Sobrevivente do comunismo se torna pastor e volta ao Camboja para ajudar igrejas

Desde o genocídio no Camboja, milhares de sobreviventes e até membros do Khmer Vermelho se converteram ao cristianismo.

Fonte: Guiame, com informações do NationsAtualizado: segunda-feira, 10 de janeiro de 2022 17:45
Joe Kong durante pregação no Camboja. (Captura de tela Emunah Project, Sin Somnang)
Joe Kong durante pregação no Camboja. (Captura de tela Emunah Project, Sin Somnang)

Joe Kong era um oficial do alto escalão do governo que, junto com sua família, acabou na mira do partido comunista invasor, no Camboja. Naquela época, em 1970, o genocídio cambojano havia apenas começado.

Joe conseguiu fugir de sua casa, escapando pelo rio Mekong e pelas selvas cambojanas, em busca de segurança dos radicais que transformaram aldeias pacíficas em zonas de guerra.

Como líder do Departamento de Agricultura, Joe estava no topo da lista de alvos do Khmer Vermelho. Com medo de ser reconhecido, ele e alguns colegas se disfarçaram de mineiros de carvão e sobreviveram em pânico implacável por três dias enquanto corriam em direção a Phnom Penh, capital cambojana.

Encoberto pelo medo e desesperado por alívio, Joe clamou a Deus, qualquer deus, sem saber que o verdadeiro Senhor já lutava por ele.

Assim que chegou à capital, Joe não teve outra escolha a não ser manter seu emprego. Ele e sua família permaneceram no Camboja não por devoção ao país, mas por temer por suas vidas. Por cinco anos, Joe trabalhou em Phnom Penh até ser escolhido para representar o Camboja no Comitê Mekong das Nações Unidas na Tailândia.

O futuro de Joe e o de sua família estava prestes a mudar dramaticamente.

Deus agindo

O aeroporto havia se tornado uma terra de ninguém e o único avião disponível tinha exatamente sete lugares vagos (para ele e sua família). O piloto, não querendo decolar dadas as circunstâncias, finalmente cedeu à imploração de Joe e correu com ele e sua família para fora da pista, esperando que qualquer bomba não os acertasse.

Joe, sua esposa e seus cinco filhos pousaram em segurança na Tailândia. Três semanas depois, em 17 de abril de 1975, o Camboja caiu nas mãos do Khmer Vermelho e a maioria dos funcionários do governo foi capturada, torturada e assassinada.

Até hoje, Joe está surpreso por ter sobrevivido. Ele não sabia, mas Jesus o entregou a ele a vitória da vida não apenas como um sobrevivente, mas como um filho escolhido e amado de Deus.

Vida para Cristo

Sem casa e desesperado por segurança, Joe declarou a si mesmo e sua família como refugiados nos Estados Unidos. Eles finalmente chegaram a Salem, Oregon de mãos vazias e determinados, mas ainda desanimados.

O trauma da queda de seu povo e a quase fuga de sua família do genocídio deixaram Joe se sentindo preso. Mais do que tudo, ele queria se livrar do medo. Ao saber que Joe não conseguiu encontrar uma casa grande o suficiente para alugar para sua família, uma igreja local estendeu a mão com os recursos de que dispunham.

Nesse gesto de bondade, Joe viu, pela primeira vez, o amor de Deus. Ele encontrou a liberdade que procurava. Ele conheceu a mão que o salvou e entregou sua vida a Cristo.

“Agradeço ao Senhor todos os dias por me salvar”, diz ele. “Enquanto eu viver, quero servir a Deus custe o que custar.”

Servindo aos irmãos

Joe passou a trabalhar para a Christian and Missionary Alliance (CMA) como líder da igreja cambojana nos Estados Unidos. Após 11 anos como Diretor Nacional do CMA para o Ministério Internacional, Joe sentiu um chamado de volta ao Camboja.

Muitos líderes da igreja local se sentiam sozinhos em suas missões e contataram Joe para ajudá-los, ao saber sobre sua experiência e educação no Camboja, que seriam o apoio exato de que precisavam. Embora Joe sentisse os sintomas do trauma surgirem ao pensar em voltar para casa, ele sabia que precisava ir.

Agora Joe e sua esposa Kay, junto com muitos outros sobreviventes do Khmer Vermelho, estão restabelecendo uma geração de líderes cambojanos que o genocídio levou. A igreja está crescendo à medida que a nação se cura. Ainda assim, quase 50 por cento do país tem menos de 25 anos, e a igreja sente as consequências da falta de mentores dos jovens líderes.

Promessa

“Bem-aventurados os perseguidos, porque deles é o reino dos céus”. Para Joe e muitos crentes no Camboja, esta promessa em Mateus 5 significa muito mais do que recompensas eternas. Essa herança sagrada significa uma proximidade terrena de Deus que somente a adversidade pode conceder.

O sofrimento está além da nossa compreensão. Mas, para muitos do outro lado, o arrependimento e o sofrimento dificilmente são amigos. Depois de passar fome, tortura, trabalhos forçados e espancamentos por desobediência, o povo cambojano estava exausto de tudo, exceto de um desespero por esperança. Para alguns, Jesus se tornou sua prorrogação.

“As pessoas voltaram para suas vilas como embaixadores de Cristo”, disse Joe. “Deus usou a guerra para trazer pessoas a ele.”

Sobreviventes

Kieng Heck era uma menina quando o genocídio começou. Ela também fugiu para os campos de refugiados na Tailândia. Uma noite, enquanto descansava em um campo de arroz onde ela trabalhava, sua voz solitária juntou-se ao pôr do sol enquanto ela clamava a Deus.

A menina precisava de esperança e a encontrou em um estudo bíblico em seu acampamento. Ela agora mora nos Estados Unidos, plantando igrejas no Camboja.

Kieng retorna ao Camboja anualmente para liderar a educação sobre a saúde da mulher em todo o país e usa sua história para compartilhar a promessa de uma vida plena em Cristo.

Chanthan e Bounoeuy Kes também eram jovens quando o Khmer Vermelho os levou a trabalhos forçados. Separados de suas famílias, eles temiam por suas vidas enquanto viam outros morrerem de fome.

Depois de escapar, os dois fugiram separadamente para o mesmo campo de refugiados onde encontraram vida em Jesus. Logo, eles se mudaram para os Estados Unidos e se conheceram, só então perceberam que haviam se abrigado no mesmo campo.

Agora casados ​​e morando no Camboja novamente, eles servem como missionários em vilas rurais, testificando do poder de cura da redenção.

Testemunhas do poder de Deus

Hoje, os jovens cambojanos, ilesos pelo genocídio, estão amadurecidos na história de seu povo, estão entusiasmados e apaixonados pela responsabilidade que têm diante de si.

Joe e Kay - agora no final de suas carreiras - testemunham uma nova geração emergir com confiança para se manter por conta própria, com poderes para revitalizar a igreja no Camboja.

Desde o genocídio no Camboja, milhares de sobreviventes e até membros do Khmer Vermelho se converteram ao cristianismo.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições