“Não vou parar de falar”, diz pastor que teve de sair de escola por contestar evento LGBT

Keith Waters decidiu sair, mas agora lançou uma contestação legal contra a escola por demissão sem justa causa.

fonte: Guiame, com informações do Premier

Atualizado: Terça-feira, 3 Dezembro de 2019 as 10:41

O pastor Keith Waters precisou se demitir após postagem contrária a evento LGBT. (Foto: Reprodução/Premier)
O pastor Keith Waters precisou se demitir após postagem contrária a evento LGBT. (Foto: Reprodução/Premier)

Keith Waters, líder da Igreja New Connexions na cidade de Ely, em Cambridgeshire, na Inglaterra, foi obrigado a se demitir da escolha onde trabalhava como auxiliar e conselheiro após ter postado uma mensagem em seu Twitter criticando evento LGBT.

Ele escreveu: "Um lembrete de que os cristãos não devem apoiar ou participar dos eventos do LGBTQ 'Pride Month', realizados em junho. Eles promovem uma cultura e incentivam atividades contrárias à fé cristã e moral. Eles são especialmente prejudiciais para as crianças."

Seu cargo levou jornalistas locais a criticá-lo por insultar a comunidade LGBT e a várias experiências de assédio e ameaças que o levaram a desistir de seu emprego em uma escola primária.

Sua esposa atendeu a porta a um diretor de funeral que perguntou o que ela gostaria de fazer com o corpo dele e a escola iniciou uma audiência disciplinar após denúncias dos pais.

O pastor disse ao Premier: "Deixei meu cargo na escola porque descobri que, passando por um procedimento disciplinar, eu tinha a investigação usual, que certamente era bastante feroz e era mais um interrogatório. Na carta da audiência disciplinar, disseram-me que seria um aviso final por escrito ou demissão”.

"Nenhum desses resultados funcionaria para eu estar na escola, certamente a demissão não iria, mas o aviso final por escrito também não, porque significaria que eu provavelmente seria demitido no dia seguinte porque não vou parar de falar sobre coisas importantes sobre o cristianismo e a segurança das crianças", disse ele.

Waters contou que, antes das queixas, ele ajudava nas lições e fazia o trabalho pastoral.

"Eu tive um relacionamento incrivelmente bom com a escola, estive envolvido em todos os tipos de aulas de RE, assembleias, aconselhamento com funcionários ... mas foram realmente os jornalistas locais e depois a pressão sobre a escola de um grupo de pais [que me forçaram a ter que sair]", explicou o pastor sobre as críticas que sofreu.

Depois de iniciar o processo disciplinar, Waters decidiu sair, mas agora lançou uma contestação legal contra a escola por demissão sem justa causa.

Sobre o caso, um porta voz do Active Learning Trust, entidade de apoio e acompanhamento à educação no Reino Unido mostrou-se em desacordo com Waters: "O Active Learning Trust e suas escolas valorizam, apreciam e comemoram a igualdade, o multiculturalismo e a diversidade na educação”.

"Fomos informados sobre as postagens de mídia social de pais preocupados em junho de 2019. Essas postagens foram investigadas através dos procedimentos padrão de RH do Trust”, declarou o porta-voz.

"Gostaríamos de enfatizar que Keith Waters se demitiu por sua posição na escola. Enquanto os processos legais estão em andamento, não seria apropriado que o Trust comentasse mais ainda nesta fase", disse.

Quando perguntado se ele se arrepende da postagem, Waters respondeu: "Oh, Deus, não, eu não me arrependo ... o tuíte estava realmente dizendo aos cristãos, o que os cristãos sabem e devem saber, o lembrete de que o evento de orgulho que é, não é algo bom para crianças, certamente não é bom para adultos e realmente não é bom para ninguém".

Ele disse que sua igreja havia apoiado e que ele espera que a situação funcione "para a glória de Deus".

veja também