Escrita em altar de pedra de 2.800 anos confirma guerra bíblica, diz pesquisador

Descoberta foi feita em altar encontrado dentro de santuário moabita na antiga cidade de Atarote, na Jordânia.

fonte: Guiame, com informações do Live Science

Atualizado: Quinta-feira, 29 Agosto de 2019 as 9:24

Altar de pedra cilíndrico de 2.800 anos de idade descoberto recentemente em um santuário na antiga cidade de Atarote, na Jordânia. (Foto: Reprodução/Adam Bean)
Altar de pedra cilíndrico de 2.800 anos de idade descoberto recentemente em um santuário na antiga cidade de Atarote, na Jordânia. (Foto: Reprodução/Adam Bean)

Um altar de pedra com 2.800 anos de idade, encontrado dentro de um santuário moabita na antiga cidade de Atarote, na Jordânia, pode lançar luz sobre uma guerra bíblica, descrita em 2 Reis 3.

O altar tem duas inscrições. As palavras estão no idioma e na escrita moabitas, enquanto os números nas inscrições estão em hierárquico (um sistema de escrita egípcio).

O altar parece datar de um tempo em que Mesa, rei de Moabe, se rebelou com sucesso contra o Reino de Israel e conquistou Atarote, uma cidade que o Reino de Israel havia controlado. Naquela época, Israel havia se dividido com um reino do norte que mantinha o nome Israel e um reino do sul chamado Judá.

A Bíblia hebraica menciona a rebelião, dizendo que antes de Mesa se rebelar, Moabe tinha que dar a Israel uma oferta anual de milhares de cordeiros e uma vasta quantidade de lã de carneiro. A rebelião também é descrita na chamada estela Mesa descoberta em 1868 em Dhiban, na Jordânia, que afirma que Mesa conquistou Atarote e matou muitos habitantes da cidade.

O altar foi descoberto enquanto o santuário estava sendo escavado, em 2010. O altar e o santuário foram descritos recentemente no diário Levant.

Uma das duas inscrições escritas no altar parece descrever o bronze que foi saqueado após a captura de Atarote. "Pode-se especular que quantidades de bronze saqueadas da cidade conquistada de [Atarote] em uma data posterior foram apresentadas como uma oferenda no santuário e registradas neste altar", escreveram os pesquisadores no artigo da revista.

A segunda inscrição no altar é fragmentária e mais difícil de entender. Parte parece dizer (em tradução) que "4.000 homens estrangeiros foram dispersos e abandonados em grande número", enquanto outra parte da inscrição menciona "a cidade desolada".

"Ainda não está muito claro sobre esta inscrição", escreveram os pesquisadores, observando que essa inscrição pode discutir eventos que ocorreram durante a rebelião de Mesa contra Israel e a captura de Atarote.

Substâncias perfumadas como incenso, madeiras e óleos aromáticos teriam sido queimados no altar, disse o principal autor Adam Bean, estudante de doutorado no Departamento de Estudos do Oriente Próximo da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore.

Pistas bíblicas

O altar inscrito confirma que os moabitas conseguiram tomar o poder de Atarote, disse o coautor do estudo Christopher Rollston, professor de línguas e literaturas semíticas do noroeste da George Washington University, em Washington, DC.

O altar também mostra que, há 2.800 anos, os moabitas tinham escribas habilidosos que usavam seu próprio alfabeto. As inscrições no altar "são a evidência mais antiga que temos até agora para uma escrita Moabita distinta", disse Rollston à Live Science, observando que a inscrição descoberta em 1868 usava a escrita Hebraica para escrever a língua Moabita.

"Costumamos falar sobre a sofisticação da educação dos escribas do antigo Israel, e com razão, [mas as inscrições no altar mostram] que o antigo Moabe também tinha alguns escritores talentosos", disse Rollston.

Hoje, Atarote é chamado Khirbat Ataruz. As escavações no local são lideradas por Chang-Ho Ji, reitor da educação da Universidade La Sierra em Riverside, Califórnia.

veja também