Mulher de tradutor da Bíblia assassinado se recupera após ter braço decepado

Um missionário amigo da família informou que ela está traumatizada e deve fugir do país com seus cinco filhos, após se recuperar totalmente.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 4 Setembro de 2019 as 9:54

Eveline Fung (esquerda) ainda se recupera da amputação que sofreu no braço, após ter seu marido, Angus Fung (direita) assassinado por terroristas Fulani. (Imagem: Guiame / Edição)
Eveline Fung (esquerda) ainda se recupera da amputação que sofreu no braço, após ter seu marido, Angus Fung (direita) assassinado por terroristas Fulani. (Imagem: Guiame / Edição)

A esposa de um tradutor da Bíblia que foi assassinado por terroristas Fulani em Camarões, está se recuperando depois parte do braço decepado.

Segundo Efi Tembon, um missionário ligado ao ministério 'Oasis Network for Community Transformation', Eveline Fung, viúva do tradutor da Bíblia Angus Fung, está em condições estáveis ​​e falando novamente após um ataque à sua cidade natal no final de agosto.

"Ela ainda está no hospital, mas está melhorando", disse Tembon. "Ela perdeu sua mão, mas ficará bem".

Eveline recebeu uma transfusão de sangue em um hospital local.

"Emocionalmente, ainda é uma situação muito traumatizante para ela", acrescentou o missionário. "Ela precisará passar também por uma recuperação do trauma".

Tembon relatou na semana passada que os Fungs estavam entre as vítimas de um ataque realizado por extremistas Fulani na cidade de Wum, região anglófona de Camarões, dominada pela violência.

Tembon, que trabalhou no ministério em Wum no passado, disse que jovens da comunidade de pastores Fulani [criadores de gado] estão sendo armados por terroritstas e ordenados a atacar moradores de fazendas que apoiam grupos rebeldes contra o governo.

Os rebeldes separatistas estão lutando pela liberdade, pois os da região de língua inglesa se sentem sub-representados no governo central majoritário de língua francesa.

Angus Fung, que tinha mais de 60 anos, era um líder na comunidade e teve um papel vital na tradução do Novo Testamento para a língua Aghem, um projeto concluído em 2016. Tembon disse que Fung foi torturado até a morte por um homem com um facão.

"Ele era uma grande parte do trabalho de alfabetização porque a língua deles nunca havia sido escrita antes", disse Tembon. “Então, foi ele quem coordenou e ensinou a língua. Agora, muitas pessoas podem ler e escrever o idioma como resultado do trabalho de Angus”.

Além de Fung, Tembon disse que um casal que havia fugido de casa após ataques militares em sua vila e estava abrigado na casa de Fung em Wum também foi morto no ataque de 25 de agosto. Enquanto Tembon relatou inicialmente que sete foram mortos no ataque em Wum, ele disse ao Christian que o número de mortos na verdade é de seis vítimas.

"Eles entraram em casas e retiraram as pessoas", disse ele na semana passada. “Eles atacaram à noite e ninguém esperava. Eles simplesmente entraram na casa, os tiraram e os mataram. ”

Tembon explicou que não acha que Eveline Fung, que tem cinco filhos com idades entre 3 e 22 anos, possa voltar para casa, por causa do trauma que sofreu.

Sua organização, observou ele, enviou dinheiro para ajudar a pagar pelos custos médicos e alimentos. Além disso, Tembon está tentando organizar apoio para que Fung possa fugir do país, possivelmente para a Nigéria.

"Será muito traumático para ela voltar para sua casa, onde foi massacrada e seu marido foi assassinado junto com todas essas pessoas", disse ele. "Estamos pensando no que fazer".

Desde o ano passado, segundo Tembon, pelo menos 23 pessoas em Wum foram mortas em ataques de extremistas Fulani.

veja também