Igreja brasileira no Canadá apoia missionários indianos atacados por radicais

Apoio ajuda a continuar o trabalho evangelístico e social oferecido à comunidade pobre na Índia.

fonte: Guiame, Adriana Bernardo

Atualizado: Quinta-feira, 23 Maio de 2019 as 8:42

Cristãos espancado e pastor que teve o corpo incendiado recebe oração de um cristão, irmão do pastor Rashphal. (Foto: Divulgação/Rashphal.)
Cristãos espancado e pastor que teve o corpo incendiado recebe oração de um cristão, irmão do pastor Rashphal. (Foto: Divulgação/Rashphal.)

Em entrevista exclusiva ao Guiame, Anderson Guedes, secretário de Missões e um dos fundadores da AD Missão há 13 anos em Toronto junto com o pastor Denis Brito, conta que em 2013 o Departamento de Missões da igreja decidiu apoiar o trabalho missionário na Índia.

O primeiro a receber ajuda da AD Missão foi o Pr. Rashphal, que além de evangelizar a população local, cuida de dois leprosários que atendem doentes da região.

“Eles cuidam de pessoas leprosas, em situação bem difícil, muita miséria, pobreza, um povo esquecido, abandonado pela sociedade, pelo governo... São pessoas que vivem uma vida inimaginável”, explica Anderson

Ele diz que para apoiar o missionário, a igreja brasileira baseada em Toronto “procura atender o Pr. Rashphal que tem um trabalho de evangelismo fantástico, além do social, com entrega de refeições para a comunidade carente”.

Anderson conta que, além das dificuldades financeiras e de apoio, os missionários enfrentam enorme perseguição, promovida prelos radicais hindus.

Mulher cristã agredida durante culto doméstico por hindus radicais. (Foto: Divulgação/Rashphal)

Como extensão do apoio missionário na Índia, há dois anos a igreja também adotou o Pr. Reny Thomas, um indiano nativo que morava em Toronto, onde tinha uma vida estabilizada, mas deixou tudo para servir como missionário em seu país de origem.

Anderson conta que a viabilidade para apoiar o Pr. Thomas veio pela ligação do pastor e da AD Missão à Convenção Canadense das Assembleias de Deus (PAOC, sigla em inglês), que tem trabalho missionário em todas as partes do mundo.

De acordo com Anderson, os pastores Rashphal e Thomas são mantidos mensalmente pelas ofertas da AD Missão.

Campo Missionário

O secretário de Missões conta ainda que o Pr. Thomas tinha um ótimo emprego em uma empresa de automóveis no Canadá, mas sentiu um forte chamado de Deus para servir ministerialmente na Índia. “Ele abandonou tudo aqui em Toronto e foi para o campo missionário”, diz.

Há duas semanas, Anderson recebeu do Pr. Rashphal informações e fotografias de cristãos que foram agredidos violentamente pelos radicais. As imagens foram disponibilizadas à nossa reportagem.

Por telefone, o missionário Rashphal relatou ao Guiame um dos casos ocorridos na semana passada:

“Prmjeet* hoje é um pastor. Ele se converteu em Punjabi e, nos últimos nove anos, serve ministerialmente à Igreja da Salvação em Madhpuri – na cidade de Bijnor, em Uttar Pradesh. Ele estava pregando em um culto doméstico a parentes da família anfitriã, quando alguns hindus entraram e começaram a espancá-lo. Eles jogaram gasolina em sua cabeça, provocando queimaduras em seu corpo. O pastor ele estava chorando por ajuda, mas ninguém parou para ajudá-lo”.

Pr. Rashphal (em pé à direita) ao lado de cristão queimado pelos radicais hindus que invadiram culto. (Foto: Divulgação/Rashphal)

Rashphal contou que quando ele e outros irmãos da igreja souberam, foram em socorro do pastor agredido e de outras vítimas. “Chegamos a eles e o levamos para o hospital. Agora ele está bem pela graça de Deus, mas precisamos de sua oração e sua família precisa de ajuda com as contas médicas e segurança”, disse.

Perseguição

A Índia tem sido considerada um dos países mais hostis aos cristãos. A violência que atinge os missionários e cristãos, explica Anderson, porque os convertidos abandonam todos os demais deuses, passando a servir unicamente a Jesus.

“Os cristãos sofrem uma perseguição muito grande porque a Índia é um país super idólatra, eles têm milhões de deuses. Lá a pessoa pode ser um hindu e adorar outros tipos de deuses, mas aquele que se torna cristão abre mão de todos os outros deuses, abandona o hinduísmo, abandona tudo e para ser exclusivamente cristão”, explica Anderson.

O secretário de Missões dia que esse tipo de atitude se torna inaceitável para os radicais hindus. “Eles ficam revoltados com os cristãos. As outras religiões não sofrem os mesmos ataques porque as pessoas continuam em suas idolatrias. Mas a implicância deles com os cristãos é porque quando alguém se converte, abandona tudo para servir Jesus”, esclarece.

Cristã indiana atacada em culto doméstico. (Foto: Divulgação/Rashphal)

Segundo país mais populoso do mundo, com 1,2 bilhão de habitantes, a Índia tem apenas 5% de sua população cristã, somando evangélicos e católicos. “É uma porcentagem bem pequena de cristãos e a necessidade de se levar o Evangelho lá é muito grande”, mostra Anderson.

Servindo no ministério junto com a esposa, Núbia Rosa, Anderson conta que, além dos missionários na Índia, atualmente o Departamento de Missões apoia trabalhos missionários no Haiti, Moçambique, Guiné Bissau e Malawi.

“A gente tem procurado ajudar estes missionários com as ferramentas que Deus nos deu, basicamente esse é o nosso trabalho”, resume Anderson.

* Nomes dos cristãos indianos foram modificados por segurança.

veja também