‘Só quero ser treinador e fazer minhas orações’, diz técnico demitido por expressar sua fé

Os advogados de Joe Kennedy entraram com apelação à Suprema Corte para reverter punição ao treinador.

Fonte: Guiame, com informações do The Daily SignalAtualizado: quarta-feira, 8 de junho de 2022 16:14
Joe Kennedy foi demitido por fazer orações em campo. (Captura de tela The Daily Signal)
Joe Kennedy foi demitido por fazer orações em campo. (Captura de tela The Daily Signal)

O treinador Joe Kennedy está em um embate judicial desde que foi demitido de suas funções em uma escola americana por fazer orações após cada jogo.

Em uma entrevista ao The Daily Signal, Kennedy contou que em seu passado era “um garoto muito mau”, mas ao ter a oportunidade de treinar futebol na escola onde se formou, aquilo era como poder “pagar toda a dívida” por seu mau comportamento.

Kennedy, que está com 53 anos, diz que como treinador esperava ajudar a evitar que seus jogadores caíssem “nas mesmas armadilhas” que ele.

Mas aquela “oportunidade” acabou quando Kennedy foi forçado a escolher entre sua posição de treinador e sua fé. O ex-fuzileiro naval diz que “foi um acéfalo, e eu me levantei e lutei”. 

A luta de Kennedy pela fé começou em 2015, depois que ele foi assistente técnico na Bremerton High School, uma escola pública a cerca de 48 quilômetros a oeste de Seattle, durante sete anos. 

Ele lembra que desde que começou a treinar os alunos, em 2008, fez uma aliança com Deus de que se ajoelharia em oração e ação de graças ao final de cada jogo. 

Joe Kennedy luta na justiça por retorno a emprego. (Captura de tela The Daily Signal)

“Não me lembro de nada sobre a primeira vez que me ajoelhei, porque não foi grande coisa”, disse Kennedy ao The Daily Signal, que produziu um documentário sobre seu caso. “Era apenas eu indo lá e me ajoelhando sozinho, agradecendo o que os jogadores fizeram e … fazendo parte disso.”

Algum tempo depois, os jogadores de futebol questionaram sobre a postura de Kennedy na linha de 50 jardas ao final de cada jogo. 

Quando souberam os motivos do treinador, eles perguntaram se poderiam se juntar a ele, e logo a oração pós-jogo se tornou uma tradição para o time. Nesses momentos, Kennedy também fazia um breve discurso motivacional para seus jogadores. 

O treinador conta que nenhum pai ou aluno reclamava sobre as orações pós-jogo.

Mudanças

Em 2015, ao saber das orações comandadas pelo treinador, o Distrito Escolar de Bremerton disse a Kennedy que ele não podia mais orar com os alunos

“Foi muito simples para mim concordar com eles e dizer: 'Isso não é um problema'. Nunca mais orei com as crianças”, lembra Kennedy. 

Kennedy continuou a orar sozinho após os jogos, diz ele, em continuidade à aliança que fez com Deus, mas logo “advogados da escola se envolveram”. 

Kennedy conta que os supervisores disseram que ele “não poderia mais orar sozinho se as pessoas pudessem me ver”. “E foi aí que eu tive que traçar uma linha”, diz. 

O distrito escolar colocou Kennedy em licença administrativa porque ele se recusou a parar de se ajoelhar em oração após os jogos de futebol. Ele conta que quando chegou o momento de renovar seu contrato de trabalho, sua avaliação de fim de ano dizia “em letras grandes e em negrito... 'Não recontrate'”. 

Punição por orar

“O treinador Kennedy foi demitido porque queria se ajoelhar em oração privada na linha de 50 jardas à vista dos alunos”, disse Jeremy Dys, advogado do First Liberty Institute, uma organização legal nacional que protege a liberdade religiosa que representa Kennedy.

Joe Kennedy em seu momento de oração no campo. (Captura de tela The Daily Signal)

O treinador diz que decidiu entrar com uma ação contra o Distrito Escolar de Bremerton quando “percebeu que eu não seria capaz de vencer isso sozinho”.

“Não havia mais como eu falar com o distrito escolar”, lembra Kennedy. “Os advogados deles disseram que eu não deveria entrar em contato com a escola ou com qualquer pessoa da escola, a menos que fosse através dos advogados.” 

Depois que o Tribunal de Apelações do 9º Circuito decidiu a favor do Distrito Escolar de Bremerton, Kennedy e seus advogados da First Liberty apelaram para a Suprema Corte

A alta corte ouviu argumentos no caso de Kennedy em 25 de abril. 

Defesa de direitos constitucionais

Funcionários do governo “ainda têm o direito de viver suas vidas”, disse Kelly Shackelford, conselheira-chefe, presidente e CEO da First Liberty, ao The Daily Signal do lado de fora do prédio da Suprema Corte após os argumentos. “Eles podem ir à igreja, podem falar, podem orar e nunca devemos permitir que o governo os puna por fazer isso.” 

Richard Katskee, advogado que é vice-presidente e diretor jurídico da Americans United for the Separation of Church and State, representou o Distrito Escolar de Bremerton perante o tribunal superior.

Katskee disse ao The Daily Signal que o distrito escolar público “fez o que as escolas em todos os lugares deveriam fazer: respeitou os direitos e a liberdade religiosa de todos os seus alunos”. 

Os juízes tiveram que considerar várias questões importantes, escreveu Sarah Parshall Perry, pesquisadora jurídica sênior da The Heritage Foundation, em abril para o The Daily Signal, a organização de notícias multimídia do think tank:

As perguntas que os juízes enfrentam são as seguintes: Quando um funcionário de uma escola pública faz uma oração breve e silenciosa por si mesmo enquanto está na escola e visível para os alunos, ele está envolvido em um discurso do governo que não tem qualquer proteção da Primeira Emenda? E se não, supondo que esse tipo de expressão religiosa seja privada e protegida pela Primeira Emenda, a cláusula de estabelecimento da Constituição exige que a escola pública a proíba de qualquer maneira?

Espera-se que a Suprema Corte responda a essas perguntas em uma decisão prevista para junho.  

Kennedy diz que tudo o que espera da Suprema Corte é uma decisão que lhe permita ser treinador e fazer suas orações após cada partida. 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições