Pagar resgate de sequestros na Nigéria pode virar crime com até 15 anos de prisão

Se a nova lei for assinada pelo presidente, famílias de sequestrados dependerão unicamente do governo para resgatar seus entes queridos.

Fonte: Guiame, com informações de Portas AbertasAtualizado: terça-feira, 3 de maio de 2022 14:45
Famílias de pessoas sequestradas deverão esperar a ação do governo para a libertação dos reféns. (Foto representativa: Portas Abertas)
Famílias de pessoas sequestradas deverão esperar a ação do governo para a libertação dos reféns. (Foto representativa: Portas Abertas)

No dia 28 de abril, o Senado da Nigéria aprovou uma lei que prevê punição de 15 anos para pessoas que pagarem resgate em caso de sequestro. Os sequestradores, por sua vez, podem ser sentenciados à pena de morte, se a vítima morrer enquanto estiver em cativeiro.

O projeto de lei ainda vai ser debatido na Câmara dos Deputados antes de ser assinado pelo presidente Muhammadu Buhari.

Se a lei entrar em vigor, no entanto, será motivo de preocupação para muitos cristãos que costumam ser o alvo principal dos extremistas islâmicos, conforme a Portas Abertas

País que mais sequestra cristãos no mundo

Sabe-se que o sequestro de cristãos no mundo cresceu 124%, conforme relatórios de fevereiro e que a Nigéria é o país com o maior número de casos. Esse tipo de crime é uma forma de punir cristãos onde há perseguição religiosa. 

Embora a nova lei tenha como objetivo “desencorajar o pagamento de resgate na tentativa de desmotivar os sequestros”, se assinada pelo presidente nigeriano, vai complicar ainda mais a situação da Igreja

“Não podemos imaginar a difícil posição das famílias dos reféns. Elas tentam de tudo para salvar seus entes queridos com os recursos que têm”, explicou Opeyemi Bamidele, presidente do Comitê Jurídico de Direitos Humanos do Senado.

“Nós renovamos a recomendação de que o governo crie uma ligação com as famílias para manter um canal claro de comunicação, informando e assistindo aquelas traumatizadas pelos sequestros”, continuou.

“Nós encorajamos o governo a andar próximo dessas famílias para descobrir todas as opções apropriadas para garantir um resgate seguro dos seus entes queridos”, concluiu.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições