“Eu estou vivo por uma obra de Deus”, reconhece Bolsonaro

Em sua primeira entrevista após o atentado, Jair Bolsonaro se emocionou e relembrou momentos da facada.

fonte: Guiame, com informações da Joven Pan

Atualizado: Terça-feira, 25 Setembro de 2018 as 11:04

Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL, falou à imprensa pela primeira vez após levar uma facada durante um comício no último dia 6 em Juiz de Fora (MG). O candidato recebeu nesta segunda-feira (24) o jornalista Augusto Nunes, da Rádio Jovem Pan, no hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Na entrevista, Jair Bolsonaro se emocionou ao falar do atentado e classificou a agressão de Adélio Bispo de Oliveira como um atentado político.

“Acredito que ele não agiu sozinho. Ele não é tão inteligente assim. A tendência natural de um ato como aquele é ele ser linchado. Então ele foi para cumprir a missão quase na certeza de que não seria. Não seria como? Sabendo que teria gente ao lado dele”, disse o deputado.

Bolsonaro também destacou que “vários milagres” aconteceram após o atentado. “Ele deu uma facada e rodou. Para matar mesmo. O cara sabia o que estava fazendo. Por milímetros não atingiu veias que eu não teria como resistir”, contou.

O candidato ainda contestou a linha de investigação adotada pela Polícia Federal sobre o caso. “A tendência natural de um ato como aquele é ser linchado, então ele foi para a missão com a certeza que não seria linchado, que teria gente ao lado dele”, avaliou.

“Pelo que ouvi dizer, não tenho certeza ainda, a Polícia Civil de Juiz de Fora está bem mais avançada que a Polícia Federal. O depoimento do delegado que está conduzindo, realmente é para abafar. Eu lamento o que ouvi ele falando. Dá a entender até que age em parte como uma defesa do criminoso. Isso não pode acontecer. Não quero que inventem um responsável, mas dá para apurar o caso”, acrescentou Bolsonaro.

Momento de oração

O filho de Jair Bolsonaro, o deputado estadual Flávio Bolsonaro, relatou como recebeu a notícia do atentado de seu pai. “Eu fiquei sabendo por um jornalista que me ligou, quando eu estava na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) e perguntou: ‘Seu pai está bem?’ Quando ele percebeu que eu não sabia o que tinha acontecido, ele me disse: ‘Fica tranquilo, pelo que eu sei não foi nada grave’”, contou.

“Foi um sentimento que eu nunca tinha sentido antes. Eu subi e fui no gabinete de um deputado evangélico e, quando cheguei lá, tinha uns 15 pastores no gabinete dele. Eu comecei a chorar muito, sem saber direito o que tinha acontecido. Fizemos todos uma oração por ele. Entrei no carro e foram as horas mais longas da minha vida no trânsito”, relatou Flávio.

Enquanto Bolsonaro escutava o relato do filho, ficou fortemente emocionado e derramou lágrimas.

Flávio disse que sentia a certeza da sobrevivência do pai e declarou seu orgulho: “Tenho certeza que Deus está preparando uma coisa muito grande para o nosso Brasil e está usando o cara aí”, declarou, apontando para Bolsonaro.

Últimos dias de campanha

Bolsonaro admitiu que não deve participar de atos de campanha antes do fim do primeiro turno. “‘Receberei alta no dia 31, antes das eleições. Mas, a recomendação é que eu fique em casa. Na situação em que estou, se eu levar um esbarrão posso botar tudo a perder. Então não posso ir às ruas novamente”, comentou.

No fim da entrevista, o candidato agradeceu as orações da população. “Os médicos dizem que eu estou vivo por uma obra de Deus, um milagre aconteceu. Vamos juntos mudar o destino do Brasil”, declarou. “Vamos mudar o Brasil. Acredito em Deus, acredito em você e no potencial do ser humano brasileiro”.

veja também