MENU

Israel

Israel facilita acesso ao aborto em resposta à decisão dos EUA

Após 49 anos, o dispositivo Roe vs Wade foi suspenso pela Suprema Corte americana, deixando a decisão sobre o aborto para os estados.

Fonte: Guiame, com informações do The GuardianAtualizado: quarta-feira, 29 de junho de 2022 12:32
Protesto perante a Suprema Corte em 24 de junho de 2022, Roe v. Wade. (Foto: Reprodução / Wikipedia)
Protesto perante a Suprema Corte em 24 de junho de 2022, Roe v. Wade. (Foto: Reprodução / Wikipedia)

A suspensão do aborto nos EUA, sustentado pelo dispositivo Roe vs. Wade, criado em 1973 e válido nacionalmente, leva Israel a flexibilizar seus regulamentos sobre o acesso ao procedimento.

Aprovadas por uma comissão parlamentar, as novas regras concedem às mulheres acesso a pílulas abortivas por meio do sistema de saúde universal do país. Elas também removem uma antiga exigência de que as elas compareçam fisicamente a uma comissão especial antes de poderem interromper uma gravidez.

Segundo o ministro da Saúde israelense, Nitzan Horowitz, essa é uma resposta à “triste” decisão da Suprema Corte dos EUA.

Horowitz disse que a decisão dos EUA fez retroceder o relógio para os direitos das mulheres.

“Uma mulher tem total direito sobre seu corpo”, disse ele. “A decisão escocesa de negar o direito de uma mulher de fazer uma escolha sobre seu próprio corpo é um triste processo de repressão às mulheres, colocando o líder do mundo livre e liberal 100 anos atrás.”

Facilitação

Em Israel, as mulheres têm acesso amplo ao aborto, embora não tenham direito automático ao procedimento.

Sob as novas regras, as grávidas israelenses terão acesso a pílulas abortivas em suas clínicas de saúde locais e não precisarão mais comparecer fisicamente a um comitê de aprovação do aborto, e o formulário de inscrição será encurtado e simplificado.

O processo será digitalizado e a exigência de um assistente social se tornará opcional. As novas regras entrarão em vigor em três meses.

“A reforma que aprovamos hoje criará um processo mais simples, mais respeitoso, avançado e que mantém o direito da mulher de tomar decisões sobre seu próprio corpo – um direito humano básico”, disse Horowitz.

Apoio à decisão do Suprema Corte

Enquanto estava sendo avaliada pelos juízes da Suprema Corte americana, os protestos contrários e favoráveis à decisão que havia sido vazada por meio de um relatório, se intensificaram no país.

Numerosos centros de serviços pró-vida têm sido alvo de violência desde que um projeto de opinião vazado da Suprema Corte se tornou público, indicando que o tribunal poderia derrubar Roe v. Wade.

Após a decisão ser confirmada, em 24 de junho de 2022, líderes cristãos se manifestaram em apoio ao veredito do Tribunal.

Lila Rose, presidente e fundadora da Live Action, escreveu em um tuíte onde afirma que ainda há muito a fazer para que o aborto não seja permitido no país, uma vez que a decisão devolveu aos estados essa questão: “Nosso trabalho está apenas começando”.

O pastor Franklin Graham, presidente da Samaritan's Purse e da Associação Evangelística Billy Graham, concorda:

“Roe v. Wade, passado há 49 anos, resultou na morte de mais de 63 milhões de crianças inocentes neste país. Infelizmente, esta decisão não é o fim do aborto – ela empurra a batalha de volta para os estados”.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições