Irã: Cristãos exigem educação para convertidos e crianças, após direito ser negado

Ex-prisioneiros iranianos emitiu uma declaração exigindo o direito à educação para os cristãos de língua persa.

Fonte: Guiame, com informações do Artigo 18Atualizado: terça-feira, 1 de fevereiro de 2022 18:08
Mary Mohammadi está entre os que protestaram contra a negação da educação aos cristãos de língua farsi no Irã. (Foto: Reprodução / Artigo 18)
Mary Mohammadi está entre os que protestaram contra a negação da educação aos cristãos de língua farsi no Irã. (Foto: Reprodução / Artigo 18)

Um grupo de cristãos iranianos anteriormente presos por sua fé divulgou uma declaração protestando contra a negação do direito à educação aos cristãos de língua farsi.

A declaração foi escrita em farsi (persa), a língua nacional do Irã, e publicada em 24 de janeiro para coincidir com o Dia Internacional da Educação.

Crianças cristãs de língua farsi no Irã que se recusaram a ter aulas de Estudos Islâmicos foram impedidas de ir à escola. Enquanto outras crianças não muçulmanas estão isentas de estudar para exames em Estudos Islâmicos, os filhos de convertidos do islamismo ao cristianismo não são reconhecidos como cristãos pelas autoridades e não satisfazem os critérios de isenção.

Ao contrário das comunidades cristãs históricas de língua armênia e assíria, os cristãos de língua persa são convertidos do islamismo, ou seja, apóstatas de acordo com a lei islâmica.

Geralmente, os filhos de apóstatas são considerados muçulmanos pela lei islâmica desde o nascimento, assim como seus pais nasceram muçulmanos. Por isso, os filhos de cristãos que falam farsi são oficialmente considerados muçulmanos e devem frequentar as aulas de estudos islâmicos na escola.

Direitos violados

Os signatários, cujas sentenças totalizaram mais de 50 anos entre eles, incluíam Mary Mohammadi, Amin Afshar-Naderi, Manizheh Bagheri, Mostafa Bordbar, Shapoor Jozi, Payam Kharaman, Sam Khosravi , Parastou Zariftash, Mohsen Aliabady Ravari, Farshid Fathi, Kavian Fallah- Mohammadi, Maryam Fallahi, Reza (Davoud) Nejat Sabet e Sahab Fazli, mãe do atual prisioneiro Nasser Navard Gol-Tapeh .

Mary Mohammadi foi expulsa da Azad University, sem explicação, na véspera de seus exames de língua inglesa em dezembro de 2019.

Os signatários da declaração descrevem os cristãos de língua farsi como uma minoria “não reconhecida” que enfrenta “um mar de perseguição e opressão”, do qual a negação da educação é apenas um aspecto.

Eles enfatizam que a constituição do Irã garante aos cidadãos o direito à educação, assim como a Declaração Universal dos Direitos Humanos, da qual o Irã é signatário.

“Infelizmente, a República Islâmica do Irã, em violação de suas obrigações e constituição internacionais, expulsa os cristãos de língua farsi e nossos filhos da escola e da universidade… Os sonhos que nutrimos em nossos corações e mentes e os planos que tinha para nossos empregos e nosso futuro, desaparecem como uma nuvem no céu”, diz a declaração.

A declaração termina com um apelo para que todos os iranianos protejam o direito à educação “não apenas para os cristãos, mas para pessoas de todas as crenças, tanto as gerações presentes quanto as futuras”.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições