“A primeira vez que senti paz foi quando orei a Jesus”, declara ex-muçulmana

Aisha diz que ouviu o nome “Jesus” enquanto fazia clamores a Alá e então pediu para que ele se revelasse.

Fonte: Guiame, com informações de CBN NewsAtualizado: segunda-feira, 2 de maio de 2022 12:42
Aisha. (Foto: Captura de tela/YouTube CBN News)
Aisha. (Foto: Captura de tela/YouTube CBN News)

Recentemente, vários testemunhos de ex-muçulmanos estão impactando a comunidade cristã por seus relatos de milagres e manifestação de Jesus.

Na série da CBN News chamada Souls & Stories, encontrada no site “I Found the Truth” muitos cristãos de origem muçulmana contam seus testemunhos sobre o momento da conversão a Cristo, após anos de angústia sob o islã. 

Os relatos sobrenaturais são surpreendentes. A história de Aisha, por exemplo, que nasceu em Amã, na Jordânia, fala de paz e libertação.

Depois de sofrer sob o islã

Ela nasceu numa família islâmica totalmente restritiva. Seu pai a agrediu com palavras e disse certas coisas que, segundo Aisha “uma filha jamais deveria ouvir”. 

No islã, ela nunca encontrou a paz que buscava e descreve o período em que praticou a religião como “anos muito dolorosos”, por se sentir condenada o tempo todo. 

A família, porém, se mudou para os Estado Unidos, onde Aisha conheceu um jovem e acabou engravidando aos 17 anos. Sabendo que seu pai a mataria por ter desonrado a família, com base nas regras islâmicas, ela decidiu pelo aborto.

O peso dos “pecados imperdoáveis”

Aisha lamentava por seus “pecados imperdoáveis” e disse que, conforme o islamismo, ela era “odiada por Alá”. 

Logo, a jovem passou a sofrer com uma depressão severa e tinha pensamentos suicidas. Sua alma, porém, clamava por perdão e esperança

Um dia, enquanto fazia seus clamores ao deus do islamismo, Aisha ouviu uma voz que disse simplesmente: “Jesus!”. Ela continuou em suas orações e pediu para que Ele se revelasse a ela. 

“A primeira vez que senti paz”

Aisha conta que ao orar pela primeira vez a Jesus — nome dito em voz audível — ela sentiu algo que nunca havia sentido antes. “Foi a primeira vez que senti paz, foi quando orei a Jesus”, disse. 

Essa experiência sobrenatural deu-lhe uma fome insaciável pela verdade, e em Romanos 5.8 ela encontrou a verdade e o perdão que desejava desesperadamente: “Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores”. 

Depois de tantos anos sentindo o julgamento constante de Alá, Aisha finalmente descobriu que Jesus era cheio de misericórdia e compaixão pelas mulheres.  

Ela diz que o forte contraste entre a forma como a religião islâmica trata as mulheres em comparação com a forma como Jesus tratou as mulheres, de acordo com as Escrituras, desempenhou um papel significativo em sua decisão de seguir a Cristo.

“Jesus trata as mulheres com ternura”

Atualmente, Aisha se refere a Jesus lembrando das histórias bíblicas que conheceu. “Você vê Jesus se aproximar das mulheres com muita ternura. Tanto a mulher no poço quanto a mulher que tinha uma hemorragia, ele chamou de 'filhas', e ler isso foi grandioso para mim, pois no Islã as mulheres não são muito bem vistas”, explicou. 

Aisha contou que jamais receberia a misericórdia de Alá, enquanto que em Jesus encontrou um Deus totalmente misericordioso e amoroso. 

“Em todas as Escrituras, você vê Jesus tratando os pecadores e marginalizados com amor. Isso é realmente impactante, porque no islã há somente vergonha, condenação e morte, literalmente, em certas situações”, concluiu. 

Assista (em inglês):

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições