‘Ele segurou em minha mão’, diz jovem com distúrbios neurológicos após visão de Deus

Erica Gomez testemunha sobre presença de Deus em momentos de aflição, após ser diagnosticada com severos distúrbios neurológicos.

Fonte: Guiame, com informações do PremierAtualizado: quinta-feira, 10 de fevereiro de 2022 10:47
Erica Gomez testemunha sobre presença de Deus em momentos de aflição. (Foto: Reprodução / Premier)
Erica Gomez testemunha sobre presença de Deus em momentos de aflição. (Foto: Reprodução / Premier)

Enquanto estava de férias na Suíça em junho de 2018, Erica Gomez sofreu uma convulsão. Ela foi levada às pressas para o hospital local, onde os médicos realizaram exames e uma série de punções lombares. Pouco tempo depois, ela começou a sentir dores nas costas em queimação e crises prolongadas de paralisia da cintura para baixo.

De volta ao Reino Unido, Erica foi ver seu médico. Na cirurgia, ela teve outra convulsão e ficou internada no hospital. Mas mesmo com a deterioração de sua condição, os médicos lutaram para chegar a um diagnóstico. Após meses de testes inconclusivos, Erica acabou sendo informada de que tinha um distúrbio neurológico degenerativo generalizado com o qual viveria pelo resto de sua vida.

Com apenas 22 anos de idade e na metade do mestrado em políticas públicas internacionais, ela se viu “acamada e incapaz de andar sem ajuda”. Além dos sintomas físicos – dores crônicas, cansaço, enxaquecas, convulsões e crises de paralisia – havia também a angústia mental:

“Eu sofria de depressão, ansiedade e desesperança”, diz ela. “Foi difícil… um ano horrível.”

Uma visão maravilhosa

A situação de Erica era mesmo difícil, ela não conseguia levar uma colher à boca sozinha e dependia de sua mãe, que também estava em tratamento para câncer de mama, para alimentá-la.

“Eu costumava ser uma pessoa muito ativa”, lembra ela. “Estar na universidade, estar com os amigos o tempo todo, ir à igreja. Então, ter tudo isso parado e ficar na cama com essa dor incapacitante... eu me sentia muito, muito triste”.

“Embora eu tentasse me encorajar com as Escrituras e a oração, parecia que a esperança estava saindo de mim”, revela.

Mas em seu momento mais sombrio, Erica teve uma visão de Deus: “Eu tive a mesma imagem repetidamente na minha cabeça. Caía de uma grande altura, despencando em direção a um poço de fogo. Mas no último minuto, um par de mãos me agarrava. Saía do fogo ilesa e não sentia cheiro de fumaça.”

Esta imagem recorrente, que Erica interpretou como Deus resgatando-a das garras do fogo, trouxe conforto a ela durante sua doença: “Deus apenas me tirou do meu desespero”, diz ela. “Ele está me segurando e, embora eu sinta que estive muito perto do fogo, não me queimei.”

Apesar dos problemas de saúde, Erica conseguiu se formar no final de 2018. “Eu passava cinco ou dez minutos tentando ler um livro didático e depois chorava de dor”, diz ela.

“Honestamente, não sei como fiz isso – além de Jesus – porque não há nenhuma maneira natural de que isso fosse possível.” Logo depois, ela conseguiu um estágio.

“Eu tinha muitos amigos que estavam se candidatando a emprego e ainda não haviam encontrado trabalho”, diz Erica, “mas Deus simplesmente fez isso para mim”.

Nas mãos dele

Trabalhar era difícil, mas Erica estava determinada. “Lembro-me de orar ao Senhor: 'Você pode simplesmente tirar a dor e me ajudar a passar o dia?' E não apenas no sentido de: 'Deixe-me passar das nove às cinco', mas realmente aproveitar minha vida”, diz ela.

Quando a pandemia de Covid chegou, novas oportunidades foram criadas para Erica. “Todo mundo estava trabalhando em casa”, diz ela. “Na verdade, eu não tive que sair de casa durante a maior parte do estágio, então isso foi ótimo para mim.”

Os cultos da igreja passaram a ser online e, como a maioria de nós, ela manteve contato com amigos e familiares via Zoom e FaceTime.

Hoje, Erica ainda vive com uma dor considerável. Ela precisa de muletas para percorrer distâncias curtas e tem deficiências cognitivas que afetam sua memória e compreensão. As convulsões e a paralisia são menos frequentes, mas sua condição tende a piorar à medida que o dia avança, o que significa que ela precisa comer cedo se quiser se alimentar sozinha e não pode sair à noite.

Socializar com amigos e outras atividades que a maioria dos vinte e poucos anos dá como garantidas geralmente estão além de seu alcance. “A única coisa que eu faria uma exceção é a igreja”, diz ela. “Não importa quanta dor eu esteja sentindo, eu vou para a igreja.”

Mas, apesar de tudo isso, ela continua teimosamente otimista em relação ao seu futuro e agradecida por tudo o que Deus fez: “Esta condição me deu muita coragem”, diz ela. “Eu costumava ser muito avessa ao risco, mas isso me mostrou que a vida tem potencial para ser muito curta. Então não perca seu tempo.”

Consultas subsequentes com médicos particulares questionaram o diagnóstico original de Erica. Mas, apesar da contínua incerteza em torno de sua saúde física, ela “desistiu de se estressar” sobre o que o futuro pode reservar.

“Em última análise, é com ele”, diz ela. “Deus tem uma lição para nós em cada experiência. Nenhuma mágoa ou dor é desperdiçada com Deus. Ele tem o poder de nos dar a beleza das cinzas. Ele me deu uma nova vida, uma nova esperança e alegria, e me tornou mais compassiva com os outros”.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições