Êxodo de cristãos do Oriente Médio seria uma catástrofe, diz diretor de organização

Segundo Carl Anderson, a permanência de cristãos é o que pode garantir estabilidade num Oriente Médio repleto de radicalismo.

fonte: Guiame, com informações do New York Post

Atualizado: Quinta-feira, 21 Novembro de 2019 as 11:54

Protestos de cristãos contra perseguição no Oriente Médio em frente à ONU em Beirute. (Foto: Reprodução/EPA)
Protestos de cristãos contra perseguição no Oriente Médio em frente à ONU em Beirute. (Foto: Reprodução/EPA)

O que acontece nas próximas semanas no Iraque, Síria e Líbano será crucial para os cristãos do Oriente Médio para a estabilidade e o pluralismo nesses países e em toda a região, afirma Carl Anderson, diretor da organização cristã Knights of Columbus ao New York Post.

Apesar de o cristianismo ter nascido no Oriente Médio, os seguidores de Jesus Cristo enfrentam um momento perigoso, afirma Anderson. Por causa da perseguição “a parcela cristã da população encolheu para cerca de 5% (se houver), abaixo dos 20% na virada do século passado”.

Segundo o diretor, o declínio atesta um século de sua perseguição implacável, marcada pelo genocídio cometido pela Turquia há um século e pelas recentes execuções feitas pelo Estado Islâmico.

No Iraque, centenas de manifestantes estão exigindo o fim do governo sectário e a igualdade de cidadania para todos, independentemente de etnia ou religião. Nos últimos anos, os iraquianos comuns ficaram espremidos entre os totalitários sunitas do EI e a hegemonia imperial xiita do Irã.

“É por isso que os manifestantes estão pedindo a abolição da dependência do Iraque das leis islâmicas em favor de um estado abertamente civil ... Os protestos permaneceram pacíficos apesar das centenas de mortos, principalmente por milícias apoiadas pelo Irã”, diz Anderson.

Ele diz que o futuro do estado iraquiano está na balança: “Ou se tornará mais sectário sob a influência de seus vizinhos mais poderosos - ou se tornará o país pluralista procurado por milhares de pessoas que marcham nas ruas, incluindo os cristãos”.

Enquanto isso, a Turquia lançou uma incursão no nordeste da Síria, lar de muitas comunidades cristãs, com aliados das milícias da Turquia na Síria, incluindo terroristas islâmicos, segundo líderes cristãos e observadores regionais credíveis.

Anderson diz que “Ancara [a capital da Turquia] protestou contra a recente resolução do congresso bipartidário para reconhecer o genocídio turco contra armênios e outros cristãos, e pouco fez para aliviar as preocupações de que suas ações na região refazem elementos daqueles dias sombrios quando se trata de cristãos e outras minorias regionais”.

A maioria dos cristãos no nordeste da Síria são descendentes de pessoas que fugiram dos turcos durante e após a Primeira Guerra Mundial, ou são pessoas que fugiram para o EI nos últimos anos.

“Quando a Turquia ataca um bairro cristão em Qamlishi (como no início de sua operação), ou quando seus procuradores atacam uma igreja cristã (como fizeram em outubro), ou quando terroristas islâmicos recém-ressurgentes matam cristãos do Oriente Médio e seus aliados eles são lembrados dos piores atos bárbaros do século passado”, lembra Anderson.

Ele conta que ainda há no Líbano protestos recentes contra a corrupção generalizada e a organização terrorista xiita Hezbollah, que serve como procurador do Irã naquele país.

“Até agora, a resposta do estado libanês tem sido amplamente não-violenta. Mas existe um medo real entre os cristãos de que, se a economia libanesa entrar em colapso, o exército libanês amplamente controlado por cristãos poderá cair”, diz.

Segundo Anderson, o caos econômico que se seguiu no Líbano pode mergulhar o país em crise e no êxodo em massa do último grupo estatisticamente substancial de cristãos em qualquer país do Oriente Médio.

Riscos

“Muitos cristãos perseguidos em outros lugares da região fugiram para o Líbano. Se o Líbano perder seu dom de pluralismo, isso pode significar o fim do conceito no resto da região”, afirma.

“Os governos da Turquia, Iraque, Líbano e Irã têm muita responsabilidade pelo que acontece daqui”, diz Anderson, que avalia que “o mesmo acontece com os Estados Unidos, historicamente o principal poder externo da região”.

“Para seu crédito, o governo Trump trabalhou para garantir que as minorias religiosas, que enfrentaram perseguição em grande parte do Oriente Médio, não sejam negligenciadas”, declara o diretor.

Ele diz ainda que os Estados Unidos devem desempenhar um papel decisivo nessas questões por meio da diplomacia.

“Os governos da região ainda ouvem atentamente Washington e devemos continuar pressionando pela proteção das minorias religiosas perseguidas. O bem-estar e a segurança física das comunidades cristãs indígenas devem ser tratados como um item permanente da agenda em todas as discussões de ajuda e assistência militar dos EUA com os governos regionais”, diz.

veja também