‘A liberdade religiosa está sob ataque em todo o mundo’, diz juiz da Suprema Corte dos EUA

Samuel Alito abriu a Cúpula de Liberdade Religiosa de Notre Dame de 2022, realizada em Roma.

Fonte: Guiame, com informações da Universidade de Notre DameAtualizado: quarta-feira, 3 de agosto de 2022 14:19
Cúpula da Liberdade Religiosa de 2022: Juiz da Suprema Corte dos EUA Samuel Alito. (Captura de tela/YouTube/Notre Dame Law School)
Cúpula da Liberdade Religiosa de 2022: Juiz da Suprema Corte dos EUA Samuel Alito. (Captura de tela/YouTube/Notre Dame Law School)

A constatação de que a liberdade religiosa está sob ataque no mundo foi feita pelo juiz da Suprema Corte dos EUA, Samuel Alito, em discurso na Cúpula de Liberdade Religiosa de Notre Dame 2022 em Roma.

Alito fez o discurso principal no jantar de gala da Cúpula da Liberdade Religiosa no final de julho, quando observou que o cenário romano também trouxe à mente como a liberdade religiosa foi desafiada e defendida ao longo da história.

“Eu me pego pensando na orgulhosa civilização que estava centrada aqui dois milênios atrás”, disse Alito no início de sua fala.

“Quando penso no passado, também penso no futuro, e me pergunto o que os historiadores podem dizer daqui a alguns séculos sobre a contribuição dos Estados Unidos para a civilização mundial”, refletiu.

“Uma coisa que espero que eles digam é que nosso país, depois de muitos trancos e barrancos, e altos e baixos, acabou mostrando ao mundo que é possível ter uma sociedade estável e bem-sucedida em que pessoas de diversas religiões vivam e trabalhem juntas de forma harmoniosa e produtiva, mantendo suas próprias crenças. Esta foi realmente uma conquista histórica.”

Alito também acrescentou que a justiça é remanescente do Império Romano, que com sua queda deixou claro que nenhuma conquista humana é permanente.

“Portanto, não podemos presumir levianamente que a liberdade religiosa desfrutada hoje nos Estados Unidos, na Europa e em muitos outros lugares sempre perdurará. A liberdade religiosa é frágil, e a intolerância religiosa e a perseguição têm sido características recorrentes da história humana”, disse ele.

Mártires

A realização de um encontro internacional sobre liberdade religiosa em Roma traz grandes reflexões sobre o tema, uma vez que foi onde Pedro, Paulo e inúmeros cristãos primitivos foram martirizados.

“Se olharmos ao redor do mundo hoje, vemos que pessoas de muitas religiões diferentes enfrentam perseguição por causa da religião”, disse Alito, observando que a liberdade religiosa é uma questão de vida ou morte em muitas partes do globo.

Alito citou exemplos de grupos como os yazidis no norte do Iraque, cristãos na Nigéria, cristãos coptas no Egito e uigures na China que foram vítimas de violência horrível. E falou sobre os desafios futuros para a liberdade religiosa em todo o mundo.

“A liberdade religiosa está sob ataque em muitos lugares porque é perigosa para aqueles que querem manter o poder total”, disse o juiz. “Provavelmente também surge de algo obscuro e profundo no DNA humano – a tendência de desconfiar e não gostar de pessoas que não são como nós.”

Rejeição à religião

Um alerta é o número crescente de pessoas que rejeitam a religião ou não acham que a religião é importante.

“É difícil convencer as pessoas de que vale a pena defender a liberdade religiosa se elas não acharem que a religião é uma coisa boa que merece proteção”, disse Alito.

“O desafio para aqueles que querem proteger a liberdade religiosa nos Estados Unidos, Europa e outros lugares semelhantes é convencer as pessoas que não são religiosas de que a liberdade religiosa merece proteção especial. Isso não será fácil de fazer.”

Uma maneira de encontrar um terreno comum com pessoas não religiosas sobre o tema da liberdade religiosa, disse Alito, é enfatizar os benefícios relacionados que as sociedades desfrutam quando a liberdade religiosa é protegida.

A liberdade religiosa promove a tranquilidade doméstica, observou ele, e fornece uma maneira para que diversas pessoas floresçam juntas. Outro benefício é o enorme trabalho de assistência social realizado por grupos religiosos e pessoas de fé.

Reformas sociais

Alito disse que, além disso, a liberdade religiosa muitas vezes alimentou a reforma social. Grupos religiosos lideraram o movimento pela abolição da escravidão nos Estados Unidos e na Europa, por exemplo. E não é coincidência que o Dr. Martin Luther King Jr. foi um pastor.

“Se a liberdade religiosa for protegida, os líderes religiosos e outros homens e mulheres de fé poderão falar sobre questões sociais”, disse Alito.

“Pessoas com profundas convicções religiosas podem ser menos propensas a sucumbir a ideologias ou tendências dominantes, e mais propensas a agir de acordo com o que consideram verdadeiro e correto. A sociedade civil pode contar com eles como motores de reforma”.

Alito finalizou seu discurso descrevendo a forte relação entre a liberdade religiosa e outros direitos, como a liberdade de expressão e a liberdade de reunião.

“A liberdade religiosa e outros direitos fundamentais tendem a andar juntos”, disse ele.

Para concluir, Alito contou uma conversa memorável que teve com um estudante da Universidade de Pequim. A jovem cresceu em uma cidade chinesa onde, por causa de sua história, várias igrejas estavam localizadas. A Igreja Católica ali era conhecida como “a igreja que deu razões”, disse ela.

“Isso realmente me impressionou”, disse Alito à plateia em Roma.

“A Revolução Cultural fez o possível para destruir a religião, mas não teve sucesso. Não conseguiu extinguir o impulso religioso”, observou Alito.

“Nossos corações estão inquietos até que descansemos em Deus. E, portanto, os campeões da liberdade religiosa que saem tão sábios quanto as serpentes e tão inofensivos quanto as pombas podem esperar encontrar corações abertos à sua mensagem”.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições