Modelo de igrejas que estimula o voluntariado experimenta grande crescimento na Alemanha

Já são 24 “igrejas livres” no país, que usam “uma roupagem nova” para a mensagem da Bíblia.

fonte: Guiame, com informações do Evangelical Focus

Atualizado: Quinta-feira, 12 Setembro de 2019 as 9:42

Encontro de cristãos alemães ao ar livre. (Foto: Reprodução/Facebook)
Encontro de cristãos alemães ao ar livre. (Foto: Reprodução/Facebook)

A televisão pública alemã ARD-SWR gastou quatro minutos para mostrar o crescimento de um novo modelo de igrejas cristãs na Alemanha que, segundo a reportagem, experimenta um “boom”.

A matéria do programa de notícias de Baden-Württemberg SWR conclui que as igrejas evangélicas crescem porque oferecem "uma mensagem antiga" em "uma nova embalagem".

O que são igrejas livres? E por que elas são tão bem recebidas?

A reportagem intitulada “Por que as igrejas livres estão crescendo?” visitou em Karlsruhe um culto de domingo da ICF (International Christian Fellowship), uma igreja evangélica livre presente na Alemanha e em outros países.

A matéria da TV destaca ainda o grande número de voluntários que ajudam a administrar as atividades da igreja. Também elogia a capacidade das igrejas livres de "acompanhar os [novos] tempos, produzindo e distribuindo seu conteúdo de maneira profissional".

Voluntários participam de todas as atividades da igreja. (Foto: Reprodução/Facebook)

A abertura à mudança, as atividades divertidas para as crianças ("como em um clube infantil de verão") e o esforço para "fazer com que os membros antigos e novos se sintam bem-vindos" também são causas para o sucesso dessas igrejas, de acordo com a reportagem.

Segundo a ARD-SWR, a ICF é uma das 24 igrejas livres reconhecidas na cidade.

A matéria começa com o testemunho de Alexandra, uma ex-católica que agora lidera a equipe de boas-vindas da igreja evangélica.

"Não somos ativos apenas no domingo, mas durante toda a semana, compartilhando nossa vida um com o outro, orando, estando lá um pelo outro. Sou apaixonada por isso", diz ela ao repórter.

Batismo realizado pelo Pr. Steffen Beck, em julho. (Foto: Reprodução/Facebook)

A reportagem descreve as igrejas livres como "organizações religiosas reconhecidas que não pertencem às igrejas evangélicas [protestantes] ou católicas", que são definidas "por uma nova embalagem que contrasta com uma mensagem bastante antiga", diz o jornalista.

Steffen e Sibylle Beck, pastores principais da ICF em Karlsruhe. (Foto: Reprodução/Facebook)

Steffen Beck, pastor da ICF em Karlsruhe, disse à SWR: “A maioria das igrejas livres são igrejas conservadoras, não escondemos isso. Mas com isso queremos dizer que queremos manter os valores [cristãos] e não queremos reinventar a fé, mas nos apegamos à Bíblia e não a reescrevemos”.

“Nosso coração bate por uma igreja poderosa com uma mensagem clara que muda positivamente nossas vidas. Uma igreja onde as pessoas estão lá uma para a outra, encontrando novas perspectivas e se aproximando do futuro sem medo”, diz o pastor.

A matéria também comenta as finanças das igrejas livres. Mostra que alguns membros “dão até 10%” de sua renda mensal à igreja e o fato de que as doações podem ser feitas através da tecnologia.

A peça jornalística termina com uma voz crítica do editor de religião da SWR. Ele acredita que algumas igrejas livres "são muito fechadas para as relações ecumênicas".

veja também