Ainda bem que a natureza criou esse monstro chamado coronavírus, diz Lula

Para o petista, a pandemia o ajuda a provar que 'determinadas crises' só são resolvidas pelo Estado.

fonte: Guiame, com informações do G1

Atualizado: Quarta-feira, 20 Maio de 2020 as 1:54

Ex-presidente Lula (PT) é condenado em segunda instância no caso do sítio de Atibaia. (Foto: Ricardo Stuckert)
Ex-presidente Lula (PT) é condenado em segunda instância no caso do sítio de Atibaia. (Foto: Ricardo Stuckert)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva celebrou nesta terça-feira (19) o surgimento da pandemia do novo coronavírus, para que a população entenda a importância de um “Estado forte”.

Durante uma entrevista por videoconferência à revista "Carta Capital, Lula sugeriu que o impacto na economia liberal defendida pelo governo de Jair Bolsonaro é algo a ser celebrado, apesar dos 271.628 casos confirmados de Covid-19 e 17.971 mortes até esta terça.

“O que eu vejo? Quando eu vejo os discursos dessas pessoas, quando eu vejo essas pessoas acharem bonito que 'tem que vender tudo o que é público', que 'o público não presta nada'. Ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus. Porque esse monstro está permitindo que os cegos comecem a enxergar que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises. Essa crise do coronavírus, somente o Estado pode resolver isso, como foi a crise de 2008”, disse o petista.

Sua declaração foi feita no mesmo dia em que o Brasil chegou à marca de 1,1 mil mortes nas últimas 24 horas, o número recorde de óbitos no País.

Na sequência, Lula mencionou o ex-presidente dos Estados Unidos, Franklin Roosevelt, que comandou o país na época da Segunda Guerra Mundial. “Você acha que ele estava preocupado com orçamento da União? Com déficit fiscal? Se o Tesouro ia falir ou não? Ele tinha que construir armas para vencer a guerra”, disse o petista.

A declaração de Lula foi criticada pelo pastor e deputado federal Roberto de Lucena (PODE-SP), que a classificou como "inacreditável".

O pastor e deputado Marco Feliciano (Republicanos-SP) chamou Lula de “genocida insensível” no Twitter. “E se fosse o presidente Jair Bolsonaro que tivesse dito que gostou de 321.459 mortes no mundo até o momento, apenas para provar sua ideologia política?”, questionou.

A psicóloga cristã Marisa Lobo também fez uma crítica ao ex-presidente. “Como pode um ‘ser humano’ comemorar uma pandemia? Pode, os psicopatas para atingir um opositor, podem matar milhares”, disse.

veja também