Milhares de palestinos se agrupam no Monte do Templo e exaltam terroristas do Hamas

A celebração no Monte do Templo ocorreu enquanto Israel e o Hamas continuavam trocando ataques.

fonte: Guiame, com informações do Times of Israel e Jerusalem Post

Atualizado: Quinta-feira, 13 Maio de 2021 as 9:38

Ativistas penduraram faixas exaltando o Hamas e seus líderes na mesquita de al-Aqsa. (Foto: Ammar Awad/Reuters)
Ativistas penduraram faixas exaltando o Hamas e seus líderes na mesquita de al-Aqsa. (Foto: Ammar Awad/Reuters)

Quase 100.000 palestinos se reuniram no Monte do Templo na manhã desta quinta-feira (13) para o Eid al-Fitr, uma celebração muçulmana que marca o fim do jejum do Ramadã. Muitos cantavam “Deus, dê vitória a Gaza”, enquanto outros seguravam bandeiras palestinas e cartazes do Hamas.

Grandes faixas retratando líderes terroristas da Faixa de Gaza foram penduradas em frente ao Domo da Rocha na manhã de quinta-feira, informou o Jerusalém Post. 

A celebração no Monte do Templo ocorreu enquanto Israel e o Hamas continuavam trocando ataques, após novas barragens de foguetes serem disparadas contra Israel durante a noite de quarta-feira (12). 

Cerca de 150 foguetes foram disparados da Faixa de Gaza contra Israel das 20h (no horário local) de quarta-feira às 6h desta quinta. Dentre eles, 24 foguetes caíram dentro do enclave palestino, de acordo com uma contagem das Forças de Defesa de Israel (DF). 

Os ataques de ontem foram relativamente modestos em comparação com os foguetes que foram disparados contra Israel nas duas noites anteriores. No total, terroristas palestinos dispararam cerca de 1.500 projéteis contra Israel desde o início dos combates na noite de segunda-feira (10).

A IDF informou que o sistema de defesa Cúpula de Ferro teve uma taxa de interceptação de cerca de 90% de foguetes e morteiros que foram em direção a regiões habitadas.

No total, a IDF bombardeou mais de 600 alvos na Faixa de Gaza, mais de 100 deles nas últimas 24 horas. De acordo com o porta-voz da IDF, Hidai Zilberman, o Exército israelense destruiu a maior parte das capacidades de produção de foguetes domésticos do Hamas, bombardeando locais de produção e armazenamento de armas. 

Zilberman disse que os planos para uma invasão terrestre seriam apresentados à liderança política de Israel para aprovação nesta quinta. Nos últimos dias, já foram implantadas tropas terrestres adicionais na fronteira de Gaza, com tanques e veículos blindados ao longo do sul de Israel.


O sistema de defesa da Cúpula de Ferro é ativado para interceptar um foguete disparado da Faixa de Gaza. (Foto: Emmanuel Dunand/AFP)

Mortos nos conflitos

Um total de 7 pessoas foram mortas em Israel, entre elas um soldado morto por um míssil antitanque e um menino de cinco anos atingido por estilhaços.

O Ministério da Saúde de Gaza, comandado pelo Hamas, disse que o número de mortos aumentou para 72 palestinos, incluindo 16 crianças. Segundo a IDF, grande parte dos mortos eram membros de grupos terroristas, alguns dos quais se preparavam ativamente para lançar ataques contra Israel.

A Jihad Islâmica Palestina confirmou a morte de 7 de seus membros, enquanto o Hamas reconheceu que um comandante e vários outros membros foram mortos. 

Israel e um grupo palestino de direitos humanos, Defense for Children, disseram que vários civis foram mortos por foguetes do Hamas que caíram dentro de Gaza, não por ataques israelenses.

Os militares israelenses também afirmam que o número de terroristas mortos até agora é muito maior do que o Hamas reconheceu.

veja também