo em uma única direção amarrada com encantos no pescoço - até eu cortar os encantos do próprio homem e da galinha. Colocamos a primeira garrafa de gasolina na lata de água onde a cobra estava e permaneceu viva até depois da segunda garrafa de gasolina, quando tivemos que queimá-la completamente”, disse o pastor.

Segundo fontes da Igreja, Kirunda nunca havia tomado banho ao longo de 30 anos na bruxaria.

"Os espíritos não deixavam que ele tomasse banho, ele só podia derramar um pouco de água quando fosse ao lago, que se acredita ser água dos espíritos", disseram eles.

Em 2010, um relatório do Pew Research Center, com sede nos EUA, intitulado “Tolerância e Tensão: Islã e Cristianismo na África Subsaariana”, afirmou que cerca de seis milhões de pessoas em Uganda acreditam em bruxaria ou no poder protetor de sacrifícios a espíritos ou ancestrais.

Além disso, em seu recente livro “Reabordando o desequilíbrio”, o pastor Kayanja explicou como o cativeiro da feitiçaria é um dos piores, que jamais poderia impedir qualquer homem ou mesmo uma nação inteira.

Ele ressaltou que a bruxaria é inimiga do Evangelho e um terrível obstáculo ao desenvolvimento e progresso de qualquer país, e precisa ser combatida.

Ele explicou que "é importante que sejamos livres, antes que possamos efetivamente pregar a liberdade".

“A libertação da África da escravidão requer um despertar e uma transformação total da mente e da maneira como fazemos as coisas. É necessário ouvir Deus a cada passo do caminho”, disse o pastor.

veja também