Cristãos cultuam a Deus escondidos em chiqueiros e cemitérios, na China

Para evitar o horário de trabalho do pessoal do governo, eles começam cada reunião antes do amanhecer e terminam antes das 8 da manhã.

fonte: Guiame, com informações do Bitter Winter

Atualizado: Quinta-feira, 17 Outubro de 2019 as 9:18

Locais como cemitérios são utilizados para cultos a Deus por cristãos chineses. (Foto: Reprodução/Bitter Winter)
Locais como cemitérios são utilizados para cultos a Deus por cristãos chineses. (Foto: Reprodução/Bitter Winter)

Diante da perseguição, chiqueiros, currais de ovelhas e cemitérios se tornaram locais de cultos para os crentes chineses, já que nesses lugares conseguem evitar questionamentos e inspeções por parte do regime comunista.

As autoridades chinesas não poupam esforços em perseguir as pessoas por suas crenças religiosas, reprimindo vigorosamente as igrejas "não oficiais" e aprovadas pelo Estado.

Muitos locais de reunião foram fechados, demolidos à força ou assumidos para uso do governo.

Para continuar suas reuniões e evitar serem descobertos, os crentes precisam ser criativos e pensar em todos os métodos possíveis para praticar sua fé.

Para eles, ambientes agressivos e longas distâncias não são problemas reais, contanto que eles possam encontrar um lugar para se reunir em paz, isso é suficiente para eles.

Orando em pocilgas e currais de ovelhas

Depois que um local para reuniões com três pessoas na cidade de Shangqiu, na província central de Henan, foi fechado em agosto, a congregação alugou um curral de ovelhas em uma fazenda por 100 RMB (cerca de US$ 14) por uso.

Para evitar o horário de trabalho do pessoal do governo, os crentes começam cada reunião antes do amanhecer e terminam antes das 8 da manhã.

Quando um local de reunião da igreja da Casa Sola Fide, na província oriental de Shandong, foi fechado em maio por estar "sem licença", seus membros começaram a se reunir na casa de um crente. Mas por causa de uma denúncia anônima, o local também foi fechado.

O diretor da igreja não teve escolha a não ser começar a organizar reuniões no único local disponível que pôde encontrar: um chiqueiro abandonado.

Um dos crentes da igreja disse que está determinado a não ingressar na Igreja Three-Self para evitar ser controlado e regulamentado pelo Partifo Comunista Chinês (PCC), mesmo que isso signifique manter suas reuniões em um chiqueiro e mantê-la em segredo.

Florestas e cemitérios tornam-se locais de culto

No final de agosto de 2018, uma igreja Three-Self na cidade de Henan, em Xinyang, foi fechada à força. Sua congregação conseguiu se reunir na cozinha da igreja por um tempo, mas o governo local ameaçou demolir a igreja se eles continuassem se reunindo lá.

Os crentes começaram a se reunir na casa de um congregante. Ainda assim, as autoridades tomaram conhecimento disso e ameaçaram revogar o subsídio mínimo de vida e a pensão do anfitrião se mais reuniões fossem realizadas.

Levada ao desespero, em maio, a congregação começou a adorar em uma floresta.

Um dos membros da igreja disse ao Bitter Winter que, como a floresta está muito distante e o terreno é difícil de atravessar, é extremamente difícil para os crentes idosos comparecer às reuniões.

“Temos que sentar no chão, e muitos insetos pequenos rastejam por toda a roupa. Durante o verão, o calor é insuportável e todos suam profusamente. Nos reunimos onde podemos encontrar mais sombra”, explicou um crente sobre as circunstâncias de sua adoração na floresta.

Os membros de uma igreja Three-Self na cidade de Henan, Luohe, enfrentaram uma provação semelhante. Depois que foram expulsos da igreja em maio de 2018, eles construíram uma construção improvisada com chapas de ferro galvanizado.

Inesperadamente, no entanto, o governo cortou à força o fornecimento de eletricidade e água do local, alegando que suas reuniões eram ilegais e, posteriormente, demoliram todo o edifício. Desde junho deste ano, os crentes começaram a se reunir na margem do rio.

Depois que uma igreja católica na cidade de Changchun, na província de Jilin, no nordeste do país, foi fechada à força em agosto de 2018, a congregação foi forçada a realizar missa em um cemitério.

Os membros de uma igreja doméstica na cidade de Jilin, Meihekou, não se atrevem a cantar ou orar em voz alta durante as reuniões, e nenhum símbolo religioso pode ser visto no local da reunião. Toda vez que eles se encontram, todas as janelas estão firmemente fechadas e cobertas.

Um dos membros revelou que em setembro do ano passado, o diretor da igreja foi convocado para uma “discussão” pelo Departamento de Assuntos Religiosos.

As autoridades a alertaram que, assim que descobrirem que ela montou um novo local de reunião particular, ela será multada e poderá até ser detida e condenada à prisão.

Sem outra escolha, os crentes foram forçados a se reunir em segredo, encurtar a duração de suas reuniões de mais de duas horas para 40 minutos e sair rapidamente no final de cada reunião.

Igreja disfarçada de negócios

Em dezembro de 2018, a Igreja Cristã do Lar do Deus Amor na cidade de Xiamen, na província de Fujian, no sudeste do país, foi fechada por "medidas de prevenção de incêndio".

No final de janeiro deste ano, a congregação renomeou a igreja para "Companhia de Recursos Humanos" e removeu todos os símbolos e palavras religiosas, exceto algumas escrituras nas paredes do corredor, que estavam obstruídas com vasos de plantas.

Apesar desse disfarce, a igreja não escapou à perseguição - em 21 de junho, o governo local postou um aviso de fechamento na entrada, dizendo que o local foi proibido por ser ilegal.

Assista:

veja também