Nascido de estupro coletivo, homem usa testemunho na luta contra aborto

Steventhen Holland, filho de jovem com deficiência mental, agora compartilha uma mensagem de vida e esperança.

Fonte: Guiame, com informações do Life ActionAtualizado: segunda-feira, 6 de junho de 2022 12:42
Steventhen Holland usa seu testemunho para ajudar jovens grávidas. (Foto: Reprodução / Live Action)
Steventhen Holland usa seu testemunho para ajudar jovens grávidas. (Foto: Reprodução / Live Action)

A mãe de Steventhen Holland tinha 18 anos e sofria com problemas mentais quando engravidou dele. A jovem foi estuprada por cinco homens enquanto caminhava para o trabalho da instituição mental do Tennessee onde morava.

O estupro foi mantido em silêncio pela jovem, até que ela estava visivelmente grávida.

Pressionada a abortar, a mulher com a capacidade mental de uma criança de 11 anos, lutou para manter a gestação até o fim, e deu à luz a Steventhen.

Circunstâncias difíceis

Apesar das circunstâncias difíceis, Steventhen nasceu, cresceu e se tornou escritor, palestrante nacional pró-vida e fundador do Broken Not Dead Ministries.

Sua maior virtude, no entanto, foi reconhecia seu valor como filho de Deus.

“Minha mãe, Glenda Sue, enfrentou obstáculos intransponíveis. Ela sabia que minha vida tinha propósito, mas não tinha acesso a recursos e apoio. Então, ela viajou sozinha para Chattanooga para obter assistência na casa de uma mulher, mas acabou fugindo e acabou morando em uma caixa de papelão, grávida de nove meses e sem-teto. Mas ela não desistiu”, disse Steventhen ao Live Action News.

Glenda foi descoberta “morando” na caixa de papelão por um garoto de 16 anos. Quando ele viu a mulher assustada, em estágios avançados de gravidez, o menino a levou para casa, onde ele e seus pais a criaram.

“Aquele jovem foi um enviado de Deus”, disse Steventhen. “Ele tentou ajudar minha mãe a cuidar de mim quando ela voltou do hospital, mas sua família estava empobrecida e não tinha dinheiro para me alimentar adequadamente. Então, com a permissão da minha mãe, esse garoto de 16 anos me levou para o Serviço Humano, onde eu poderia obter a assistência de que precisava.”

Família adotiva

Desnutrido, Steventhen foi entregue pelos Serviços Humanos a uma família adotiva que teve que espremer leite em sua boca para amamentá-lo. Mais tarde, ao manifestar interesse em adotá-lo, a família enfrentou resistência dos Serviços Humanos por Steventhen ser bi-racial e eles caucasianos. Steventhen deveria ser colocado em uma família afro-americana. Mas a comunidade da família enviou mais de 200 petições aos Serviços Humanos solicitando que a adoção fosse permitida.

“Toda a comunidade lutou muito para me manter na única casa que eu já conheci”, disse Steventhen. “Nossas vozes importam. Quando nos reunimos como esta comunidade fez, podemos mover montanhas.”

Steventhen descobriu que foi adotado quando tinha oito anos. Era óbvio, dada a raça diferente de seus pais, mas a revelação o levou a buscar informações sobre seu passado, especificamente seu histórico médico.

Procurando a mãe

Aos 27 anos, Steventhen estava servindo como pastor de jovens e fundou seu ministério, Broken Not Dead. Mas algo estava faltando em sua vida. Ele queria alguma conclusão sobre sua mãe. A questão de por que uma mãe desistiria de seu filho muitas vezes o assombrava. Ele não tinha o quadro completo das circunstâncias que cercaram seu nascimento.

“Um dia, o Espírito Santo me disse que era hora de procurar minha mãe. Eu era casado e minha esposa havia perdido dois bebês. Eu só queria obter informações sobre meu histórico médico, pelo menos. Talvez me desse as respostas de por que minha esposa teve tantos abortos. Mas o mais importante, eu só queria dizer a ela que a amava e agradecê-la por me dar a vida”, contou Steventhen.

Ele acabou descobrindo que sua mãe biológica tinha cinco irmãos com deficiência mental e vivia em orfanatos ou instituições mentais estaduais – exceto um tio que atuava como mágico profissional. Steventhen se conectou com esse tio por meio de seu site e marcou um encontro com ele.

“Meu tio revelou que minha mãe estava viva e morando em um hospício”, disse Steventhen. “Ele organizou um show de mágica para os moradores, o que me deu a oportunidade perfeita de conhecê-la.”

O encontro entre mãe e filho foi comovente. Steventhen se lembra de se sentir compelido a cantar Amazing Grace com Glenda e juntos uniram suas vozes em louvor e adoração. Ao conhecer a incrível história de coragem e amor de sua mãe, o coração de Steventhen se encheu de compaixão e gratidão.

“A percepção me atingiu de que era um milagre eu estar vivo. Minha mãe escolheu a vida apesar de não poder cuidar de mim. Foi um grande ato de amor me deixar ir, então tive a chance de prosperar”, disse Steventhen ao Live Action News.

Um testemunho que salva vidas

Glenda Sue faleceu alguns anos após o reencontro com Steventhen. Agora pai de três filhas, ele pode não ter recebido todas as respostas, mas entende bem a importância de compartilhar sua história e sua mensagem pró-vida.

“Eu nunca poderia ficar em silêncio”, disse Steventhen. “Devo ser fiel e dar meu testemunho mesmo aos que duvidam e especialmente àqueles que acreditam que o aborto é aceitável em casos de incesto e estupro. Eu não deveria estar aqui, mas uma mulher sem-teto, desempregada e com problemas mentais escolheu a vida. Se ela pode superar as circunstâncias mais desafiadoras, então acredito que os outros também podem.”

Steventhen conta que Deus usou seu testemunho para causar impacto. Ele se lembra de conhecer uma menina hispânica de 12 anos em um acampamento de jovens que foi estuprada por seu tio que morava na casa com seus pais. Ela estava sendo pressionada por seus pais para abortar seu filho, mas em vez disso, ela foi a um centro de gravidez e escolheu a vida para seu bebê depois de se inspirar na história de Steventhen. A menina acabou sendo adotada por uma família cristã depois que seus pais se recusaram a despejar o tio por seu comportamento incestuoso. Seu bebê foi colocado com uma família adotiva.

Mais tarde, Steventhen encontrou a jovem, que o olhou nos olhos e perguntou: “Como vou saber que meu bebê sabia que eu o amava?”.

“Meu coração estava sobrecarregado com tantas emoções. Tudo o que eu podia dizer a ela era que ela fez a coisa certa por seu bebê e que eu oraria para que eles se reencontrassem um dia. Mas mesmo que isso não acontecesse, eu queria que ela soubesse quão corajosa ela era e acreditasse que ele ficaria bem”, disse Steventhen.

Aquele encontro serviu para fechar o ciclo na vida de Steventhen: uma jovem com a mesma idade em anos físicos que sua mãe tinha em capacidade mental, ambos entendendo quão preciosa e valiosa era a vida. A sua história sobre a experiência de outra jovem muitos anos antes havia salvado a vida de outra criança.

“Sem dúvida, a luta pela vida vai ficar feia se Roe for derrubado”, disse Steventhen. “Mas não tenho medo. Minha eternidade está segura. Continuarei a plantar sementes onde quer que eu vá compartilhando minha mensagem de esperança e restauração até que Deus me chame para casa. Isso é o que eu sou obrigado a fazer. A batalha pela vida é importante demais para ceder ao medo.”

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições