'Converter-se ao cristianismo é um ato heroico no Irã', diz jornalista devido à perseguição

Três ex-prisioneiros cristãos iranianos contaram seus testemunhos e a forma como foram tratados em prisões no país.

Fonte: Guiame, com informações do Artigo 18Atualizado: quinta-feira, 10 de fevereiro de 2022 16:03
Maziar Bahari, da IranWire, foi um dos apresentadores do webinar “A Perseguição aos Cristãos no Irã”. (Foto: Reprodução / Article 18)
Maziar Bahari, da IranWire, foi um dos apresentadores do webinar “A Perseguição aos Cristãos no Irã”. (Foto: Reprodução / Article 18)

O “ato heroico” de se converter a qualquer outra religião que não o Islã foi o ponto central de discussão no webinar sobre “A Perseguição aos Cristãos no Irã”, apresentado por Maziar Bahari, da IranWire E Mansour Borji, do Article18 com três ex-prisioneiros de consciência cristãos.

“A conversão é um grande obstáculo na maioria dos países de maioria muçulmana, incluindo o Irã”, explicou Borji.

“Quando a Declaração dos Direitos Humanos das Nações Unidas estava sendo assinada pelos Estados membros, o Irã e alguns dos outros países tinham objeções a este artigo em particular, o Artigo 18, que previa e garantia o direito de escolher sua religião e exercê-la livremente – pessoalmente. e também privada e publicamente. Mas, no entanto, o Irã o assinou e mais tarde o adotou no parlamento … e isso agora é uma obrigação para o Irã respeitar esse direito de todos os seus cidadãos”.

No entanto, enquanto o Irã continua alegando que fornece esse direito, o testemunho dos três cristãos, ex-prisioneiros de consciência, dado no webinar pintou um quadro diferente, levando o apresentador Maziar Bahari a concluir: “Converter-se ao cristianismo ou a qualquer outra religião no Irã é realmente um ato heroico!”

Os ex-prisioneiros Shadi Noveiri, Kavian Fallah-Mohammadi e Vahid Hakkani explicaram como foram presos apenas por causa de sua decisão de se converter ao cristianismo e subsequente adesão a uma igreja doméstica porque, como Kavian explicou, “o governo do Irã começou a fechar as igrejas oficiais que falam persa em todo o país”.

Pior que assassinato

Shadi explicou que os agentes do Ministério da Inteligência que a prenderam disseram a ela que “seu crime é ainda pior que assassinato! Ao se converter ao cristianismo, você cometeu um crime ainda mais grave!”

Durante os interrogatórios, Shadi disse que foi “ameaçada de tortura e podia ouvir mulheres nas salas ao lado sendo espancadas e torturadas… e ouvir os gritos de diferentes mulheres”.

“Uma das piores coisas foi o fato de que todos que trabalhavam para o escritório do Ministério da Inteligência em Rasht eram homens e não havia mulheres”, disse ela.

“Às vezes eu tinha interrogatórios o dia todo e então eles me levavam para confinamento solitário naquele escritório, o que era uma experiência muito assustadora.”

Shadi acrescentou que mais tarde ela foi “detida em uma cela com criminosos comuns – com assassinos, com traficantes de drogas – que lutavam entre si o tempo todo e testemunharam certas coisas naquela prisão que eu nem sabia que existiam. E essa foi uma experiência dolorosa para mim também.”

Shadi também explicou como ela havia pedido durante sua detenção uma cópia do Novo Testamento: “Eu disse que gostaria de ler a Bíblia, e eles começaram a me humilhar, zombar de mim, insultar-me e dizer que não tenho direito de pedir tal coisa!”

Depois que Shadi foi libertada, ela disse que era “regularmente monitorada por diferentes agências de inteligência, e carros da polícia circulavam minha casa. Então, isso criou uma atmosfera de medo – e não apenas para mim e minha família, mas também para todos que moravam naquela área. E foi uma sensação muito desagradável, porque as pessoas não queriam se associar a nós ou continuar sendo nossos amigos. E isso foi muito decepcionante e deprimente.”

Esconder a fé

Kavian disse que sua experiência foi “diferente de muitos outros cristãos [convertidos] no Irã, porque meus pais também se tornaram cristãos, então eu não fui condenado ao ostracismo por minha família… ao contrário da maioria das pessoas que se convertem ao cristianismo no Irã”.

No entanto, ele disse que “sabia que eu tinha que esconder minha fé cristã porque eu estava vivendo em uma sociedade muçulmana, que não tolerava a conversão ao cristianismo.

“Só confiei a meus amigos mais próximos, porque naquela época eu estava na universidade e mesmo na universidade não falava sobre minha fé cristã.”

Ele acrescentou que desta forma é muito difícil, dizendo: “É natural que alguém que tem fé não consiga esconder suas crenças”.

Kavian então explicou como ele foi detido por 53 dias, incluindo um mês em confinamento solitário, após sua prisão em uma reunião de Natal em 2014.

Durante sua detenção, os interrogadores de Kavian lhe disseram: “Não importa no que você acredita pessoalmente, você não tem o direito de contar aos outros sobre suas crenças.”

Kavian mais tarde fugiu do país depois de ser condenado a 10 anos de prisão.

Minorias religiosas

Vahid explicou como foram os três anos que esteve na notória prisão de Adel Abad, em Shiraz, após sua prisão em uma reunião da igreja doméstica em 2012.

E durante seu primeiro ano de prisão, Vahid explicou que foi mantido em uma cela separada com outras pessoas de minorias religiosas.

“Havia bahá'ís, havia judeus. Havia sufis e também cristãos convertidos como eu”, disse ele.

Vahid disse que durante aquele primeiro ano, alguns clérigos xiitas chegaram à prisão e lhe disseram: “Se você confessar contra sua própria fé e se converter ao islamismo, será libertado imediatamente”.

Ele disse que alguns traficantes de drogas nigerianos foram presos ao lado dele, que receberam longas sentenças, mas também foram informados de que suas sentenças seriam reduzidas se se convertessem ao Islã – e que depois que concordassem em se converter, suas sentenças seriam reduzidas.

Vahid acrescentou: “Nós nos sentimos como reféns na prisão no Irã porque eles estavam nos usando em suas negociações políticas com outros países. E quando o Irã estava negociando o acordo nuclear, o acordo JCPOA, em 2013 a 2015, eles libertaram alguns prisioneiros políticos e minorias religiosas também”.

“Fui colocado sob pressão constante para ir orar com outros muçulmanos. E apesar de respeitar nossos compatriotas muçulmanos, tenho outras crenças”, diz.

Vahid contou ainda que, quando decidiu se converter ao cristianismo, não sabia que seria uma contravenção tão grande no Irã acreditar em outra coisa e tentar praticar outra religião.

“E eu não sabia que seria uma tarefa tão difícil encontrar um livro sobre o cristianismo. Levei um ano para encontrar uma cópia do Novo Testamento!”

Vahid acrescentou que, embora houvesse uma igreja de língua persa em sua cidade, “do outro lado da rua da igreja está o escritório da agência de inteligência e também o escritório da polícia de moralidade, por isso é muito difícil para as pessoas comparecerem a essa igreja de língua persa porque eles estão sendo constantemente monitorados por esses diferentes agentes de inteligência do outro lado da rua”.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições