Ex-muçulmana é presa por plantar e liderar igreja no Irã

Fariba Dalir, de 51 anos, começou a cumprir sentença de dois anos de prisão.

Fonte: Guiame, com informações do Artigo 18Atualizado: sexta-feira, 22 de abril de 2022 15:50
Fariba Dalir começou a cumprir a sentença na prisão de Evin, em Teerã. (Foto: Reprodução / Article 18)
Fariba Dalir começou a cumprir a sentença na prisão de Evin, em Teerã. (Foto: Reprodução / Article 18)

Uma mulher convertida ao cristianismo foi condenada à prisão acusada de “agir contra a segurança nacional ao estabelecer e liderar uma igreja cristã evangélica” no Irã.

Mesmo tendo sido julgada há 2 anos, Fariba Dalir começou a cumprir a sentença na prisão de Evin, em Teerã, neste mês.

Fariba foi inicialmente condenada a cinco anos de prisão depois que o tribunal declarou erroneamente que ela tinha antecedentes criminais. Sua sentença foi posteriormente revisada assim que o tribunal foi informado do erro.

Conversão é penalizada

Fariba, de 51 anos, está entre seis pessoas, incluindo seu noivo na época e agora marido, Soroush, condenadas por se converterem ao cristianismo.

Cinco deles foram condenados em dezembro – Fariba a dois anos, e os outros quatro, incluindo Soroush, a 10 meses por serem membros da igreja. Exceto Fariba, todos foram presos em Teerã em julho do ano passado.

Uma jovem de 17 anos foi libertada sem acusações, mas apenas depois de passar 10 dias em confinamento solitário e ser submetida a intensos interrogatórios em um centro de detenção da Guarda Revolucionária.

Devido ao tempo já passado na detenção, os quatro foram informados de que poderiam optar por pagar multas de 5 milhões de tomans cada (cerca de US$ 250) para evitar novas prisões.

As prisões

Fariba e Soroush passaram mais de um mês em confinamento solitário no centro de detenção após suas prisões em 19 de julho de 2021. Fariba estava em um salão de cabeleireiro e Soroush enquanto dirigia.

Três dos outros cristãos, incluindo a jovem de 17 anos e outra mulher e sua filha, foram presos em suas casas no dia anterior.

O sexto cristão, um homem, foi preso no mesmo dia de Fariba e Soroush, mas os nomes desses outros cristãos não foram divulgados.

Depois de passar cerca de 50 dias em confinamento solitário, Fariba foi transferida para a prisão feminina de Qarchak e Soroush para a Penitenciária da Grande Teerã, onde foram detidas por mais dois meses, antes de serem libertadas sob fiança – de 600 milhões de tomans (US$ 25.000) para Fariba, e 300 milhões de tomans (US$ 12.500) para Soroush.

Fariba e Soroush se casaram nos meses entre a libertação e a sentença, que ocorreu em 4 de dezembro de 2021 na Filial 26 do Tribunal Revolucionário de Teerã, mas agora estão separados novamente.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições