Cultos e vigílias são realizados por capelães após atentado em Uvalde

Dezenas de capelães das Assembleias de Deus chegaram à comunidade de 16 mil habitantes, no Texas.

Fonte: Guiame, com informações do AG NewsAtualizado: sexta-feira, 27 de maio de 2022 17:43
Culto no Templo Cristiano, em Uvalde, em apoio aos familiares das vítimas do atentado. (Captura de tela Facebook Templo Cristiano)
Culto no Templo Cristiano, em Uvalde, em apoio aos familiares das vítimas do atentado. (Captura de tela Facebook Templo Cristiano)

O atentado à cidade de Uvalde, no Texas, foi o segundo pior dos Estados Unidos em número de vítimas. Um atirador matou 19 crianças do ensino fundamental e dois professores, deixando outras 17 crianças e adultos também feridos na terça-feira (24).

Uvalde é uma cidade relativamente pequena de 16.000 habitantes localizada a 130 quilômetros a oeste de San Antonio.

Além da solidariedade e apoio que as famílias das vítimas têm recebido, diversas equipes de capelães das Assembleias de Deus chegaram a Uvalde para se juntar a Joe Ruiz, pastor do Templo Cristiano (AG).

O grupo ministrará à pequena comunidade que ainda sofre com as consequências do terrível ataque.

Terry Hunt, capelão e líder da equipe do 461 Response, um ministério de Capelania AG e o capelão Mike Bingaman já chegaram ao local.

Mais cinco membros da equipe estão a caminho com outros integrantes da equipe de resposta da Capelania chegando nos próximos dias e semanas.

Resposta rápida

Segundo o diretor sênior do os Ministérios da Capelania, Manuel Cordero, a administração do hospital em Uvalde se reuniu com o superintendente do distrito hispânico do Golfo do Texas, Edward De La Rosa, pedindo que capelães fossem enviados para ministrar.

O capelão Mike Reighard, diretor nacional da Equipe de Resposta 461 da Capelania para Gerenciamento de Estresse em Incidentes Críticos (CISM), diz que, por meio do Banco de Dados de Resposta 461, eles conseguiram formar rapidamente uma equipe para responder. No entanto, ele observa que, além das necessidades de resposta imediata, haverá necessidade de CISM nas próximas semanas.

“Queremos estar presentes em todas as fases à medida que o trauma se desenrola na vida das pessoas”, diz Reighard.

O pastor Joe Ruiz que dirige o Templo Cristiano (AG) em Uvalde há cerca de três anos, concorda. Ele entende que a jornada para a recuperação de muitas pessoas ainda nem começou.

“As pessoas ainda estão tentando processar o que aconteceu”, diz Ruiz. “Em nossa igreja, tivemos um menino que foi baleado no ombro, mas passou por uma cirurgia e está indo bem. Mas também tivemos um membro que perdeu duas sobrinhas [no tiroteio].”

Trazendo as coisas ainda mais perto de casa, Ruiz diz que a esposa de seu primo, Eva Mireles Ruiz – que está sendo chamada de heroína por muitos por supostamente proteger seus alunos durante o ataque – foi uma das professoras mortas.

“[Ruben, marido de Eva] é policial da escola, mas seu escritório fica na escola”, diz Joe Ruiz. “Sua esposa ligou para ele e disse que havia um atirador; então ela ligou para ele novamente e disse que tinha sido baleada e estava morrendo. Ele correu para a escola primária e outro oficial teve que derrubá-lo porque ele estava entrando para salvar sua esposa. . . balas estavam voando ao seu redor e ele não tinha nenhum equipamento de proteção.”

Atenção aos familiares

Reighard diz que, além dos ministros e membros da AG, o foco principal da equipe de resposta será aos familiares e socorristas, especialmente policiais e funcionários do hospital, cujas responsabilidades os colocaram cara a cara com o impensável.

“Fizemos uma vigília de oração ontem à noite”, diz Ruiz, cuja igreja oferece cultos em espanhol e inglês com cerca de 160 participantes no total. “Bem mais de 100 pessoas estavam lá.”

Embora muitas organizações já estejam em Uvalde, fornecendo alimentos e finanças, muita reflexão está ocorrendo.

“É tão novo agora, as pessoas estão tentando processar o que realmente aconteceu, por que aconteceu, não deveria ter acontecido, nós nos conhecemos e pensamos que cuidávamos um do outro”, diz Ruiz. “A oração é o que é mais necessário neste momento.”

Ruiz também acredita que Deus tem um propósito na vida dele e de sua esposa, Norma, em Uvalde. Ele diz que eles têm uma compreensão da dor que muitos pais e outros estão experimentando.

“Há dez meses, nosso filho morreu em um acidente de moto”, diz Ruiz. “Acordei às 4 da manhã, apenas processando tudo, e isso trouxe de volta a dor do que passamos... e Deus falou ao meu coração, que Ele deu força para mim e minha esposa [para superar] e agora podemos trabalhar e entender melhor a dor e as necessidades daqueles que sofrem a perda aqui em Uvalde.”

Assista:

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições