Mais de 40 líderes cristãos recebem ameaças por causa de protestos, em Hong Kong

Líderes decidiram tornar sua história pública, mas não apresentaram um relatório policial por falta de confiança nas autoridades.

fonte: Guiame, com informações do Christian Headlines

Atualizado: Terça-feira, 26 Novembro de 2019 as 10:46

Protestos em Hong Kong reivindicam democracia. (Foto: Chris McGrath/Getty)
Protestos em Hong Kong reivindicam democracia. (Foto: Chris McGrath/Getty)

Manifestantes cristãos que lutam pela democracia em Hong Kong estão sentindo a pressão da perseguição. Segundo a Faithwire, mais de 40 líderes cristãos de igrejas, seminários e organizações religiosas receberam mensagens ameaçadoras de fontes anônimas.

O Dr. John Chan do Alliance Bible Seminary recebeu uma mensagem que lhe dizia para parar de expressar sua opinião ou “todos os integrantes de sua família morrerão; seus membros serão cortados.”

Segundo o Christian Headlines, os remetentes das mensagens também têm uma quantidade assustadora de informações pessoais sobre cada um dos líderes.

"Por exemplo, quando a Flow Church transmitiu um culto ao vivo recentemente, o remetente o assistiu", disse Chan. "Se um certo pregador falar esta semana, ele também sabe ... Ele até sabe quem tem uma irmã mais nova e onde ela trabalha."

A International Christian Concern informou que esses líderes decidiram tornar sua história pública, mas não apresentaram um relatório policial, pois o público perdeu a confiança na polícia de Hong Kong.

No fim de semana, os protestos continuaram a se espalhar por todo o país, enquanto um recorde histórico de eleitores - 4,1 milhões de pessoas, que é mais da metade da população - apareceu nas eleições do conselho distrital.

Candidatos pró-democracia venceram em grande medida, mas a China permaneceu firme em sua decisão de governar a região.

"Não importa como a situação em Hong Kong mude, é muito claro que Hong Kong faz parte do território chinês", disse o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi. "Qualquer tentativa de atrapalhar Hong Kong ou minar sua estabilidade e prosperidade não terá êxito".

A China, segundo o The Guardian, sustenta que potências estrangeiras estão tentando minar a autoridade chinesa com os protestos.

"A tarefa mais urgente para Hong Kong atualmente é parar a violência, controlar o caos e restaurar a ordem", disse o porta-voz do ministério Geng Shuang. "O governo chinês está firmemente determinado a salvaguardar a soberania nacional e a se opor a qualquer interferência nos assuntos de Hong Kong por forças externas".

Enquanto isso, a executiva-chefe de Hong Kong, Carrie Lam, que acreditava que uma "maioria silenciosa" queria permanecer na China, concordou em "ouvir humildemente" o público à luz dos resultados.

Mesmo no meio do caos, no entanto, um líder da diocese católica de Hong Kong, o bispo Joseph Ha, foi filmado em oração com um manifestante de 16 anos no fim de semana. O adolescente ocupava a Universidade Politécnica de Hong Kong em protesto por cinco dias.

veja também