Cristã ucraniana louva a Deus enquanto bombas caem em Kharkiv

“Às vezes minha casa tremia e podia sentir os terremotos causados ​​pelo bombardeio, mas ela ainda está de pé, e eu sou grata a Jesus por isso”, disse.

Fonte: Guiame, com informações de IMBAtualizado: quinta-feira, 24 de março de 2022 14:20
Nastya. (Foto: Reprodução/IMB)
Nastya. (Foto: Reprodução/IMB)

Após uma escalada de ataques em Kharkiv, Nastya, uma cristã ucraniana, percebeu que sua casa não era segura o suficiente para protegê-la. Antes de fugir, porém, ela chegou a improvisar um abrigo. 

No início de março, quando mísseis começaram a ser lançados sobre uma das maiores cidades da Ucrânia, as explosões começaram a abalar várias fundações.

Enquanto Nastya se escondia debaixo de uma mesa — seu abrigo improvisado — Deus deu a ela uma canção, conforme relatou ao IMB (International Mission Board), uma organização missionária filiada à Igreja Batista do Sul, nos EUA.

Junto da canção, ela também escreveu uma carta contando os detalhes sobre o que viveu com os membros de sua igreja em Kharkiv. 


Abrigo improvisado por Nastya. (Foto: Reprodução/IMB)

Canção inspirada por Deus

“Tornou-se um teto um pouco mais baixo, mas é mais confortável aqui do que sob os escombros. A cama é um pouco menor, mas é melhor acordar nela do que não acordar”, essa é a introdução da canção de Nastya.

“E estou tão triste por perder o mundo em que vivi ontem. Que em um dia encolheu para o tamanho da minha mesa. Nunca pensamos em conhecer o outro lado das coisas que são comuns e familiares para nós, como minha mesa”, continua.

“Ontem você era só uma mobília, só conforto. Hoje, você é meu refúgio e minha casa”, canta Nastya ao explicar que sentiu Deus dizer que ela precisava ficar em casa. Ela revela que achou estranho, pois não havia ali um porão para se esconder. 

Nastya explica que não tinha como ir para uma estação de trem, pois fica muito longe de onde mora. Então, ela se escondeu dentro da própria casa, num quarto sem janelas. “Era o local mais seguro da casa”, compartilhou. 

 

“Deus está me protegendo”

A cristã conta que seu bairro é seguro, mas que podia ouvir os bombardeios ao redor. “Eu moro perto do centro de Kharkiv, e bem no centro, houve uma série de bombardeios em prédios do governo e até as igrejas ortodoxas foram bombardeadas”, disse.

“Às vezes minha casa tremia e podia sentir os terremotos causados ​​pelo bombardeio. Mas, ela ainda está de pé, e eu sou grata a Jesus por isso”, compartilhou. 

“Nós oramos todos os dias com os membros da nossa igreja e isso é maravilhoso. Nenhum de nós sofreu danos. Ouvimos os bombardeios e eles se aproximavam, mas estamos seguros e vivos”, destacou. 

Avivamento da Igreja na Ucrânia

Na carta escrita por Nastya, há também um importante depoimento sobre o avivamento da Igreja na Ucrânia. “Estamos no meio desse fogo, estamos juntos daqueles que estão com medo e não sabem o que acontecerá a seguir”, relatou.

“Mas eu acredito que Jesus pode trazer paz e alegria no meio deste momento difícil. Ninguém se imagina em uma situação como essa. Você acha que sua vida será de uma certa maneira e nada pode interromper esse plano, mas então algo como a guerra vem”, continuou. 

Ao contar que a Igreja sabia da possibilidade de uma invasão, Nastya conta que, no fundo, eles não achavam que realmente iria acontecer.

“Isso fez com que nossa igreja aqui na Ucrânia despertasse fortemente, especialmente para as pessoas que vivem em áreas perigosas. É poderoso ver como a igreja está reagindo”, escreveu.

“Nunca pensei que viveria em uma época como esta, mas sinto que somos como a primeira igreja em Atos, porque oramos constantemente e Deus sempre nos mostra algo. Sentimos que estamos unidos em um só espírito. Todos nós recebemos do Senhor o mesmo encorajamento e mensagem. Estamos tão unidos, e isso é incrível”, descreveu. 

“Estamos em modo de sobrevivência agora. Além de orar por proteção física, oramos para que Deus proteja nossa terra com nossos escudos espirituais”, disse ao compartilhar que ouviu histórias de milagres no campo de batalha

“Uma história recente foi de um soldado que ligou para seus pais para explicar como eles venceram uma batalha. Uma cortina de ferro de aviões se moveu em direção ao exército ucraniano, mas de repente, um relâmpago apareceu e todos os aviões russos desapareceram. O exército ucraniano ficou surpreso”, disse. 

"Deus está trazendo milagres aqui. Sentimos isso em nossas veias. A atmosfera aqui é a crença de que Deus traz a vitória. Todos nós o ouvimos e sentimos, mesmo que não o vejamos com nossos olhos físicos. A graça de Deus está aqui”, reconheceu. 

Maiores dificuldades enfrentadas

Desde o início do conflito, Nastya teve contato esporádico com sua mãe, Julia, devido a interrupções no serviço de celular. Julia morava em uma área da Ucrânia sob controle russo, onde as pessoas enfrentam extrema necessidade de comida

Nastya chegou a passar vários dias sem saber se sua mãe estava viva. “Aldeias e pequenas cidades estão sem provisões. Os russos estão cortando a comunicação e a energia”, disse a mãe que ficou sem eletricidade e água quente. 

A luta para se manter aquecida foi intensa. “Ainda está muito frio, mesmo sendo março, ainda é inverno na Ucrânia”, contou.

Situação atual

Agora, Júlia está numa área mais segura e se comunica com frequência com a filha. Nastya conseguiu fugir primeiro para o oeste da Ucrânia e depois para a Romênia. 

Ela permanece em contato com a missionária do IMB,  Martha Richards, que é sua amiga e parceira de missões. Além disso, Nastya é professora e costumava liderar os cultos em sua igreja que, no momento, é forçada a existir na clandestinidade. 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições