Como os pais podem falar sobre sexo e ideologia trans com crianças? Autor cristão responde

Abby Johnson e o apologista cristão Sean McDowell falaram no podcast “Politely Rude” sobre como os pais podem lidar com a desinformação e cultura secular.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: segunda-feira, 2 de maio de 2022 15:50
McDowell: É importante que os pais e líderes conversem com as crianças sobre por que elas devem adotar a postura bíblica. (Foto: Priscilla Du Preez / Unsplash)
McDowell: É importante que os pais e líderes conversem com as crianças sobre por que elas devem adotar a postura bíblica. (Foto: Priscilla Du Preez / Unsplash)

Uma conversa séria no podcast “Politely Rude” apresentou o pensamento de Abby Johnson e do apologista cristão Sean McDowell sobre como falar com os filhos a respeito de sexo, homossexualidade e ideologia transgênero.

Autor do livro “Chasing Love: Sex, Love and Relationships in a Confused Culture”, McDowell disse que os adolescentes foram “profundamente afetados por uma maneira secular de pensar”, tanto que “eles nem percebem isso”.

Com filhos no ensino médio e na terceira série, o apologista cristão diz que se sentiu chamado a abordar essas questões e armar os jovens com a Palavra de Deus para enfrentar esses temas que merecem a atenção dos pais.

McDowell justifica seu livro como uma forma de ajudar seus filhos e outros jovens a “eliminar algumas das mentiras e desinformações” da cultura atual.

Livro com base bíblica

Ele conta que nasceu e cresceu em uma cultura de pureza, graças aos ensinamentos que recebeu de seu pai, com bases bíblicas, inclusive a respeito de sexualidade. 

“Eu cresci ouvindo essa mensagem. E, como um todo, sou muito grato pelo que meu pai me ensinou e me ajudou a pensar biblicamente sobre sexualidade. Mas os tempos mudaram radicalmente”, disse McDowell a Johnson.

“Eu não vejo nenhum livro que seja realmente honesto, franco e bíblico, que lide com alguns dos desafios contemporâneos que as crianças estão enfrentando e que seja fácil de ler”, lamenta.

McDowell acrescentou que "simplesmente não viu nenhum livro que poderia dar a alguém e dizer: 'aqui está o único livro que você pode trabalhar com seus filhos usando essas verdades'. Então eu escrevi um", justifica.

“Ele foi escrito com as crianças em mente”, disse McDowell, “pois inclui três seções separadas de informações sobre tópicos que podem desafiá-las à medida que crescem”.

“O primeiro terço do livro mostra como nossos filhos são tão afetados pelo pensamento secular que eu tenho que revelar a eles suas visões errôneas de liberdade, visões errôneas de identidade, visões errôneas de amor – elimine essas ideias errôneas”, explica McDowell.

No meio do livro, o autor fala sobre o projeto de Deus para o sexo, a solteirice e o casamento. E no último terço ele aborda algumas das “questões mais espinhosas como: coabitação e divórcio, abuso sexual, transgenerismo”. 

Desafios

Johnson falou de sua experiência como mãe ao ter que abordar sobre a cultura de hoje com sua filha de 15 anos.  

Ela se lembra de quando sua filha expressou preocupação com a postura da Bíblia sobre a homossexualidade depois que ouviu o tópico abordado em sua aula de teologia.  

“Em nossa casa, conversamos sobre esses [tópicos] muito abertamente a partir de uma perspectiva bíblica. Mas eu me lembro dela voltando para casa um dia [depois] que eu a peguei na escola, e ela disse: 'Mãe, eu sinto que estamos sendo malvados. … Eu simplesmente não sinto que estamos sendo muito legais com as pessoas que são gays'”, contou Johnson. 

“E então eu pensei, 'OK, agora, você sabe, nós temos que mudar as marchas aqui e falar sobre o que é compassivo, o que é amoroso.' E assim, foi uma espécie de quadro deslocado."

O que é amor

Johnson perguntou a McDowell como ele responde aos jovens sendo ensinados pela sociedade “que não é amoroso negar às pessoas seus desejos”.

McDowell disse que se sua filha o procurasse e dissesse que a posição da Bíblia sobre a homossexualidade é “má”, ele a redirecionaria na conversa para entender melhor o que é o amor, apresentando-lhe uma série de perguntas sobre o assunto.

“Eu diria, aqui está minha pergunta: 'Você está dizendo que não estamos tratando bem os gays? Ou você está dizendo que nossa teologia e nossa própria posição são 'más'? Porque essas são coisas muito diferentes, ou você está dizendo que são as duas coisas?'”, disse McDowell.

“Para mim, eu quero desfazer as malas. Porque a narrativa é, é a nossa teologia. É a nossa própria posição que causa dano, e não importa quão gentil você seja, se você não mudar sua teologia, isso não é amor. É aí que eu digo 'tempo limite'. Vamos voltar ao que queremos dizer com 'amor'”.

A realidade, disse McDowell, é que às vezes a cultura aborda o amor corretamente, enquanto outras vezes a cultura erra.

“Entendemos que o amor é um sacrifício pelo outro, mas às vezes nossa cultura erra e assume que o amor é afirmativo, independentemente de qualquer pessoa se identificar e sentir sobre si mesma”, explicou ele. 

"Então, com uma pessoa jovem, eu vou fazer algumas coisas. Eu vou dizer, 'é certo rejeitar os desejos de alguém? Nós já temos desejos que não são certos?' E a resposta é 'claro'”. 

Adolescentes cristãos

McDowell explicou ainda que muitas vezes os adolescentes cristãos tendem a ser “suavemente afirmativos” por causa do medo de parecerem críticos e não aceitarem.

“Eles sabem o que a Bíblia diz sobre a natureza do casamento, que é um homem, uma mulher por toda a vida. Eles sabem que você não deve ver pornografia. Eles sabem que a coabitação provavelmente não é o projeto de Deus, mas eles não têm ideia do porquê”, observou McDowell.

“A grande maioria das crianças na igreja cristã, nas escolas cristãs, não tem a menor ideia de por que é melhor que as crianças tenham uma mãe e um pai. Por que seu gênero deve corresponder ao seu sexo biológico. Por que o casamento é uma instituição de gênero. Eles não têm ideia do porquê. Então suas respostas são basicamente: 'O que a Bíblia diz, meus pais me ensinaram, eu aprendi isso na aula de Bíblia.' Isso é raso. Não há convicção nisso", aponta.

Para McDowell é importante que os pais e líderes conversem com as crianças sobre por que elas devem adotar a postura da Bíblia. A maioria das crianças, ele acrescentou, não se opõe a ter conversas em torno do raciocínio bíblico à maneira de Deus.

Sexualidade e transgenerismo

“Muitas pessoas não estão tendo essas conversas francas apenas sobre sexualidade quando as crianças estão se afogando nessa cultura. Mas muitos deles naturalmente pensam que uma ética sexual bíblica é totalmente ultrapassada [ou que] ‘ninguém realmente vive mais isso'”, disse McDowell.

Sobre a questão de ensinar as crianças a praticar a pureza evitando o sexo até o casamento, McDowell alertou sobre o que ele chamou de "evangelho da prosperidade sexual", que ele definiu como crianças sendo informadas de forma equivocada ou rasa.

“Parte do problema com a cultura de pureza é que 'se você fizer isso e não fizer aquilo, você recebe uma recompensa', que é realmente uma maneira egoísta de tentar fazer com que as pessoas não façam sexo. Essa é uma crítica justa”, ressaltou. 

Outra crítica válida da cultura da pureza, de acordo com McDowell, foi a pressão exercida sobre as meninas para se vestirem com modéstia, ou então elas poderiam ser culpadas pela luxúria dos homens jovens.

“Embora eu ache que a modéstia seja uma noção bíblica sobre a qual precisamos falar, foi enquadrada de uma maneira que, acho, desequilibrada entre rapazes e garotas, e muitas vezes levava à vergonha em muitas garotas”, disse McDowell.

Outro tópico que está em debate entre pais cristãos e seus filhos, de acordo com Johnson, foi um “empurrão de transgenerismo” que era inédito há uma década.

McDowell disse que depois de ler “Dano Irreversível” de Abigail Shrier, ele conseguiu entender mais claramente algumas possíveis razões pelas quais há uma tendência maior de transgenerismo entre os jovens.

“Acho que ela [Shrier] basicamente diz que é muito difícil ser uma garota na história, mas especialmente hoje com toda a pressão sobre a imagem corporal e as mídias sociais", explica om apologista cristão.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições