Aplicativo bíblico com 10 milhões de downloads é censurado, na China

O WeDevote foi bloqueado e retirado da maioria das lojas de aplicativos nacionais.

fonte: Guiame, com informações do WNG

Atualizado: Terça-feira, 15 Outubro de 2019 as 10:13

Levi Fan, cofundador do WeDevote; no destaque o logotipo do aplicativo.. (Foto: John Fredricks/Genesis)
Levi Fan, cofundador do WeDevote; no destaque o logotipo do aplicativo.. (Foto: John Fredricks/Genesis)

Em julho, um aplicativo bíblico chinês com 6 anos de existência chamado WeDevote teve um grande marco: 10 milhões de instalações. Com seu design elegante, respeito pelos direitos autorais e planos e devocionais de leitura da Bíblia, o WeDevote se destaca de outros aplicativos da Bíblia para smartphones e tablets disponíveis na China.

O aplicativo é um recurso muito necessário para os cristãos chineses. Quase todos os usuários do WeDevote são da China continental, onde funcionários do governo recentemente dificultaram a compra de cópias físicas da Bíblia. Oficialmente, a Bíblia na China pode ser vendida apenas em igrejas Three-self, sancionadas pelo governo.

Porém, embora o cofundador da WeDevote, Levi Fan, tenha se orgulhado do 10 milhões de downloads no dia 6 de julho, a celebração durou pouco. Em uma semana, os censores comunistas haviam bloqueado o acesso chinês ao site da WeDevote e retirado o aplicativo da maioria das lojas de aplicativos nacionais.

Não foi a primeira vez que eles procuraram o aplicativo bíblico mais popular da China. Desde que Fan e outros dois amigos lançaram o WeDevote de Pequim em 2013, as autoridades chinesas monitoraram seu crescimento, intimidaram Fan e tentaram desligar o aplicativo. É provável que a pressão continue.

No entanto, Fan acredita que Deus está do lado de sua equipe. "No ambiente de aperto da China, pessoas de fora pensaram que não havia como criar esse aplicativo e sobreviver", ele me disse. "Mas conseguimos fazê-lo."

Pressão

Desde que o governo comunista da China promulgou novas regulamentações religiosas no início do ano passado, as autoridades reprimiram cada vez mais as atividades religiosas. Durante anos, as regras de vendas impressas da Bíblia não foram aplicadas, e os cristãos chineses podiam encontrar Bíblias em sites de comércio eletrônico ou em livrarias cristãs. Mas o governo começou a fazer cumprir a lei e, em março, varejistas on-line pararam de vender Bíblias.

As autoridades fecharam as livrarias cristãs e os editores cristãos estão tendo dificuldade em publicar livros cristãos no continente. Fan observou que, embora os crentes ainda possam comprar Bíblias em igrejas Three-self, muitos cristãos vivem longe dessas igrejas, que geralmente não carregam muitas versões diferentes da Bíblia.

A mídia cristã on-line também sentiu o aperto. Após o lançamento no ano passado de um projeto de lei que regulava informações religiosas não registradas on-line, o governo está fechando os canais cristãos no WeChat e em outros aplicativos e sites de redes sociais.

O WeDevote está entre os mais recentes alvos do corte.

Criação do aplicativo

Fan e dois outros cristãos de Pequim tiveram a ideia do WeDevote em 2010, pois viram a necessidade de aplicativos bíblicos na China.

Na época, os usuários chineses que baixaram o YouVersion - um aplicativo popular da Bíblia criado por uma igreja de Oklahoma - descobriram que o programa estava travando devido ao governo chinês bloquear o servidor do aplicativo.

Outros aplicativos da Bíblia baseados no continente chinês foram mal projetados. Eles também usaram conteúdo extraído de outras fontes sem permissão e sem controle de qualidade. "Como usuário, você não sabia qual material era teologicamente certo ou errado", disse Fan.

A princípio, Fan e seus parceiros tentaram terceirizar a criação do aplicativo, mas não estavam satisfeitos com os resultados. Em 2012, quando Fan deixou o emprego em uma startup de tecnologia para frequentar o seminário, um amigo pediu que ele considerasse servir a Deus, liderando uma equipe para desenvolver o aplicativo da Bíblia. Fan concordou, adiando o seminário por dois anos para trabalhar em WeDevote.

Ele queria que o design do aplicativo fosse esteticamente agradável, para que as pessoas quisessem abri-lo e ler a Bíblia. Sua equipe fez parceria com vários editores da Bíblia para incluir várias traduções da Bíblia em chinês e inglês, respeitando as leis de direitos autorais e pagando royalties. Para garantir que o aplicativo aguentasse o imprevisível serviço de internet chinês, os designers disponibilizaram os recursos para que o aplicativo funcionasse offline.

A primeira versão para Android do WeDevote foi lançada em junho de 2013 e a versão para iPhone em julho. No mesmo mês, a loja de aplicativos Xiaomi listou o WeDevote como um de seus "aplicativos recomendados" na página inicial da loja. De repente, a equipe de fãs estava vendo mais de 8.000 downloads por dia.

Evangelismo digital

Esse impulso abriu os olhos de Fan para outra realidade: criar um aplicativo pode ser uma forma de evangelismo. "Na internet chinesa, há tantas pessoas que estão baixando aplicativos, mas existem muito poucos aplicativos religiosos", disse ele. “Quando estávamos na página inicial, foi uma oportunidade para muitas pessoas aprenderem sobre o evangelho.”

Até o final do ano, o WeDevote havia se tornado o principal aplicativo bíblico da China. Os desenvolvedores continuaram a expandir o aplicativo, adicionando devocionais, planos de leitura da Bíblia e comentários para ajudar os cristãos chineses a entender melhor a Bíblia e como ela se relaciona com a vida cotidiana. Eles pediram a pastores e teólogos que avaliassem a solidez teológica do conteúdo do aplicativo. Para financiar o aplicativo, os membros da equipe assumiram projetos paralelos e coletaram doações de empresas cristãs na China.

Problemas

Os problemas começaram em 2015. O Departamento de Segurança Pública de Pequim convidou Fan para uma conversa e perguntou sobre a empresa e de onde vinha seu financiamento. Um policial disse polidamente a Fan que os oficiais estavam monitorando tudo sobre ele: eles sabiam dos artigos que sua esposa havia escrito em uma conta do Christian WeChat e da nova casa que haviam comprado. Fan sentiu medo e, à noite, teve pesadelos ao ser jogado na prisão.

"Era desconfortável saber que eles sabiam tudo, mas como a igreja doméstica chinesa enfrentou essa perseguição no passado, isso não era estranho para mim", disse Fan. Todas as manhãs, os membros da equipe WeDevote oram e leem um salmo juntos. Toda terça-feira realizam uma reunião de oração de duas horas. “Isso nos ajudou a nos aproximar de Deus. Percebemos que não podíamos fazer isso sozinhos e precisávamos orar mais".

As autoridades pediram que Fan desligasse o WeDevote, caso contrário, eles acusariam a empresa de criar um aplicativo ilegal porque não tinha um número de registro. A maioria dos aplicativos chineses não está registrada, mas a Fan sabia que o WeDevote provavelmente estava sendo pressionado por causa de seu conteúdo cristão. Então, sua equipe decidiu desligar o aplicativo e fechar a empresa de Pequim.

Mas eles estavam preparados para esta situação: vários meses antes, haviam criado outra empresa em Hong Kong. Eles foram capazes de transferir a propriedade da WeDevote para a empresa de Hong Kong e colocar o aplicativo novamente online.

A WeDevote não enfrentou mais problemas até julho deste ano, quando as autoridades cortaram o acesso ao site e o lavaram em todas as lojas domésticas do Android. Embora o aplicativo ainda esteja disponível na App Store da Apple, a maioria dos cidadãos chineses usa smartphones domésticos baseados no Android, como Huawei, Oppo, Vivo e Xiaomi.

Ninguém informou Fan por que o WeDevote foi removido das lojas de aplicativos. Ele suspeita que o governo tenha agido por causa da sua crescente influência e popularidade.

Até o final do ano, o WeDevote havia se tornado o principal aplicativo bíblico da China. Os desenvolvedores continuaram a expandir o aplicativo, adicionando devocionais, planos de leitura da Bíblia e comentários para ajudar os cristãos chineses a entender melhor a Bíblia e como ela se relaciona com a vida cotidiana.

Eles pediram a pastores e teólogos que avaliassem a solidez teológica do conteúdo do aplicativo. Para financiar o aplicativo, os membros da equipe assumiram projetos paralelos e coletaram doações de empresas cristãs na China.

veja também