Estudante de pós-graduação é punida por expressar suas opiniões cristãs

Os advogados de Maggie DeJong entraram com ação contra funcionários da universidade por violação de direitos civis e constitucionais da estudante.

Fonte: Guiame, com informações da ADFAtualizado: terça-feira, 7 de junho de 2022 16:04
A estudante Maggie DeJong. (Foto: Reprodução / Alliance Defending Freedom)
A estudante Maggie DeJong. (Foto: Reprodução / Alliance Defending Freedom)

Uma estudante de pós-graduação no programa de Arteterapia da Southern Illinois University Edwardsville moveu uma ação contra os funcionários da universidade após sofrer violação de seus direitos constitucionais por ter opiniões que diferem de muitos de seus colegas.

Representada pelos advogados da Alliance Defending Freedom, Maggie DeJong, como muitos outros alunos, postou materiais em suas contas de mídia social e se envolveu em discussões em classe sobre uma variedade de temas, incluindo religião, política, raça, regulamentos Covid-19 e censura.

A maior parte dos pontos de vista de DeJong eram diferentes dos de outros alunos do programa de Arteterapia, em decorrência de sua fé cristã e postura política. Por isso, vários de seus colegas relataram seu discurso a funcionários da universidade.

Em fevereiro, esses funcionários emitiram ordens de não contato contra DeJong, proibindo-a de ter “qualquer contato” ou mesmo “comunicação indireta” com três colegas de pós-graduação que reclamaram que sua expressão de pontos de vista religiosos e políticos constituía “assédio” e “discriminação”.

“Em vez de aceitar e abraçar diversas perspectivas ideológicas, os funcionários da SIUE estão determinados a forçar seus alunos de pós-graduação a pensar e falar exatamente da mesma forma – ou ficar em silêncio – e punirão qualquer um que saia da linha”, disse o conselheiro sênior da ADF, Gregg Walters.

“Maggie sempre compartilhou respeitosamente suas opiniões religiosas ou políticas, o que todo estudante tem o direito de fazer sob a Primeira Emenda. É um dia triste para o diálogo civil e a liberdade de expressão quando as universidades podem emitir ordens de silêncio como as emitidas contra Maggie por nada mais do que expressar suas crenças – crenças mantidas por milhões de americanos.”

Sem chance de defesa

As ordens de não contato foram emitidas pela universidade sem dar a DeJong a chance de se defender, sem mostrar as alegações contra a estudante e sem identificar qualquer política ou regra que DeJong tenha violado. Além disso, a universidade ameaçou “consequências disciplinares” se DeJong violasse as ordens de não contato.

O diretor do programa Arteterapia também enviou um e-mail para mais de 30 alunos do programa confirmando publicamente que DeJong estava sob investigação e acusando-a de “má conduta” e “atos opressivos” – uma revelação que violou uma política da universidade exigindo que os funcionários “tomar todas as medidas razoáveis ​​para garantir a confidencialidade” durante uma investigação de um aluno por suposta má conduta.

Em 10 de março, duas semanas depois de receber uma carta de advogados da ADF informando à universidade que sua supressão do discurso de DeJong com base em seu ponto de vista é inconstitucional, os funcionários finalmente divulgaram a DeJong os materiais referentes às ordens de não contato e à investigação relacionada.

Naquele mesmo dia, a universidade encerrou sua investigação infundada de DeJong, mas não antes de violar seus direitos civis e da Primeira Emenda e manchar sua reputação por causa de suas crenças.

Os advogados da ADF entraram com o processo DeJong v. Pembrook no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Sul de Illinois.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições