“Fim de shemitá é um período de crises mundiais”, diz hebraísta sobre ciclo de 7 anos

Getúlio Cidade acredita que a morte da rainha Elizabeth II é um marco na história da humanidade e fez algumas observações: “Ela reinou durante 10 shemitás”.

Fonte: Guiame, Cris BeloniAtualizado: quinta-feira, 15 de setembro de 2022 às 2:35
Os judeus observam os eventos ligados à shemitá. (Foto: Reprodução/Piqsels)
Os judeus observam os eventos ligados à shemitá. (Foto: Reprodução/Piqsels)

“A shemitá tem profunda relação com os sinais do fim dos tempos”, conforme aponta o escritor e hebraísta, Getúlio Cidade, em entrevista ao Guiame

Quando ele fala em “shemitá”, se refere não apenas ao ano sabático, mas ao ciclo de 7 anos observado por Israel até os dias de hoje. No dia 25 de setembro, mais um ciclo será encerrado. 

“Historicamente, um ciclo de shemitá está ligado a eventos marcantes em Israel e no mundo, bem como a algumas tragédias globais como as guerras mundiais”, explicou.

“A maioria desses eventos ocorre no primeiro ano após uma shemitá, ou seja, no primeiro ano do ciclo”, disse ao considerar que ao final do mês de Elul também ocorrem alguns eventos. 

O mês de Elul é o último do calendário judaico, equivalente ao mês de dezembro do calendário gregoriano. Para os judeus, o ano termina no dia 25 de setembro, quando darão as boas vindas ao ano de 5.783.

Rainha Elizabeth II morreu no final de uma shemitá

A morte da rainha da Inglaterra, Elizabeth II, em 8 de setembro de 2022, delimita o fim de uma era da monarquia inglesa. 

“Mais que isso, é um marco na História da humanidade, um evento que atrai a atenção de todas as nações. O fato de sua morte ocorrer apenas a alguns dias do término do presente ano de shemitá não é mero acaso”, apontou o hebraísta. 

Ele explica que, conforme ocorre ao longo da História, a transição de um ciclo de shemitá para outro é normalmente pontuada por sinais que afetam não somente Israel, mas o mundo inteiro. 

“O reinado e a morte da Rainha Elizabeth foram marcados por alguns sinais proféticos que parecem ser uma mensagem para o mundo atual ao término da presente shemitá”, ele disse.


Rainha Elizabeth II. (Foto: Facebook/The Royal Family)

“O reinado de Elizabeth II durou exatamente setenta anos — maior tempo de reinado de um monarca inglês — e a associação com as setenta semanas de Daniel é inevitável”, continuou. 

São dez ciclos de shemitá — 10 x 7 anos. “Sua coroação se iniciou próximo à última das Festas da Primavera (Pentecostes), que marca o início da colheita espiritual no Reino de Deus, e terminou próximo a Rosh Hashaná que aponta para o término da colheita e para a volta de Yeshua”, associou. 

“Além disso, a data de sua morte se deu em pleno mês de Elul, dedicado à Teshuvá, um tempo de arrependimento antes que venha o juízo divino. Nada disso parece ser mera coincidência”, disse ainda. 

Eventos ligados à Shemitá

Rabinos, ortodoxos e messiânicos observam, há muito tempo, os eventos ligados à shemitá e que, para eles, estão relacionados aos sinais do fim. 

A transição de uma fase para outra é marcada por “verdadeiros divisores de água para Israel e para as nações”,  conforme explica o hebraísta que aponta para alguns.

“Após a formação do novo Estado de Israel, em 1948, o evento mais importante que mudou completamente a nação, bem como a forma de se relacionar com seus vizinhos árabes, foi a Guerra dos Seis Dias, em 1967, que se deu no ano de 5727 do calendário judaico, primeiro ano de um ciclo de shemitá”, mencionou.

Na ocasião, ao ser atacado em três frentes de batalha, Israel conseguiu uma vitória esmagadora e inexplicável do ponto de vista militar, conquistando em apenas seis dias, quatro vezes o tamanho de seu território original. 

“Sete anos depois, no ano de 5734 [1973/74], no início de outro ciclo de shemitá, Israel foi atacado no dia da Festa de Yom Kippur — o dia mais sagrado do judaísmo — pelo Egito e pela Síria em duas frentes distintas. A despeito de pesadas perdas, Israel conseguiu repelir o ataque e manter os territórios antes conquistados na Guerra dos Seis Dias”, contou. 

Mas o conflito causou um embargo dos países árabes — produtores de petróleo aos EUA — por terem prestado assistência a Israel. Isso gerou a “crise do petróleo”, quando o preço do barril praticamente quadruplicou em questão de semanas, causando enorme revés na produção industrial, especialmente dos EUA, gerando inflação e impactando economicamente o mundo inteiro. 

Entre outros eventos ocorridos em shemitás, houve o inesquecível crash da bolsa norte-americana de 1987 — causando a primeira crise financeira global contemporânea. Na virada do milênio, o ataque às Torres Gêmeas, em 11 de setembro.

“Os ataques terroristas causaram uma queda livre no mercado de ações que acumulou 1,4 trilhão de dólares em perdas. O ouro e o petróleo dispararam de preço e o estrago na economia global foi imediato”, lembrou o hebraísta.

Assim, analisando, Getúlio explica que “podemos interpretar o que Deus está dizendo”. 

“Não é de surpreender que esses eventos marcantes estejam ligados a crises financeiras. Parece que o próprio Deus propositadamente abala aquilo que é mais idolatrado pela humanidade — o dinheiro — a fim de mostrar quem está no controle do universo”, reforçou.


Getúlio Cidade, hebraísta e escritor. (Foto: Divulgação/LC Agência)

Coincidência?

Conforme conta o hebraísta, no dia 29 de setembro de 2008, ocorreu a maior queda do Dow Jones em apenas um dia, com 777,68 pontos. Até março de 2020, no início da pandemia, esse era o recorde da maior queda da história. 

“O fato se deu exatamente na transição do dia 29 de Elul para 1 de Tishrei, quando se celebra Rosh Hashaná, marcando não somente o ano novo judaico, mas o primeiro ano de um novo ciclo de shemitá, em 5769 (2008/09)”, citou.

“Agora perceba a ironia no número de pontos da queda da bolsa. Parece um recado claro de Deus, pois 7 é o número da shemitá, repetido três vezes”, destacou.

Conexão da shemitá com o fim dos tempos

Para o autor do livro “A Oliveira Natural”, todos esses acontecimentos mostram uma clara conexão entre o primeiro ano de um ciclo de shemitá e o cumprimento de juízos e promessas para Israel e as nações gentílicas.

“A shemitá faz parte dessa engrenagem do relógio de Deus, juntamente com as demais Festas do Senhor estabelecidas em sua Torá, que ocorrem no tempo e nas estações por Ele designadas para cumprir seus propósitos sobre a Terra”, explicou. 

“Isso explica a necessidade de nos voltarmos para Israel. Tentar compreender esses acontecimentos, bem como eventos vindouros e os tempos do fim, excluindo Israel da equação é o mesmo que assistir a um filme em uma língua desconhecida sem legenda”, resumiu.


Rabinos, ortodoxos e messiânicos observam os eventos ligados à shemitá. (Foto: Reprodução/Piqsels)

Shemitá e a Grande Tribulação

Para Getúlio, examinando a história por apenas alguns ciclos de shemitá, é possível verificar a ocorrência de tragédias como guerras e crises financeiras globais.

“Tais eventos certamente não ocorrem por mera coincidência. Curiosamente, o Talmude, com base em uma profecia de Amós, declara explicitamente que o Messias virá no primeiro ano de um ciclo de shemitá”, mencionou. 

“O Talmude também descreve os anos do ciclo de shemitá que precederão o Messias como sendo de extrema dificuldade, com fome, mortes e guerras, o que confere com a descrição dada por Jesus para a Grande Tribulação”, continuou.

“O início de um novo ciclo de shemitá poderá coincidir com o início da Grande Tribulação, conforme Jesus a chamou. Se ela não se iniciar agora em 2022, não poderá se iniciar até o ano de 2029, quando se encerra a shemitá. Caso não comece em 2029, somente poderá começar em 2036, e assim por diante”, disse. 

“É necessário que as nações sejam abaladas antes da volta do Messias, o Desejado de todas as nações. Isso já tem ocorrido em seguidos ciclos de shemitás, mas certamente se agravará com a proximidade de sua volta”, observou.

“Ao mesmo tempo em que abala as nações para sinalizar o fim da presente era, Deus parece enviar uma mensagem codificada em meio a crises e tragédias de cada ciclo de shemitá. Uma mensagem de amor e misericórdia de um Pai que deseja resgatar todos que para Ele se voltarem nesses tempos tenebrosos: “Arrependam-se, porque o Reino dos céus está próximo”, concluiu o hebraísta ao citar Mateus 3.2.

Este conteúdo foi útil para você?

Sua avaliação é importante para entregarmos a melhor notícia

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições