Andrew Brunson diz que um “tsunami de oração” caiu sobre a Turquia durante sua prisão

Durante o jantar pelo Dia Nacional de Oração, o pastor disse acreditar que haverá grande colheita naquele país.

fonte: Guiame, com informações da BPNews

Atualizado: Segunda-feira, 6 Maio de 2019 as 12:49

Pastor Andrew Brunson (primeiro plano à direita) e sua esposa Norine (primeiro plano do centro) oraram com líderes em um jantar de 1º de maio, antes do Dia Nacional de Oração. (Foto: Reprodução/John Phillips)
Pastor Andrew Brunson (primeiro plano à direita) e sua esposa Norine (primeiro plano do centro) oraram com líderes em um jantar de 1º de maio, antes do Dia Nacional de Oração. (Foto: Reprodução/John Phillips)

O pastor Andrew Brunson ficou preso na Turquia, onde foi sentenciado a cumprir prisão perpétua por falsas acusações de terrorismo e espionagem, pelo regime do presidente Recep Tayyip Erdogan, que pretendia trocar o pastor por um clérigo muçulmano nos EUA acusado pela Turquia de ser o mentor do golpe fracassado de 2016.

Durante o jantar pré-Dia Nacional de Oração, noite de 1º de maio, em Washington, ao apresentar Andrew Brunson, um pastor usou o termo “tsunami de oração”, dito por Brunson logo após sua libertação.

O pastor disse que “Deus deu origem a um ‘tsunami de oração’ através da prisão do pastor Andrew Brunson que ficou em uma prisão turca por causa de sua fé”. O evento reuniu centenas de líderes cristãos no Museu da Bíblia.

“Eu gosto de dizer que fiz uma onda de oração fora da Turquia no momento certo, quando Deus havia terminado o que queria realizar através da minha prisão”, disse Brunson, que ficou na prisão durante dois anos até sua libertação em outubro de 2018.

“Suas orações me trouxeram para fora”, disse Brunson. “Mas havia algo maior que Deus estava fazendo. Houve um tsunami de orações caindo sobre a Turquia.”

Brunson foi o preletor e liderou um segmento de oração na observância nacional do Dia Nacional de Oração, após diversas reuniões locais de oração em todo o país. Segundo informações da BPNews, “Love One Another” (Ameis uns aos outros ) é o tema deste ano, baseado em João 13:34.

Oração

O Dia Nacional de Oração é um dos mais importantes eventos cristãos dos EUA. Ele esteve nos trendings topics (tópicos de tendências) nas mídias sociais com as hastags #nationaldayofprayer e # love1another, alcançando o primeiro lugar no Twitter, acumulando mais de 86 milhões de impressões às 15h00.

Participantes do jantar, o vice-presidente Mike Pence e sua esposa Karen representaram o presidente Donald Trump.

“Eu queria agradecer a todos vocês por seu firme apoio a esta tradição do Dia Nacional de Oração e por seus esforços, ano após ano, para mobilizar uma oração pública unificada pela América”, disse Pence.

“Eu sei que suas orações neste dia e as orações de milhões de americanos em todo o país chegarão ao Céu, Sua santa morada, e as orações dos americanos no Dia Nacional de Oração serão uma bênção para os Estados Unidos da América”, falou.

Pence relembrou a libertação de Brunson da Turquia, onde autoridades supostamente prenderam o pastor presbiteriano por causa de sua fé, mas o acusaram de espionagem e minaram a ordem constitucional do Estado. “O testemunho e fé de Brunson impactou as pessoas em todo o país e em todo o mundo”, disse Pence.

Brunson explicou que a religião muçulmana é forte na Turquia, a antiga sede do Império Otomano.

“Eu acredito que Deus estava estabelecendo um confronto”, Brunson disse. “Acho que vamos ver a colheita. Espero ver isso na minha vida”.

Sua esposa Norine comparou a situação aos filhos de Israel, que reuniram os espólios de guerra após a vitória na batalha. “Andrew não só saiu, mas haverá uma virada massiva para o Senhor nos próximos anos”, acredita Norine.

Esperança pela oração

Brunson contou no jantar que lutou para permanecer fiel a Deus durante seu confinamento, enfrentando desafios maiores após cada triunfo.

“Por anos eu corri atrás da presença de Deus, e já provei muitas vezes. E então na prisão é como se tudo tivesse acabado”, disse Brunson.

Ele perguntava: “Onde você está Deus?”. E concluia: “Deus parece estar em silêncio, não sinto a presença dele, sei que houve graça quando olho para trás”.

“Eu estava tão fraco, que sem a graça eu não teria conseguido”, disse Brunson, que passou um tempo em confinamento solitário antes de ser transferido para uma instalação de segurança máxima. “Mas não foi uma graça sentida, e isso realmente me surpreendeu. Eu estava realmente quebrado de novo e de novo.”

Por um tempo, Norine teve permissão para visitá-lo por 35 minutos a cada semana, os dois separados por vidro.

“Eu tentei orar de acordo com as palavras da promessa que o Senhor nos deu especificamente ao longo dos anos”, disse Norine. “Eu tentei me alinhar com elas e reivindicá-las, e orar através delas”, contou.

Norine imaginou-se a “filha de um rei” indo para a prisão “para visitar um filho de um rei”, disse Brunson, “e ela levantava a cabeça para o alto”.

“Toda semana, Norine me dizia que as pessoas continuavam orando por mim e que, na verdade, aquele movimento estava crescendo”, disse Brunson. “Saber que você estava orando por mim é realmente o que me fez passar de semana a semana.”

Ao longo de suas lutas e crises de fé, Brunson continuou falando com Deus e buscando Sua face, disse ele, “retornando a Ele repetidas vezes”.

Brunson disse que “entre as lições aprendidas está a primazia da comunhão com Deus, fazendo referência ao Maior Mandamento”.

“A necessidade fundamental que temos, o fundamental e mais importante é essa devoção, intimidade”, disse Brunson. “E Jesus disse que é a coisa mais importante [em Sua Palavra]. E ainda assim, muitas vezes nos afastamos dela.”

veja também