Evangelista é sequestrado e espancado por muçulmanos, na Noruega

Rapazes pediram oração e levaram Roar Flottum para uma emboscada, onde o assaltaram e espancaram.

fonte: Guiame, com informações do Idag

Atualizado: Quarta-feira, 11 Dezembro de 2019 as 11:47

Roar Flottum conta sobre espancamento que sofreu por muçulmanos enquanto evangelizava. (Foto: Reprodução/Idag)
Roar Flottum conta sobre espancamento que sofreu por muçulmanos enquanto evangelizava. (Foto: Reprodução/Idag)

O cristão Roar Flottum estava pregando o Evangelho e orando pelos doentes, em sua cidade, na Noruega, quando quatro muçulmanos o sequestraram, o roubaram e ameaçaram matá-lo se ele não se convertesse ao Islã.

Flottum disse à Noruega Hoje que havia participado de uma reunião de oração em sua igreja, em Trondheim. O rapaz contou que após os encontros, ele geralmente sai pela cidade para fazer orações e compartilhar o Evangelho e orar pelos enfermos.

“Acabei por entrar em contato com um grupo de quatro muçulmanos. Eu perguntei se eles queriam oração e um disse que sim. Ele teve uma dor nas costas. Orei por ele e disse que estava cerca de cinquenta por cento melhor. Então, eu orei por ele mais uma vez e ele disse que estava muito bem”, relatou Flottum.

O rapaz contou ainda que acabou orando por um dos outros muçulmanos, por duas vezes também. “Eles ficaram tão chocados [com a cura] que eu acreditei neles. Eles eram muito credíveis na maneira como responderam”, disse Flottum à Noruega Hoje.

Flottum contou que depois disso os muçulmanos quiseram levá-lo a um amigo que disseram ter machucado o pé e que estava esperando para ser levado para a sala de emergência.

“Eu confiei neles e me juntei a eles. Eles me levaram para um quintal. Eles eram muito legais e eu não podia acreditar que eles me enganariam”, diz Flottum.

Quando eles entraram no quintal, os jovens muçulmanos o empurraram para baixo de uma escada da adega antes de bater e chutá-lo no rosto. Flottum diz que tentou se proteger, mas não atacou.

“Eles ameaçaram e pediram para eu entregar meu cartão bancário, códigos, celular com ID. Eles me mantiveram refém por uma hora enquanto usavam o cartão. Eles fizeram cerca de dez mil coroas (equivalente a R$ 4.500,00)”, disse o Flottum.

O cristão disse que “enquanto eles me mantiveram lá, eles me ameaçaram e disseram que me matariam se eu não me convertesse ao Islã. Eles queriam que eu dissesse algumas palavras em árabe. Eu estava com medo e realmente pensei que eles me matariam porque disseram que tinham uma faca e não queriam testemunhas”.

Flottum contou que apesar das ameaças ele foi à polícia, que está investigando o caso. “Espero que eles sejam levados e ajudados, porque dessa maneira você não pode agir contra os outros seres humanos. Surpreendentemente, eu estou bem. Fui examinado em hospitais e, apesar das circunstâncias, fiquei bem”, disse.

Sobre continuar a evangelizar nas ruas, Flottum diz que continuará.

“Estou muito na rua e nunca experimentei algo assim. É um pouco cedo para dizer se estou sentindo algum sentimento traumático depois, mas pelo menos não tenho planos de me conter. Eu só quero falar sobre o amor de Deus por outras pessoas”, respondeu.

A chefe da guarda criminal da Crimeia, Britt Enmo, responsável pelo turno da manhã na delegacia do centro da cidade, disse que os autores do crime contra Flottum ainda não foram presos, mas que a polícia está usando alguns recursos no caso.

“É um incidente sério. O assalto é duro”, ela diz. “A polícia está coletando vídeo de câmeras de vigilância na área onde ocorreu o assalto. Temos esperanças de que as câmeras nos digam algo sobre os autores, diz Enmo.

veja também