Pistoleiros matam pastor e sequestram esposa, na Nigéria

Líder da igreja pede proteção do governo contra os ataques a cristãos no país.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 21 Agosto de 2019 as 12:28

Pastor Jeremiah Omolara durante pregação. (Foto: Reprodução/Dockays World)
Pastor Jeremiah Omolara durante pregação. (Foto: Reprodução/Dockays World)

Um pastor nigeriano foi morto e sua esposa foi sequestrada enquanto viajavam em um perigoso trecho da rodovia da Nigéria, onde centenas de pessoas foram mantidas como reféns por criminosos nos últimos meses.

A Associação Cristã da Nigéria (CAN) condenou o assassinato do pastor Kaduna Jeremiah Omolara da Igreja da Fé Viva, que teria sido morto por homens armados enquanto viajava com sua esposa e filho na estrada Abuja-Kaduna no domingo (18) à noite.

Uma fonte disse ao The Punch que homens armados abriram fogo contra o veículo da família e mataram Omolara. Embora o filho tenha conseguido escapar, o mesmo não aconteceu com a esposa do pastor.

Há informações de que os captores estejam exigindo resgate equivalente a US$ 137.500 pela libertação da mulher.

O incidente foi confirmado por Joseph Hayab, que preside o capítulo Kaduna da CAN. No entanto, a polícia e as autoridades não confirmaram o assassinato, apesar das ligações das agências de notícias.

Ao falar com repórteres, Hayab também anunciou que um pastor no Kasuwan Magani, área do governo local de Kajuru, foi atacado por homens armados em sua residência. Um guarda de segurança foi morto como resultado do ataque enquanto o pastor escapou.

Além disso, Hayab declarou que a filha de 13 anos de um pastor também foi sequestrada em Kasuwan Magani por homens armados que exigiram um resgate.

"Agora o pastor da Igreja da Fé Viva foi morto ao longo de Kaduna-Abuja na presença de sua esposa, que mais tarde foi sequestrada", afirma Hayab, segundo o Daily Post Nigeria.

"Isso diz a você que a nova tendência é nos atacar em nossas casas ou em nossas igrejas ou nas estradas. Não estamos seguros em lugar algum e estamos fazendo a mesma pergunta: 'Onde estão nossas agências de segurança?'", questiona Hayab.

"Estamos nos dizendo taticamente que devemos nos defender?", perguntou Hayab. "Se começarmos a nos defender, isso significa que não temos mais segurança ou que não temos mais governo. Ou esse governo é apenas para aqueles que amam e eles não se importam com os outros?", conclui.

Hayab pediu ao governo federal, especificamente ao inspetor-geral da polícia, que fizesse algo sobre os ataques contra cristãos e outros em Kaduna. Ele criticou o governador Kaduna Nasir Ahmad el-Rufai, dizendo que "não escuta e sente que sabe tudo".

"Você não está ajudando a parar o ataque. Então estamos realmente preocupados que as pessoas, especialmente os clérigos em Kaduna, não estejam mais seguros", disse Hayab.

Hayab disse que “não queremos uma situação em que seremos forçados a pensar em como nos proteger, acreditamos que o governo exista para nos proteger."

O assassinato de Omolara acontece porque muitos na Nigéria foram mantidos como reféns, mortos ou de alguma forma atacados por bandidos armados, causando maior preocupação com a segurança pública em todo o país.

No estado de Kaduna, os bandidos tomaram o controle da rodovia Kaduna-Abuja e a tornaram insegura para a maioria dos motoristas.

"Viajar na rodovia Abuja-Kaduna se tornou um pesadelo indescritível para os nigerianos, destacando assim a deterioração do estado de segurança do país", diz um artigo do editorial da revista The Punch.

"Na última segunda-feira, homens armados de desafio ao diabo sequestraram o Presidente, a Comissão de Educação Básica Universal, Muhammad Abubakar e sua filha; eles também mataram seu motorista. Muitos outros foram declarados desaparecidos", diz a revista.

Além dos bandidos, as comunidades de agricultores cristãos em Kaduna enfrentaram, neste ano, uma série de ataques realizados por radicais Fulani.

Em toda a Nigéria, milhares de pessoas foram mortas nos últimos anos como resultado dos ataques de Fulani contra comunidades agrícolas predominantemente cristãs no Cinturão do Meio e no sul da Nigéria. Os ataques de Fulani aumentaram em gravidade e número nos últimos anos, já que cidades inteiras foram destruídas e aldeias deslocadas.

Na semana passada, foi relatado que suspeitos radicais Fulani mataram o padre católico Paul Offu em Enugu. A matança inspirou dezenas de padres a protestar nas ruas de Enugu para convocar o governo estadual e federal para protegê-los. A morte de Offu aconteceu cinco meses depois que o padre Clement Ugwu foi morto.

A Nigéria classifica-se como o 12º pior país do mundo quando se trata de perseguição cristã, de acordo com a Lista Mundial da Perseguição da Portas Abertas de 2019.

No mês passado, a organização internacional de direitos humanos Jubilee Campaign enviou um relatório ao Tribunal Penal Internacional, alegando que o padrão para o genocídio foi alcançado quando se trata da violência que os cristãos enfrentam no país.

veja também