Universidade chinesa retira “liberdade de pensamento” de seu regulamento

Outras instituições de ensino acrescentaram linguagem enfatizando a lealdade ao presidente Xi Jinping e ao Partido Comunista.

fonte: Guiame, com informações da RFI e AFP

Atualizado: Quinta-feira, 26 Dezembro de 2019 as 4:14

Graduados posam para foto em frente à estátua do líder chinês Mao Tsé Tung após sua cerimônia de formatura na Universidade de Fudan, em Xangai. (Foto: Aly Song/Reuters)
Graduados posam para foto em frente à estátua do líder chinês Mao Tsé Tung após sua cerimônia de formatura na Universidade de Fudan, em Xangai. (Foto: Aly Song/Reuters)

Uma importante universidade chinesa removeu referências à "liberdade de pensamento" de seu regulamento, desencadeando um raro ato de desafio dos estudantes, enquanto duas outras instituições acrescentaram linguagem enfatizando a lealdade ao presidente Xi Jinping e ao Partido Comunista.

Um vídeo que circulou nesta semana mostrou estudantes da Universidade Fudan de Xangai cantando a música da escola - que exalta "independência acadêmica e liberdade de pensamento" - em um aparente protesto.

A mudança de estatuto da Fudan foi anunciada pelo Ministério da Educação em seu site em 17 de dezembro e as críticas rapidamente se espalharam pelas mídias sociais antes que os sempre vigilantes censores online da China agissem para excluir postagens e bloquear discussões.

Ideologia de Xi

Além de remover a "liberdade de pensamento", o regulamento acrescenta "armar as mentes de professores e alunos com a nova era da ideologia socialista de Xi Jinping com características chinesas".

Também obriga o corpo docente e os alunos a aderirem aos "valores socialistas fundamentais" e a criar um ambiente de campus "harmonioso" - uma frase em código para a eliminação do sentimento antigovernamental.

O ministério anunciou mudanças pró-governo semelhantes para a Universidade de Nanjing, no leste da China, e a Universidade Normal de Shaanxi, no norte, no início deste mês, embora nenhuma instituição tenha mencionado anteriormente a liberdade de pensamento.

Culto à personalidade

Xi assumiu o cargo em 2012 e implementou uma campanha para aumentar o domínio do Partido Comunista e construir um culto à personalidade em torno de si, que inclui apelos à adesão a um "Pensamento Xi Jinping" vagamente definido, lembrando os dias do fundador comunista Mao Zedong.

O governo de Xi estrangulou ativistas e outros críticos, ao mesmo tempo em que pressionava o dogma marxista em toda a sociedade chinesa, da política à cultura e à educação.

Mas mesmo os estudantes marxistas enfrentaram uma reação negativa, pois a polícia reprimiu alguns que apoiaram um movimento pelos direitos trabalhistas no ano passado.

Os riscos de desafiar Xi impediram uma grande reação do público. Mas a Fudan, uma das instituições de ensino superior mais seletivas da China, também está entre as mais liberais, com um corpo discente orgulhoso de sua reputação de relativa liberdade acadêmica.

Clipe

Em um breve clipe, dezenas de pessoas são vistas cantando a música da escola em uma cantina do campus na quarta-feira, quando um segurança parece adverti-los levemente.

"Eu gostaria que os alunos tivessem tido o direito de expressar suas opiniões sobre a alteração do regulamento”, disse um estudante que deu apenas seu sobrenome, Song, na quinta-feira (19).

Outros disseram que não esperam muito impacto prático. "Acho que as pessoas devem se expressar, e eu, pessoalmente, concordo com a liberdade de pensamento", disse uma mulher que planeja se matricular em estudos de pós-graduação na Fudan. "Continuarei mantendo minha posição."

Atualmente, Pequim está enfrentando protestos antigovernamentais de Hong Kong, nos quais estudantes universitários tiveram um papel de destaque.

O governo da China já mantém um olhar atento sobre os campi universitários, que incubaram alguns dos movimentos políticos mais importantes do século XX no país.

Em 1989, milhares de estudantes universitários participaram de protestos pró-democracia na Praça da Paz Celestial de Pequim, provocando uma repressão sangrenta que continua sendo um assunto tabu.

veja também