Organizações cristãs na Alemanha exigem proibição da prostituição

Uma carta enviada a todos os partidos políticos pede que os legisladores resistam à pressão do "lobby da prostituição".

fonte: Guiame, com informações do Evangelical Focus

Atualizado: Segunda-feira, 27 Julho de 2020 as 11:22

Mulher sinaliza para motoristas em avenida da Alemanha. (Foto: Mark van Manen/Postmedia News)
Mulher sinaliza para motoristas em avenida da Alemanha. (Foto: Mark van Manen/Postmedia News)

Os ministros presidentes dos 'Länder' e os líderes dos partidos políticos nacionais receberam uma carta aberta pedindo o fim da prostituição na Alemanha.

O país possui algumas das leis mais permissivas em relação ao consumo de sexo, e muitas organizações denunciaram as más condições em que vivem as mulheres prostituídas.

A carta foi enviada por uma ampla aliança de organizações, incluindo as cristãs Kainos, Mission Freedom, New Start e Sowoldi.

No contexto da crise de Covid-19 e do risco de infecção de mulheres prostituídas, as autoridades devem resistir à pressão do “lobby da prostituição”, que pede reabrir os fardos.

Mas o Estado não deve punir as mulheres vulneráveis ​​que vivem na "pobreza e mal sobrevivem", mas oferecer-lhes "alojamento pago", diz a carta.

Essas organizações exigem a implementação na Alemanha do "modelo nórdico", que pune o comprador de sexo, e oferece às mulheres prostituídas ajuda financeira, educação e apoio psicológico quando necessário, para deixar o mundo da exploração sexual.

Hora de propor mudanças na lei

A Aliança Evangélica Alemã expressou seu apoio à iniciativa. Seu representante político Uwe Heimowski disse que "os jovens devem aprender e entender que as mulheres não são um produto".

Heimowski congratulou-se com as recentes posições de algumas frações dos grandes partidos em favor da ilegalização da prostituição, e pediu para "fazer propostas para mudar a lei em breve".

As estatísticas na Alemanha mostram uma realidade sombria da prostituição, na qual muitas são vítimas de três crimes graves: privação de liberdade, estupro e prostituição forçada.

A plataforma cristã European Freedom Network, que reúne dezenas de organizações anti-tráfico na Europa, escolheu Berlim para sua conferência de 2017. Eles chamaram a Alemanha para mudar a lei para garantir que não haja exploração sexual dentro de suas fronteiras.

veja também