Em discurso na ONU, Trump cita perseguição religiosa como problema real do mundo

O presidente dos EUA iniciou sua fala atacando a China pela forma como o país asiático gerenciou a crise de coronavírus.

fonte: Guiame, com informações do G1

Atualizado: Terça-feira, 22 Setembro de 2020 as 2:19

Trump em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, em 22 de setembro de 2020. (Foto: Reprodução / G1)
Trump em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, em 22 de setembro de 2020. (Foto: Reprodução / G1)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, começou seu discurso na 75ª Assembleia Geral da ONU nesta terça-feira (22) logo após a fala do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

Trump falou quais deveriam ser, na avaliação dele, as prioridades da ONU:

"Se a ONU quiser ser uma organização eficiente, precisa focar nos problemas reais do mundo. Isso inclui terrorismo, a opressão de mulheres, trabalho forçado, tráfico de drogas e de pessoas, perseguição religiosa e limpeza étnica de minorias".

Ele afirmou ainda que seu governo agiu para garantir liberdades religiosas, oportunidades para mulheres, a descriminalização da homossexualidade e proteger "crianças não-nascidas".

O americano voltou a chamar o Sars-Cov-2 de "vírus chinês" e disse que a OMS (Organização das Nações Unidas) é controlada pela China.

"O governo chinês e a Organização Mundial da Saúde, que é controlada pela China, falsamente declararam que não havia evidência de transmissão entre humanos. Depois, afirmaram falsamente que as pessoas sem sintomas não poderiam espalhar a doença. A ONU precisa responsabilizar a China pelas suas ações."

Ele então comparou os dois países: "Os que atacam o bom histórico ambiental dos EUA e ignoram a poluição na China não estão interessados no ambiente. Eles só querem punir os EUA. E eu não vou tolerar isso".

Acordos com Israel

Trump também citou os acordos entre Israel, os Emirados Árabes e o Bahrein intermediados pelos EUA. Segundo o presidente americano, outros países do Oriente Médio devem fazer comprometimentos semelhantes no futuro próximo.

Ainda sobre o Oriente Médio, ele listou as mortes de Al-Baghdadi, do Estado Islâmico, e de Qassem Soleimani, do Irã, essa última, no começo de 2020.

Os líderes não estão pessoalmente presentes na sede. Eles enviaram vídeos gravados para serem exibidos no prédio da ONU, em Nova York, e transmitidos pela internet.

veja também