Crianças e pessoas com deficiência mental vão para o céu? Estudioso responde

John Knight analisa a questão com base nas Escrituras e por experiências com seu filho, que vive com múltiplas deficiências.

Fonte: Guiame, com informações do Desiring GodAtualizado: segunda-feira, 25 de abril de 2022 13:14
John Knight escreveu um artigo para responder à pergunta: “Meu filho irá para o céu?”. (Foto: Vic_B / Pixabay)
John Knight escreveu um artigo para responder à pergunta: “Meu filho irá para o céu?”. (Foto: Vic_B / Pixabay)

Em resposta à pergunta “Meu filho irá para o céu?”, sobre qual o destino de bebês, crianças e pessoas com deficiência mental após a morte, John Knight escreveu um artigo onde analisa a questão.

Knight se tornou estudioso do assunto a partir de sua experiência pessoal com o filho Paul, que vive com múltiplas deficiências, incluindo cegueira, autismo, deficiências cognitivas e um distúrbio convulsivo.

Voluntário da Desiring God, Knight escreve sobre deficiência, a Bíblia e a igreja em The Works of God. Recentemente, ele fez um artigo para responder a um pai se o filho deficiente iria para o céu.

“O pai se engasgou com as palavras enquanto falava sobre seu filho com deficiência intelectual profunda. O menino mal conseguia se comunicar sobre suas necessidades básicas e não tinha capacidade de articular uma compreensão do evangelho”, conta Knight.

Diante da questão, Knight pergunta: “O que você responder a esse pai? Ou para aos que vivenciaram a morte de um bebê?”.

Em sua “Afirmação de Fé”, a Desiring God traz a resposta. Com base nela, Knight afirma que “a graça de Deus cobre bebês que morrem e pessoas com deficiências intelectuais profundas ou graves”.

Mas o texto deixa claro: “Não cremos que haja salvação por qualquer outro meio que não seja o recebimento do evangelho pelo poder do Espírito Santo, exceto que crianças e pessoas com deficiência intelectual grave com mentes fisicamente incapazes de compreender o evangelho possam ser salvas.”

Knight reforça que a condição de que todos precisam de Jesus para herdar o reino de Deus, afastando a ideia de que bebês ou pessoas com deficiência intelectual profunda são inocentes, ou que de alguma forma mereceram o perdão em si mesmos.

“A Bíblia é clara que toda a humanidade foi manchada pelo pecado (Romanos 3:23), e suportará as consequências do pecado, a menos que seja salva pela graça imerecida de Jesus Cristo (Romanos 6:23)”.

Antes de responder à questão central, Knight pergunta: “Então, qual é a base para esta afirmação? Estamos permitindo que o sentimento guie em vez das Escrituras?

A resposta flui da palavra de Deus – e especialmente das palavras de Paulo em Romanos 1:19-20:

“O que pode ser conhecido sobre Deus é claro para eles, porque Deus mostrou a eles. Pois seus atributos invisíveis, a saber, seu poder eterno e natureza divina, foram claramente percebidos, desde a criação do mundo, nas coisas que foram feitas. Então eles estão sem desculpa”.

Então, pergunta Knight, o que deixa os humanos sem uma desculpa diante de Deus? “Segundo Paulo, a capacidade de perceber os atributos invisíveis de Deus na criação”.

Para esclarecer melhor a questão, Knight cita uma explicação de John Piper:

“A humanidade parece ter uma desculpa se não tivesse visto claramente na natureza como Deus é. E assim, porque eu não acho que os bebês podem processar a natureza e tirar conclusões sobre a graça, glória ou justiça de Deus, parece que eles se enquadram na categoria de ainda ter uma desculpa. [...] Deus não os condenará porque deseja manifestar aberta e publicamente que não condena aqueles que não têm capacidade mental para depositar sua fé nele”.

Knight diz que se pode considerar outras passagens ao lado de Romanos 1, como Eclesiastes e Jó, por exemplo, que parecem sugerir que as crianças nascidas mortas entram em um estado de descanso, não de condenação, quando passam deste mundo (Eclesiastes 6:3-6; Jó 3:11-19).

“Mas Romanos 1 estabelece um fundamento suficientemente firme, a partir das Escrituras e não do sentimento, de que a graça de Deus cobre aqueles que nunca suprimiram a verdade de sua revelação (Romanos 1:18), porque não podiam percebê-la”, esclarece.

Conforto para cuidadores

Knight diz que essa mesma resposta serve para os adultos intelectualmente comprometidos, como é o caso de seu filho Paul, de 26 anos, cujo desenvolvimento equivale a de uma criança de 15 meses.

“Ele precisa de assistência em todas as necessidades básicas da vida; ele é completamente vulnerável e dependente dos outros. Ele é caro em todos os aspectos que podem ser medidos: financeiramente, relacionalmente, emocionalmente, espiritualmente, fisicamente”, explica.

“Minha única esperança e conforto é que algum dia ele será coberto pela graça de Deus ao entrar em seu descanso? Estou apenas aguentando até que ele (ou eu) morra e entre nesse descanso?”, diz

Citando o Salmo 139:13, Knight diz que Deus o criou no ventre de sua mãe, assim como qualquer outro ser humano, e Deus não se envergonha de tê-lo feito com deficiência, diz citando Êxodo 4:11.

“A promessa de Deus de suprir todas as necessidades dele e minhas está ancorada em Jesus”, diz, citando Filipenses 4:19.

Knight explica que seu filho, apesar da deficiência mental profunda, é um ser livre.

“Embora sua dependência seja contada contra ele na maioria das culturas do mundo, ele aborda a vida como Deus instrui todos nós a viver:

- Ele não tem ansiedade sobre o que vai comer ou vestir (Mateus 6:25-32).

- Ele não se preocupa com o amanhã ou vive com arrependimentos sobre seu passado (Mateus 6:34).

- Ele perdoa rápida e completamente; ele nunca guardou rancor (Mateus 6:14-15).

- Ele não mostra parcialidade em relação à etnia, educação ou riqueza (Tiago 2:1-7).

- Ele está completamente desembaraçado em sua dependência (2 Coríntios 12:9-10).

Ele vive mais livremente em suas limitações do que qualquer adulto ‘normal’ que conheço. E se Deus pretendesse sua vida apenas como um exemplo para a igreja, isso seria suficiente”, declara.

Fraco, mas indispensável

Knight traz o ensinamento do apóstolo Paulo sobre o poder de Deus através da fraqueza, resumido em 1 Coríntios 12:22: “As partes do corpo que parecem mais fracas são indispensáveis”.

Ele reforça seu ponto de vista, ao trazer uma observação de Piper sobre esta passagem.

“Paulo diz que eles ‘parecem’ ser mais fracos. Ele deixa em aberto se são ou não. Eles podem não ser. Mas eles parecem estar de um lado ou de outro. E ele diz que se eles parecem mais fracos para você, eles são, no entanto, necessários. Não opcional, mas necessário. Não apenas útil, mas necessário. Não talvez uma parte necessária do corpo, mas necessariamente uma parte necessária do corpo”.

“Meu filho é mais fraco em todos os sentidos – isso é observável. Mas e a obra do Espírito Santo em sua vida? O Espírito Santo não é limitado por nada, nem mesmo por seu próprio pecado e desobediência”, explica

“Houve um tempo em que ‘você estava morto em seus delitos e pecados em que andou’ (Efésios 2:1) e nunca poderia agradar a Deus (Romanos 8:8). Louvado seja Deus, ‘pela graça sois salvos’ (Efésios 2:5), se você está abraçando a Cristo como Salvador, Rei e Tesouro! É a mesma graça que cobre os bebês e aqueles que vivem com deficiências intelectuais graves”, afirma.

Knight traz ainda uma reflexão de Davi, que mostra a maneira pela qual o Espírito Santo usa crianças, ou qualquer pessoa que viva com a capacidade intelectual de uma criança, para sua glória:

“Da boca de bebês e crianças, você estabeleceu força por causa de seus inimigos, para acalmar o inimigo e o vingador.” (Salmo 8:2)

A maior coisa do mundo

Knight diz que a maior coisa do mundo é ser salvo. “Com base na palavra de Deus, podemos ter certeza de que a graça de Deus cobre os bebês que morrem e os deficientes intelectuais graves que vivem por décadas”.

Ele finaliza citando uma observação do teólogo D.A. Carson: “Não seja ‘pastoralmente insensível e teologicamente estúpido’ em relação às famílias que sofrem por causa da morte de uma criança, ou que vivem em uma cultura hostil para aqueles com deficiência intelectual (How Long, O Lord? 101). Em vez disso, abrace sua própria dependência de Deus, aprenda e confie na palavra de Deus para nós, ore por sabedoria e depois abrace com amor e carinho as famílias nessas circunstâncias, para a glória de Deus, a saúde de sua igreja e sua própria alegria.”

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições