Policial fica à beira da morte por tiros, mas volta milagrosamente: “A oração tem poder”

Robert Johnson foi atacado em sua casa por um homem que desferiu seis tiros contra ele.

Fonte: Guiame, com informações da CBN NewsAtualizado: quarta-feira, 6 de julho de 2022 16:01
Mary Johnson ora por seu marido, Robert, enquanto estava no hospital. (Captura de tela CBN News)
Mary Johnson ora por seu marido, Robert, enquanto estava no hospital. (Captura de tela CBN News)

Na manhã de março de 2010, Robert Johnson foi atacado por um homem que atirou contra ele seis vezes. Ao ouvir o barulho dos tiros, Mary correu rapidamente pela casa procurando por seu marido.

Mary se lembra de orar: “Por favor, deixe-o viver, por favor, deixe-o viver, deixe-o ficar bem”.

Ex-policial, Robert estava caído no chão do banheiro e Mary conta que fez a única coisa que sabia. “Peguei uma toalha e apertei contra o peito dele. Ele estava sangrando muito”, disse ela.

Os médicos de um hospital perto da casa deles não conseguiram parar o sangramento, e Robert foi levado para o Richland Memorial Hospital em Columbia.

Robert entrou em uma cirurgia de emergência onde os médicos tentaram reparar as feridas no peito, abdômen, fígado e pulmões. Um capelão foi enviado para falar com Mary sobre a condição de seu marido.

"Ele disse: 'O médico quer que eu diga a você que ele não sobreviveria.' Ele disse: 'Eles não conseguem controlar o sangramento do fígado.' Eu gritei: 'Deus vai controlar o sangramento, e fui embora'", lembra Mary.

Momentos depois, o cirurgião-chefe saiu e lhe disse a mesma coisa. Ele permitiu que Mary entrasse na sala de cirurgia para se despedir.

Resposta de oração

Mary conta que não tinha intenção de dizer adeus a seu marido. “O médico me levou até a cabeça e disse: 'Beije-o', então eu agarrei sua cabeça e o beijei. Ele estava inchado e irreconhecível. Eu disse: 'Senhor, em nome de Jesus, deixe Bobby viver'”.

Quando Mary saiu da sala de cirurgia, ela começou a chamar a família e os amigos da igreja para orar. Mary nunca esquecerá o que aconteceu em seguida. “Cerca de duas horas depois, o cirurgião-chefe saiu sorrindo e me abraçou. Naquela época, eu sabia que as coisas haviam mudado. Eu disse: 'Deus fez isso, Deus fez isso.' Ele continuou sorrindo."

Embora os médicos tivessem parado o sangramento, eles ainda não esperavam que Robert vivesse muito mais do que duas semanas. Se o fizesse, já que havia perdido muito sangue, provavelmente teria danos cerebrais permanentes.

"Um enfermeiro voltou uma semana depois e disse: 'Ele ainda está aqui?' Fiquei chateado. Eu fiquei tipo, 'O que você quer dizer com ele ainda está aqui? O Senhor está trazendo-o para frente'”, relembra Mary.

Com Robert em coma induzido para minimizar o inchaço do cérebro, Mary orava ao lado da cama do marido todos os dias. “Eu examinava todo o seu corpo e dizia: 'Senhor, deixe tudo funcionar e seja curado em seu corpo'”.

Novos desafios

Duas semanas se passaram, Robert ainda estava vivo, mas em coma. Mary e uma multidão de pessoas continuavam orando pelo milagre.

A terceira semana traria mais más notícias: o coração de Robert começou a ter sinais cardíacos caóticos com batimentos rápidos e erráticos. Além disso, coágulos de sangue se formaram em sua perna e seus pulmões. Essa situação o levou de volta à cirurgia.

“Eles disseram ao meu filho e a mim que ele poderia morrer na mesa. Aquilo me assustou. Eu disse: 'Senhor, não, ele não vai morrer. Você o trouxe até aqui, ele vai viver. Deus, eu confio em você, eu confio em você'”, relembra Mary.

Mais uma vez, Robert conseguiu. Mas os médicos ainda alertaram Mary que o prognóstico de seu marido era ruim.

Mary se lembra de seu desânimo ao se deparar com a situação de seu marido. “Ele estava tão fraco. Eles achavam que ele ia morrer. Coisas estavam passando pela minha mente como, 'Senhor, por que isso aconteceu?' Eu apenas comecei a dizer: 'Ele não merecia isso. Isso está cooperando para o nosso bem?'"

Quando começou a orar, Mary diz que seu desânimo desapareceu. "'Senhor, você diz em tudo para agradecer, então eu comecei a elogiá-lo.' Eu apenas agradeci ao Senhor e disse: 'Não importa o que pareça, eu te darei honra, glória e louvor.'”

Robert Johnson vive um milagre enquanto estava no hospital. (Captura de tela CBN News)

Depois de mais de um mês de cirurgias, os médicos consertaram tudo o que podiam, mas Robert não estava saindo do coma. Pediram a Mary que tentasse despertá-lo. Por dias, ela e seu filho Kenneth tentaram, sem sucesso. Mas um dia, uma surpresa aconteceu.

“Kenneth estava de um lado e eu do outro. Eu estava chamando-o, 'Bobby, Bobby, acorde.' Kenneth disse 'papai' e seus olhos se abriram. Demos as mãos e ele se aproximou de nós. Claro, as lágrimas simplesmente fluíram”, conta Mary.

Robert passaria muitas semanas na reabilitação, recuperando sua força física e capacidade de falar. "Foi um processo lento", lembra Mary. "Ele falava um pouco. Mas depois voltou como natural. Sua mente estava se unindo mais."

Perdoando seus inimigos

Quando Robert recuperou a memória, percebeu que havia algumas coisas que os médicos não conseguiam consertar. Ele trabalhou como capitão da guarda prisional no Lee Correctional Facility. Junto com sua equipe apreenderam drogas ilegais, armas, facas e celulares que foram contrabandeados dentro da prisão.

Robert tinha feito alguns inimigos e eles o queriam morto. O ex-presidiário, Sean Echols, foi enviado para fazer o trabalho. Embora Echols tenha sido condenado e sentenciado à prisão, Robert lutou contra a raiva. “Eu estava pensando, esses caras me caçaram. Eles tentaram me matar e a amargura estava começando a crescer.”

Robert lembra: "Certa manhã, às 3 da manhã, ouvi essa voz, como se alguém estivesse falando comigo, dizendo: 'Perdoe'. Então, eu decidi, eu tinha que perdoar. Eu não podia deixar essa raiz de amargura crescer em mim. É uma grande liberdade para perdoar. O ódio e a amargura te colocam em uma grande escravidão.”

Poder da oração

Depois de três meses no hospital, Robert foi para casa, onde continuou sua recuperação. Embora ele ainda tenha dor e ocasionalmente ande com uma bengala, ele é grato por todos os dias que tem. “Tomo cada dia como precioso. É um tempo precioso para mim. Deus me deu tempo.”

Hoje Robert é pastor, escritor e orador público, e conta a outras vítimas de crimes violentos sobre o poder da oração e o Deus amoroso que salvou sua vida.

“Não desista. Quando aqueles médicos estavam prontos para desistir de mim, minha esposa não desistiu. Ela confiou em Deus”, compartilha.

Mary diz que sabe por experiência própria: “Deus está lá. Nunca duvide, não importa o que aconteça. Ele quer que as pessoas tenham fé através desta história. Ele quer que as pessoas acreditem Nele. Ele os está chamando, se eles vierem a Deus, Ele é a única esperança que alguém poderia ter”.

Robert conta que é muito grato pelas pessoas que oraram por ele. Ele sabe que Deus teve a palavra final em sua vida.

“A oração é poderosa, então sempre ore. Não acabou, até que Ele diga que acabou”.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições